Revista Epistemologias do Sul https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul Epistemologias do Sul: Pensamento Social e Político em/para/desde América Latina, Caribe, África e Ásia pt-BR Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<br /><br /><ol type="a"><li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a> que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</li></ol> revista.epistemologias@unila.edu.br (Marcos De Jesus Oliveira) diseg@unila.edu.br (Divisão de Serviços Corporativos e Segurança) Fri, 14 Jan 2022 18:28:06 -0300 OJS 3.2.1.2 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 El Desarrollo a Escala Humana https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2647 Axel Bastián Poque González Copyright (c) 2021 Axel Bastián Poque González https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2647 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 Editorial https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3130 Marcos De Jesus Oliveira Copyright (c) 2021 Marcos De Jesus Oliveira https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3130 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 O currículo moderno/colonial e a produção de silenciamentos em comunidades de tradição oral https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2892 <p>Embora seja correta a afirmação de que tanto o <em>Ratio Studiorum</em> quanto a <em>Didactica Magna</em> simbolizam prescrições curriculares seminais, aportadas em percepções singulares de ensino e de aprendizagem, mas também, e principalmente, de homem e de mundo, o currículo, enquanto conceito, é uma invenção da modernidade. Noutra seara, quando pensamos em escolas localizadas em quilombos, nos quais sempre há homens e mulheres que acumularam, ao longo de suas vidas, saberes que singularizam o território, mas que não encontram assento na escola, somos forçados a reconhecer, no currículo, a produção de silenciamentos que incidem sobre esses sujeitos, que são detentores de saberes os quais, de geração a geração, produzem a vida: os tradicionalistas. E aqui reside nosso objetivo: refletir sobre as razões que levam as práticas curriculares implementadas por escolas localizadas em CRQ à imposição de silêncio das práticas culturais tradicionais que demarcam os quilombos. Este é um bom mote para pensar a Educação Escolar Quilombola.</p> Evanilson Tavares de de França, Jackeline Rodrigues Mendes Copyright (c) 2021 Evanilson Tavares de de França, Jackeline https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2892 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 A questão ambiental e os alinhamentos epistemológico-políticos https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2753 <p>O presente trabalho discute sobre os diferentes alinhamentos epistemológico-políticos que giram em torno da questão ambiental. Evidencia-se que esses diferentes alinhamentos representam diferentes formas de dominação e/ou a (re)apropriação da natureza, representam, em si, diferentes projetos políticos para o território. A reflexão sobre o alinhamento epistemológico-político e as categorias nos discursos e nas práticas hegemônicos(as) da sociedade contemporânea, e o (re)pensar por outros alinhamentos e outras categorias de resistência e R- Existência que evidenciem outros saberes, fazeres, outras relações não dicotômicas sociedade-natureza, se dá a partir da análise da disputa pela Baía de Guanabara, evidenciada em 2012, entre os pescadores artesanais e os agentes do Comperj. Nesta reflexão, verifica-se que os agentes do empreendimento, alinhados aos pressupostos do discurso epistemológico hegemônico da ciência e da filosofia modernas, pautada no lócus de enunciação universal, a partir do uso da categoria de <em>desenvolvimento sustentável</em>, constroem um discurso uno, global e consensual. Tecnificam a “questão ambiental” e apagam as diferenças constitutivas do território, a partir da dominação sobre outros povos e sobre a natureza. De outro lado, os pescadores artesanais se aproximam das lutas travadas por outros sujeitos que resistem e R-Existem na América Latina (indígenas e quilombolas) e constroem um discurso ambiental politizado, pautado na diferença, a partir de três categorias-chave: <em>território, identidade e memória</em>. Trazem, assim, uma ressignificação e (re)apropriação social da questão ambiental.</p> <p>PALAVRAS-CHAVE: 1. questão ambiental. 2.discurso ambiental. 3. alinhamento epistemológico-político. 4. disputa territorial. 5. Baía de Guanabara.</p> Yana dos Santos Moysés Copyright (c) 2021 Yana dos Santos Moysés https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2753 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 Estudos decoloniais https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2711 <p>O artigo se propõe a discutir, na perspectiva dos estudos decoloniais, a arte urbana do grafismo, grafite e muralismo nos trabalhos do artista conhecido como Campo Raiz da cidade de Manaus, no estado do Amazonas. Assim, procuro demonstrar como a arte de rua em espaços urbanos pode ser transformada em lugares de visibilidades aos Povos indígenas, contrapondo-se à desvalorização, a discriminações e a desconstruções dos valores tradicionais dos Povos indígenas.</p> Jimmy Melo, Delphine Fabbri Lawson Copyright (c) 2021 JIMMY MELO, Delphine https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2711 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 Entre tejidos y canciones: https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2974 <p>Este artículo tiene como objetivo hacer algunas consideraciones sobre el tejido que son hechos por las mujeres en la Cordillera de los Andes, más específicamente en el altiplano boliviano, relacionadas con las canciones cantadas durante la confección de los tejidos. Tanto los cantos como la práctica del tejido, presentan, en su esencia, las características de un pueblo multiétnico que logra mantener vivo el recuerdo de sus ancestros Incas. Las técnicas de tejido y el canto de las mujeres andinas presentan significados que pueden ser tanto materiales ordenados por el entretejido de hilos y lanas para componer tramas, como del orden simbólico. Esta simbología se sitúa culturalmente, y propone nuevas investigaciones en el ámbito antropológico, lingüístico, artístico, entre otros, que buscan comprender más profundamente las construcciones identitárias, las memorias de los pueblos ancestrales, que persisten y resisten a la colonialidad que aún hoy se mantiene vigente. Tratase de una investigación etnográfica a nivel de doctorado que esta siendo desarrollada en el ámbito del IEL-UNICAMP- CAPES y que tiene como base teórica las Teorías Decoloniales.</p> Ana Carla Barros Sobreira Copyright (c) 2021 ANA CARLA BARROS SOBREIRA https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2974 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 Reconstruções metodológicas e/ou metodologias a posteriori https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3133 <p>É uma pesquisa cuja linha epistêmico-política seja a perspectiva decolonial compatível com as metodologias de pesquisa canônicas? É possível descolonizar a metodologia? Não é indispensável? Preocupações com este teor deram origem a este escrito. Ele percorre algumas propostas referentes aos inconvenientes metodológicos que surgem no âmbito da pesquisa decolonial.</p> María Eugenia Borsani Copyright (c) 2021 María Eugenia Borsani https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3133 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 Nas redes sociais a imagem do lazer de espetáculo atualiza o imaginário cultural ao tempo que enaltece a utopia do belo https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3067 <p>Este artigo discute a comunicação midiatizada vinculada em redes sociais que oculta o que não se quer ver, supervalorizando a beleza e a estética e camuflando a pobreza e a miséria, nas organizações de destinos turísticos. Nesse universo híbrido que surfa entre real e digital, as imagens que seguem representando marcas destino apontam para a continuidade de processos que atualizam o imaginário cultural para o lazer espetáculo. Este artigo traz à tona o imaginário da colonização e dos zoológicos humanos e objetiva demonstrar que esses temas nunca deixaram a mídia. Para tanto, analisa-se a teoria da imagem e imaginário de Baitello Jr, Contrera e Sodré vis a vis ao estudo de mosaicos que representam os destinos Amazonas, Rio de Janeiro e São Paulo, constituídas no Instagram.</p> Sandra Helena Vieira Maia, Mauricio Ribeiro da Silva, Juliana Ayres Pina Copyright (c) 2021 SANDRA, Maurício, JULIANA https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3067 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 ‘Reading the signs of my body’ https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3184 <p><span style="font-weight: 400;">Pretendo analisar parte do conjunto de imagens relacionadas à cantora Shakira, compreendendo-a como uma personagem geográfica e indagando sobre seu papel na enunciação de um movediço sentido global de lugar e de um inconstante sentido global de “raça”. Para a tarefa, a partir de movimentações epistêmicas, debato com os escritos anticoloniais, pós-coloniais e decoloniais a respeito da ideia de “raça” e certa literatura sobre a narração de lugares, entrelaçando-os à torrente de imagens tecnicamente reprodutíveis que inunda e transcorre o globo. Assim, trato “raça” como performatividade, linguagem e imagem e alinho o debate sobre “imagem” para o debate etnorracial. Conduzo essa argumentação com o auxílio de montagens de imagens, uma narrativa visual não linear.</span></p> Leo Name Copyright (c) 2021 Leo Name https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/3184 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300 A educação dos militares na Venezuela https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2651 <p>O pressuposto deste artigo é que a educação dos militares é uma variável chave para promover a consolidação da democracia na América do Sul. Essa potencialidade, porém, encontra entraves no corporativismo das Forças Armadas, na proximidade com os Estados<br />Unidos, na carência de projeto político e de força social na área de defesa por parte das<br />organizações da sociedade civil, entre outros determinantes. O objetivo deste trabalho é<br />explorar essa ideia a partir da análise de uma experiência concreta: a formação das Forças<br />Armadas venezuelanas e seu processo de profissionalização, com particular atenção às<br />escolas militares. Metodologicamente, priorizou-se a contextualização das transformações<br />do treinamento militar no contexto do país, mas o texto reúne elementos históricos, normativos, doutrinários e entrevistas com militares venezuelanos; abrangendo um longo período histórico, que vai desde as guerras pela independência até os dias atuais. Conclui-se que as Forças Armadas venezuelanas estiveram envolvidas com a política geral ao longo<br />de sua história, e seu processo de profissionalização deu-se simultaneamente.</p> Ana Penido, Elio Colmenarez, Lucas Scaldaferri Copyright (c) 2021 Ana Penido, Elio Colmenarez, Lucas Scaldaferri https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/2651 Fri, 14 Jan 2022 00:00:00 -0300