Desafios epistemológicos: os estudos organizacionais e a pesquisa no campo da arte

Cecília Leão Oderich

Resumo


Este trabalho apresenta breve relato sobre o percurso por mim vivenciado, na condição de administradora formada em uma lógica predominantemente positivista, da ciência moderna, ao adentrar em novas perspectivas metodológicas no doutorado em Estudos Organizacionais, em especial para construir o objeto de pesquisa: o cinema brasileiro independente. Pode-se evidenciar, no próprio campo de pesquisa, a disputa de racionalidades desde a conceituação abrangendo os significados de arte e de indústria cultural, quando a própria delimitação de fronteiras entre cinema industrial e cinema artístico se apresenta como desafio, ou até impossibilidade.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel. Comunicação e Indústria Cultural. São Paulo: nacional, 1975.

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. 3º Ed. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1947.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. 1955.

COHN, Gabriel. A atualidade do conceito de indústria cultural. In: MOREIRA, A. (org.). Sociedade Global: cultura e religião. São Paulo: Vozes, 1998.

RAMOS, Alberto Guerreiro. A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1989.

RANCIERE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO Experimental, Ed 34, 2009.

RANCIERE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Ed. 34, 1996.

WEBER, Max. Ética protestante e espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1989.

WEBER, Max. Os Fundamentos Racionais e Sociológicos da Música. São Paulo: EdUSP, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.