Ideologias de linguagem de docentes indígenas: pluriepistemologia e descolonização do conhecimento nos estudos linguísticos

Denise Pimenta de Oliveira, André Marques Nascimento

Resumo


O objetivo deste trabalho é evidenciar e discutir teoricamente ideologias de linguagem em metadiscursos e práticas de docentes indígenas em formação superior específica, situando-as no campo do pensamento decolonial latino-americano, com o intuito de diversificar as bases epistemológicas dos estudos linguísticos. Com direcionamento metodológico qualitativo de cunho etnográfico, a pesquisa se centra na análise de dados discursivos orais e escritos gerados em contextos de sala de aula do curso de Educação Intercultural da Universidade Federal de Goiás, em temas contextuais concernentes à reflexão sobre linguagem e ensino de línguas em cenários interculturais.Assumimos as ideologias de linguagem desses docentes indígenas em formação, portanto, como saberesfundados em uma epistemologia diversa da tradicionalmente presente na Linguística, enxergando-os como sujeitos do conhecimento, cuja presença na universidade por si só representa um ato político que subverte a ordem do sistema-mundo moderno/colonial. Partindo da ideia de “invenção das línguas” postulada por Makoni e Pennycook (2007) e da proposta de “descolonização do conhecimento” de Quijano (1992) e Mignolo (2003, 2010),defendemoso pensamento indígena como uma forma de desestabilizar o pensamento moderno/colonial, uma vez que os metadiscursos e as práticas desses sujeitos se apropriam de ideologias modernas de linguagem (como purismo, fixidez, artefatualidade etc.) e as reelaboram de forma politicamente estratégica, além de as desafiarem por meio de concepções e práticas de linguajamento híbridas e situadas. Buscamos, dessa forma, contribuir para a reflexão acerca das bases epistemológicas dos estudos linguísticos, trazendo para a discussão teórica sobre língua os conhecimentos epilinguísticos de pessoas indígenas, histórica e sistematicamente marginalizadas e subalternizadas no sistema-mundo moderno/colonial.


Texto completo:

PDF

Referências


BLOMMAERT, J. Ideologias linguísticas e poder. Tradução de Ive Brunelli. In: SILVA, D. do N.; FERREIRA, D. M.; ALENCAR, C. N. (Org.). Nova pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014. p. 67-77.

GARCEZ, Pedro de Moraes; BULLA, Gabriela da Silva; LODER, Letícia Ludwig. Práticas de pesquisa microetnográfica: geração, segmentação e transcrição de dados audiovisuais como procedimentos analíticos plenos. D.E.L.T.A., v. 30, n. 2, p. 257-288, 2014.

KROSKRITY, P. Language Ideology. In: DURANTI, A. (Ed.) A companion to linguistic anthropology. Malden, MA, USA: Blackwell Publishing, 2004.

MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. Disinventing and reconstituting languages. In: MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. (Ed.) Disinventing and reconstituting languages. Clevedon/Buffalo/Toronto: Multilingual Matters, 2007. p. 1-41.

MIGNOLO, W. D. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

MIGNOLO, W. D. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del signo, 2010.

MOITA LOPES, L. P. da. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Por uma linguística indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 13-44.

NASCIMENTO, A. M. Apontamentos críticos sobre concepções de linguagem na formação superior de docentes indígenas: diálogo intercultural como diálogo interepistêmico. Revista Muitas Vozes, Ponta Grossa, v. 3, n. 1, p. 103-123, 2014.

NASCIMENTO, A. M. Plurilinguismos indígenas no mundo globalizado. Revista Organon, Porto Alegre, n. 62, 2017.

QUIJANO, A. Colonialidad y modernidad/racionalidad. Perú Indígena, v. 13, n. 29, p. 11-20, 1992.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 227-278.

SIGNORINI, I. Metapragmáticas da língua em uso: unidades e níveis de análise. In: SIGNORINI, I. Situar a linguagem. São Paulo: Parábola, 2008. p. 117-148.

SILVERSTEIN, M. Language structure and linguistic ideology. In: CLYNE, R.;HANKS, W. F.; HOFBAUER, C. F. (Org.). The elements: a parasession on linguistic unions and levels. Chicago: Chicago Linguistic Society, 1979. p. 193-247.

UFG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Projeto Político-Pedagógico da Licenciatura Intercultural da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, Núcleo Takinahak? de formação superior indígena, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.