As lutas simbólicas do Candombe mineiro: das comunidades N’goma à tradição festiva dos Tambus sagrados

Maria do Rosário Gomes da Silva

Resumo


A tradição do Candombe é herdeira de uma cultura percussiva de origem Banto característica de inúmeras etnias africanas que concebem o tambor como um ente sagrado com poderosos significados simbólicos. Transplantada em terras americanas durante os séculos de tráfico negreiro, essa cultura do tambor deu origem ao Candombe em Minas Gerais por volta do final do século XVIII, quando foi inserida nas celebrações festivas típicas dos quilombos que surgiram na região como espaços de refúgio e luta pela liberdade. Caracterizado pela forma singular de unir as narrativas da escravidão e o culto às divindades africanas ao ritmo efusivo dos tambores Bantos, o festejo do Candombe tornou-se fonte de uma luta simbólica, que, mesmo após o fim do regime escravista brasileiro, permaneceu resistindo contra todas as formas de colonialidade e opressão racial que ainda mantêm as práticas culturais afrodescendentes invisibilizadas e marginalizadas na esfera pública do país.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Ridalvo Felix de; QUEIROZ, Sônia. Cantos dançados no ritual de abertura do candombe da Lapinha. Africanias, n. 6, 2014.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRANDÃO, Maria do Carmo. RIOS, Luís Felipe. Catimbó-Jurema do Recife. In: Encantaria brasileira, o livro dos Mestres, Caboclos e Encantados. Rio de Janeiro: Pallas, 2004.

CAMPOS, Adrelino. Do quilombo à favela. A produção do espaço criminalizado no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CARNEIRO, Edison. Folguedos Tradicionais. Rio de Janeiro: Conquista, 1974.

DIAS, Paulo. A outra festa negra. In: JANCSÓ, István e KANTOR Íris (orgs.). Festa: Cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Imprensa Oficial/Hucitec/ Edusp/Fapesp, vol. 02, 2001.

FERREIRA, Luís. A diáspora africana na América Latina e o Caribe, Afro-latinos, 2006.

LUCAS, Glaura. Os sons do rosário: o congado mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

NIANGORAN-BOUAH, G. Introduction à la Drummologie. Abidjam, Universidade Nacional da Costa do Marfim, 1981.

RISERIO. Antonio. A utopia brasileira e os movimentos negros. São Paulo: Editora 34, 2007.

RUHLEN, Merritt. The origin of language. New York: John Wiley & Sons, 1994.

SLENES, Robert W.. Malungu, ngoma vem!: África coberta e descoberta no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 12, p. 48-67, 1992.

STEIN, Stanley J. Vassouras - um município brasileiro do café, 1850-1900. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985.

TINHORAO, José Ramos. Os Sons dos Negros no Brasil. São Paulo: Art Editora, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.