Pensamento descolonial epistêmico e feminismo descolonial: notas para o desenvolvimento do conceito de “sistema moderno/colonial de gênero."

Juliéverson Messias de Carvalho

Resumo


Este trabalho propõe-se a realizar uma discussão teórica acerca do desenvolvimento do conceito de sistema moderno/colonial de gênero, proposto pela feminista descolonial argentina María Lugones. Esta autora, ao apresentar, ampliar e complicar o modelo de Aníbal Quijano da Colonialidade do Poder, se desloca metodologicamente do feminismo negro para o feminismo descolonial. Assim, a partir das lentes do pensamento descolonial epistêmico, busca-se compreender a análise de Lugones da violência sobre as mulheres de cor, vítimas da colonialidade do poder e a colonialidade do gênero. O trabalho forma parte do conjunto de atividades programadas pela disciplina optativa “Estudos interdisciplinares de Gênero”, ofertada pelo PPGCS: Cultura, Desigualdades e Desenvolvimento, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Texto completo:

PDF

Referências


BOUTELDJA, Houria. Raza, clase y género: la interseccionalidad, entre la realidad social y los límites políticos, 2013 Disponível em:. Acesso em 12 mar. 2017.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Tabula Rasa . Bogotá - Colombia, N° 9, 75-101, jul./dez., 2008.

______________. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas . Florianópolis, 22(3): 320, set./dez./2014.

MALDONALDO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMES, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá. Siglo del Hombre Editores; Universidad Central; Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana; Instituto Pensar; 2007.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber, eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires. Argentina, setembro 2005.

______________. ¡Qué tal Raza! ALAI: América Latina en Movimiento. nº. 320, 2000. Disponível em < http://alainet.org/active/929> Acesso em: 12 de mar. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.