Sobre a Revista

Foco e Escopo

O maior desafio de um pesquisador é publicar o resultado do seu trabalho. Essa revista nasceu no cerne do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Racionalidades, Desenvolvimento e Fronteiras – GIRA, depois de muitas discussões feitas durante as caminhadas na sede provisória da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), com objetivo de dar publicidade aos resultados das pesquisas do grupo e de difundir os trabalhos de outros grupos e pesquisadores. 

A partir de 2016, a revista passa a ser editada pelo Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento - PPGPPD/UNILA. O foco da Revista Orbis Latina continua sendo:


Desenvolvimento, racionalidades e autonomia, que procura dar conta de problemáticas classicamente abordadas pelas teorias do desenvolvimento: a noção padrão/modelo, as dotações de fatores de produção e sua influência sobre o potencial econômico e transferência tecnológica; entretanto a estratégia aqui sugerida propõe um olhar que dê relevância as especificidades, no qual se acolham às diferenças encontradas não como resultado de um nível inferior de evolução econômica, mas sim como características dessas economias que podem (e devem) ser levadas em conta num traçado próprio/regional para um programa de desenvolvimento integral (incluindo a análise de experiências desde a ótica da Economia Social até a da Economia Solidária, por exemplo); 

Valoração ambiental, indicadores e medidas propõe uma abordagem além do mercado e surge tanto da necessidade atual de se mensurar os resultados da atividade econômica, como os custos (inclusive os normalmente associados as “externalidades” sociais e ambientais) de sua execução; de forma que se contemplem outros critérios que não apenas os econômicos convencionais (rentabilidade monetária imediata). Seguindo uma ótica mais filosófica, essa linha também questiona em que medida a perspectiva econômica calcada em qualquer uma das teorias de valor existentes é capaz, isoladamente, de dar conta do desenvolvimento de técnicas de valoração para bens ambientais, culturais e similares; sugerindo o apelo à interdisciplinaridade nessa empreitada intelectual;

Desenvolvimento Rural e Urbano busca respaldo nas bases teóricas da análise regional, visando estudar as transformações ocorridas nos ambientes rural e urbano dos países latino-americanos, com objetivo de auxiliar a formulação de estratégias de planejamento e desenvolvimento regional. Acredita-se que a discussão sobre a temática do desenvolvimento regional, nas localidades latino-americanas, deve unir as abordagens tradicionais com as novas perspectivas de desenvolvimento regional endógeno e de capital social, focalizando o papel da comunidade local e sua capacidade de ativação social na transformação do crescimento econômico em desenvolvimento humano e social. 

A Revista Orbis Latina espera receber colaborações periódicas de pesquisadores de toda parte do mundo.

Processo de Avaliação pelos Pares

A Revista Orbis Latina está aberta a colaborações de pesquisadores de qualquer parte do planeta. Os artigos, resenhas e demais contribuições devem girar em torno de temáticas que envolvam racionalidades, desenvolvimento ou fronteiras, abordagens e perspectivas de caráter interdisciplinar. Trata-se de uma revista online, formatada em pdf, publicada exclusivamente em ambiente virtual (internet) de acesso irrestrito. Os artigos, resenhas e demais contribuições publicadas implicam na transferência de direitos do(s) autor(es) para a revista. É de extrema importância salientar que não são pagos direitos autorais pelos textos publicados.

Os artigos, resenhas e demais contribuições enviadas para publicação na Revista Orbis Latina são apreciados por pareceristas pelo sistema blind review.

A Revista Orbis Latina receberá textos que contenham as seguintes características:

I) Artigos Científicos – Os textos devem conter no mínimo 5 e no máximo 30 laudas em formato Word ou equivalente. Os artigos devem obrigatoriamente apresentar título, resumo (300 palavras no máximo) e palavras-chave (mínimo três e máximo de sete) em pelo menos dois idiomas, introdução, conclusão e referências. Na folha de rosto deverá aparecer o título e o(s) nome(s) do(s) autor(es), com respectiva identificação em nota de rodapé (titulação, instituição de origem, titulação e correio eletrônico. A formatação do artigo deve ser em tamanho A4, margens 2,5 cm, fonte times new roman 13 e/ou arial 12 e espaçamento simples.

II) Resenhas – As resenhas devem conter no mínimo 3 e no máximo 25 laudas em formato word ou equivalente. Na folha de rosto deverá aparecer os dados do livro e o nome do autor da resenha, com respectiva identificação em nota de rodapé (titulação, instituição de origem, titulação e correio eletrônico. A formatação deve ser em tamanho A4, margens 2,5 cm, fonte times new roman 13 e/ou arial 12 e espaçamento simples.

III) Demais Contribuições – As contribuições de caráter cultural e ou iniciação científica devem conter no máximo 10 laudas em formato word ou equivalente. Na folha de rosto deverá aparecer o título e os dados do autor, com respectiva identificação em nota de rodapé (titulação, instituição de origem, titulação e correio eletrônico. A formatação deve ser em tamanho A4, margens 2,5 cm, fonte times new roman 13 e/ou arial 12 e espaçamento simples. 

Periodicidade

Semestral

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Conselho Editorial

Antonio Gonçalves de Oliveira (PPGPGP / UTFPR)

Claudia Lucia Bisaggio Soares (ILAESP / UNILA)

Dirceu Basso (ILAESP / UNILA) 

Exzolvildres Queiroz Neto (ILAESP / UNILA) 

Gilson Batista de Oliveira (ILAESP / UNILA) - Editor

Gilcélia Aparecida Cordeiro (ILACVN / UNILA) 

Janine Padilha Botton (ILACVN / UNILA)

Lucas Lautert Dezordi (UP/PR)

Luiz Alberto Esteves (PPGPP / UFPR)

Mauro Cardoso Simões (FCA / UNICAMP)

Regis Cunha Belém (ILAESP / UNILA) 

Rodrigo Bloot (ILACVN / UNILA)

Normas para Publicação

A Revista Orbis Latina está aberta a colaborações de pesquisadores de qualquer parte do planeta. Os artigos, resenhas e demais contribuições devem girar em torno de temáticas que envolvam racionalidades, desenvolvimento ou fronteiras, abordagens e perspectivas de caráter interdisciplinar. Trata-se de uma revista online, formatada em pdf, publicada exclusivamente em ambiente virtual (internet) de acesso irrestrito. Os artigos, resenhas e demais contribuições publicadas implicam na transferência de direitos do(s) autor(es) para a revista. É de extrema importância salientar que não são pagos direitos autorais pelos textos publicados.

Os artigos, resenhas e demais contribuições enviadas para publicação na Revista Orbis Latina são apreciados por pareceristas pelo sistema blind review.

A Revista Orbis Latina receberá textos que contenham as seguintes características:

I) Artigos Científicos – Os textos devem conter no mínimo 5 e no máximo 30 laudas em formato Word ou equivalente. Os artigos devem obrigatoriamente apresentar título, resumo (300 palavras no máximo) e palavras-chave (mínimo três e máximo de sete) em pelo menos dois idiomas, introdução, conclusão e referências. Na folha de rosto deverá aparecer o título e o(s) nome(s) do(s) autor(es), com respectiva identificação em nota de rodapé (titulação, instituição de origem, titulação e correio eletrônico. A formatação do artigo deve ser em tamanho A4, margens 2,5 cm, fonte times new roman 13 e/ou arial 12 e espaçamento simples.

II) Resenhas – As resenhas devem conter no mínimo 3 e no máximo 25 laudas em formato word ou equivalente. Na folha de rosto deverá aparecer os dados do livro e o nome do autor da resenha, com respectiva identificação em nota de rodapé (titulação, instituição de origem, titulação e correio eletrônico. A formatação deve ser em tamanho A4, margens 2,5 cm, fonte times new roman 13 e/ou arial 12 e espaçamento simples.

III) Demais Contribuições – As contribuições de caráter cultural e ou iniciação científica devem conter no máximo 10 laudas em formato word ou equivalente. Na folha de rosto deverá aparecer o título e os dados do autor, com respectiva identificação em nota de rodapé (titulação, instituição de origem, titulação e correio eletrônico. A formatação deve ser em tamanho A4, margens 2,5 cm, fonte times new roman 13 e/ou arial 12 e espaçamento simples. 

Histórico do periódico

O maior desafio de um pesquisador é publicar o resultado do seu trabalho. Essa revista nasceu no cerne do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Racionalidades, Desenvolvimento e Fronteiras – GIRA, depois de muitas discussões feitas durante as caminhadas na sede provisória da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), com objetivo de dar publicidade aos resultados das pesquisas do grupo e de difundir os trabalhos de outros grupos e pesquisadores.


O GIRA está sediado na UNILA, uma instituição que se que se propõe a trabalhar os benefícios da interculturalidade e a realçar a interdisciplinaridade enquanto método. Os projetos de pesquisa, grupos de estudo, projetos de extensão e outras atividades do GIRA buscam convergências na construção de modelos de desenvolvimento referenciados regionalmente e abertos a racionalidades não mercantis, que visem recuperar a autonomia e a soberania sobre os recursos naturais e humanos da região latino-americana e construídos sobre uma base de cooperação e complementaridades.


O GIRA leva em consideração que o padrão de desenvolvimento em si deve estar sujeito à intervenção de diferentes racionalidades (independente de tal hipótese ser ou não contemplada nas elaborações teóricas mais usuais sobre o desenvolvimento), propiciando assim, uma compreensão mais global da realidade focando, na medida do possível, processo histórico e teórico da América Latina. Tal perspectiva está efetivada mais especificamente nas linhas de pesquisa do grupo:


? Desenvolvimento, racionalidades e autonomia, que procura dar conta de problemáticas classicamente abordadas pelas teorias do desenvolvimento: a noção padrão/modelo, as dotações de fatores de produção e sua influência sobre o potencial econômico e transferência tecnológica; entretanto a estratégia aqui sugerida propõe um olhar que dê relevância as especificidades, no qual se acolham às diferenças encontradas não como resultado de um nível inferior de evolução econômica, mas sim como características dessas economias que podem (e devem) ser levadas em conta num traçado próprio/regional para um programa de desenvolvimento integral (incluindo a análise de experiências desde a ótica da Economia Social até a da Economia Solidária, por exemplo).


? Valoração ambiental, indicadores e medidas propõe uma abordagem além do mercado e surge tanto da necessidade atual de se mensurar os resultados da atividade econômica, como os custos (inclusive os normalmente associados as “externalidades” sociais e ambientais) de sua execução; de forma que se contemplem outros critérios que não apenas os econômicos convencionais (rentabilidade monetária imediata). Seguindo uma ótica mais filosófica, essa linha também questiona em que medida a perspectiva econômica calcada em qualquer uma das teorias de valor existentes é capaz, isoladamente, de dar conta do desenvolvimento de técnicas de valoração para bens ambientais, culturais e similares; sugerindo o apelo à interdisciplinaridade nessa empreitada intelectual.


? Desenvolvimento Rural e Urbano busca respaldo nas bases teóricas da análise regional, visando estudar as transformações ocorridas nos ambientes rural e urbano dos países latino-americanos, com objetivo de auxiliar a formulação de estratégias de planejamento e desenvolvimento regional. Acredita-se que a discussão sobre a temática do desenvolvimento regional, nas localidades latino-americanas, deve unir as abordagens tradicionais com as novas perspectivas de desenvolvimento regional endógeno e de capital social, focalizando o papel da comunidade local e sua capacidade de ativação social na transformação do crescimento econômico em desenvolvimento humano e social.


A Revista Orbis Latina, uma publicação interdisciplinar, traz a público pesquisas, resenhas e contribuições culturais dentro da temática das linhas de pesquisa do GIRA, e espera receber colaborações periódicas de pesquisadores de toda parte do mundo.

A partir de 2016, a Revista Orbis Latina passou a ser responsabilidade do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento - PPGPPD/UNILA.