APRENDENDO COM OS POVOS TRADICIONAIS E COM A NATUREZA: da sanidade vegetal à sanidade dos agroecossistemas

Renata Rocha Gadelha

Resumo


As pesquisas em sanidade vegetal e plantas bioativas tecem críticas às pesquisas passadas que se focavam apenas na doença e no parasita sem levar em consideração a própria saúde da planta. Sem perceber, essa nova linha de estudos acaba por incorrer no mesmo erro que critica: na visão reducionista da análise. Estudos revelam que a sanidade vegetal depende do meio no qual a planta está inserida, das relações de cooperação do agroecossistema como um todo, e não da planta isolada em si. Sendo assim, o presente artigo tem como objetivo trazer a perspectiva da sanidade vegetal a partir da sanidade do agroecossistema: seu equilíbrio dinâmico a partir do incremento de biodiversidade gerando o controle biológico. A sanidade do agroecossistema estaria de acordo com as próprias estratégias dos agricultores tradicionais que no decorrer de sua vida aprenderam quais eram as melhores formas de manejo dentro do ecossistema no qual estavam inseridos, gerando, com isso, o processo de coevolução definido por Eduardo Sevilla Guzmán. E o exemplo que trazemos, de manejo do ecossistema, que acreditamos ser o mais complexo e que mais propicia sustentabilidade social e ambiental é o das agroflorestas sucessionais biodiversas.

Palavras-chave


saberes tradicionais, sanidade vegetal, agroflorestas, coevolução

Texto completo:

PDF

Referências


BOFF, P. Saúde Vegetal e a Ciência das Doenças e Pragas. Resumos do V CBA- Sociedade e Natureza. Revista Brasileira de Agroecologia/out. 2007 Vol.2 No. 2.

BORSUK, L. J. Avaliação da diversidade genética e morfológica da goiabeira-serrana (Acca sellowiana (O. Berg) Burret) em Terras Indígenas, Comunidades Quilombolas e em Unidades de Conservação no Sul do Brasil e acesso ao conhecimento tradicional associado ao uso e manejo da espécie. Tese (doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2015.

CHABOUSSOU, F. Plantas Doentes pelo Uso de Agrotóxicos. Expressão Popular: São Paulo, 2006.

GUZMÁN, E. S. Sobre los Orígenes de la Agroecología en el Pensamiento Marxista y Libertário. AGRUCO: La Paz, 2011.

KRASUCKI, L. B. Cultivando a Floresta: sistemas de conhecimento e agroflorestas em Barra do Turvo – SP. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Campinas, SP: 2014.

MAY, P. H; TROVATTO, C. M. M. (coord.) Manual Agroflorestal para a Mata Atlântica. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, Secretaria de Agricultura Familiar, 2008.

MEIRELLES, L. R; RUPP. L. C. D. (coord.) Agricultura Ecológica: princípios básicos. Centro Ecológico. Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2005.

PINHEIRO MACHADO, L. C. Apresentação. In: CHABOUSSOU, F. Plantas Doentes pelo Uso de Agrotóxicos. Expressão Popular: São Paulo, 2006.

QUARESMA, A. P. Mulheres e Quintais Agroforestais: a “ajuda invisível” aos olhos que garante a reprodução da agricultura familiar camponesa amazônica. In: HORA, K; REZENDE, M; MACEDO, G. (Orgs.). Prêmio Margarida Alves – Mulheres e Agroecologia. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2015.

STANGARLIN, J. R; KUHN, O. J; TOLEDO, M. V; PORTZ, R. L; SCHWAN-ESTRADA, K. R. F; PASCHOLATI, S. F. A Defesa Vegetal Contra Fitopatógenos. Scientia Agraria Paranaenis. Volume 10, número 1 – 2011.

STEENBOCK, W; VEZZANI, F. M. Agrofloresta. Aprendendo a produzir com a natureza. Curitiba: Fabiane Machado Vezzani, 2013.

VIVAN, J. Agricultura e Florestas: princípios de uma interação vital. Agropecuária: Guaíba, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/