A PERCEPÇÃO DO COOPERATIVISMO PELOS AGRICULTORES FAMILIARES ASSOCIADOS DA COOPERATIVA MISTA AGROFAMILIAR DE VERA CRUZ DO OESTE - A TULHA

Caroline Monique Tietz Soares, Juliane Vanderlinde Hort, Renée Bejamini, Dirceu Basso

Resumo


É notório o reconhecimento do papel da agricultura familiar como impulsionadora de desenvolvimento, crescimento e organização socioeconômico dos pequenos agricultores. Considerando a atual competitividade dos mercados nacional e internacional, as cooperativas desempenham papel fundamental, vinculando o produtor rural ao mercado. São muitas as famílias da agricultura familiar que, através de processos de organização da produção, com assistência técnica, acesso ao crédito e ao mercado, se fortaleceram provocando a dinamização na economia local, atestando serem as cooperativas uma ferramenta necessária para garantir o desenvolvimento local e para ampliar as ações de erradicação da pobreza rural. O presente estudo trata-se de um trabalho de campo de caráter descritivo, com visão qualitativa de análise, e desenvolveu-se na cooperativa A TULHA. Foram realizadas entrevistas em questionário estruturado aplicado à dez cooperados. Os dados foram analisados por meio das técnicas de analise descritiva, em relação aos seus procedimentos, e através do uso do software SPSS Statistics. Foram abordadas questões no âmbito da percepção do cooperativismo pelos agricultores familiares associados a A TULHA. As informações levantadas demonstram que apesar das dificuldades enfrentadas pelos agricultores, a colaboração entre eles, através do cooperativismo, desempenha um papel fundamental e estratégico para o fortalecimento dos agricultores familiares, como agentes relevantes para o desenvolvimento.


Palavras-chave


Rural; Produtores; Desafios.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar e uso do solo. São Paulo em perspectiva. São Paulo, v. 11, n. 2, p. 73-78, 1997.

ASSIS, R.L. Desenvolvimento rural sustentável no Brasil: perspectivas a partir da integração de ações públicas e privadas com base na agroecologia. Economia Aplicada, v. 10, n. 1. Ribeirão Preto, 2006.

A TULHA - Cooperativa Mista Agrofamiliar de Vera Cruz do Oeste. Estatuto Social. 2015.

BARROS, J.D.S.; SILVA, M.F.P. da. Práticas agrícolas sustentáveis como alternativas ao modelo hegemônico de produção agrícola. Sociedade e Desenvolvimento Rural OnLine. v. 4, n. 2, 2010.

BATALHA, M.O.; BUAINAIN, A.M.; SOUZA FILHO, H.M. Tecnologia de gestão e agricultura familiar. In: SOUZA FILHO, H.M.; BATALHA, M.O. (Org.). Gestão integrada a agricultura familiar. São Carlos: Edufscar, 2005.

BIALOSKORSKI NETO, S.; ZYLBERSZTAJN, D. Cooperativismo: economia de empresas e estratégias. Perspectiva Econômica, São Leopoldo, v. 29, n. 84, p. 7-22, 1994.

BITTENCOURT, D. Agricultura familiar, desafios e oportunidades rumo à inovação. SF Agro, FARMING. EMBRAPA, 2018.

BLAU, P.M.; SCOTT, W.R. Organizações formais: uma abordagem comparativa. São Paulo: Atlas, 1970.

BRASIL. Lei no 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional de Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasília: Diário Oficial da União, 2006.

BUAINAIN, A.M.; ROMEIRO, A.R.; GUANZIROLI, C. Agricultura familiar e o novo mundo rural. Revista Sociologias, Porto Alegre, a. 5, n. 10, p. 312-347. 2003.

CARVALHO, M.F. Uma contribuição ao estudo da controladoria em instituições financeiras organizadas sob a forma de banco múltiplo. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CERVO, A.L.; BERVIAN, P.A.; SILVA, R.D. Metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Person Prentince Hall, 2007.

CHAMBERS, R.; CONWAY, G.R. Sustainable rural livelihoods: practical concepts for the 21st century. Institute of development studies: Discussion Paper, n. 296. 1992.

CLEGG, S.R.; HARDY, C. Organização e estudos organizacionais. In: CLEGG, S.R.; HARDY, C.; NORD, W.R. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, v. 2. 2001.

CONTRACTOR, F.; LORANGE, P. Why should firms cooperate? The strategy and economics basis for cooperative ventures. In: CONTRACTOR, F.; LORANGE, P. (Ed.). Cooperative strategies in international business. Lexington: Lexington Books, 1988.

CUNHA, G.C.; DAKUZAKU, R.Y.; SOUZA, A.R. de. (Org.). Uma outra economia é possível: Paul Singer e a economia solidária. São Paulo: Contexto, 2003. 320 p.

DIEHL, A.A.; TATIM, D.C. Pesquisa em ciências sociais aplicadas. São Paulo: Pearson, 2004.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Os desafios da agricultura moderna. 2018.

FERREIRA, J.P.C. Estatuto Social da União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária - UNICAFES. Luziânia: 2005.

FIGUEIREDO, S.; CAGGIANO, P.C. Controladoria: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2009.

GRAMACHO, A. Cooperativas agrícolas e globalização. Agroanalysis, Rio de Janeiro, v. 17, n. 8, p. 14-15, 1997.

HAIR JÚNIOR, J.F. ANDERSON, R.E.; TATHAM, R.L.; BLACK, W.C. Análise Multivariada de dados. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005. 600 p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sala de imprensa. 2015.

_____. Vera Cruz do Oeste. 2017. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

KIMURA, I.M. Sucessão na agricultura familiar. 2016.

KUMMER, L. Metodologias participativas no meio rural. Uma visão interdisciplinar. Conceitos, ferramentas e vivências. Salvador: GTZ, 2007. 155 p.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LONDRES, F. Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. Rio de Janeiro: AS-PTA – Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa, 2011.

LOURENZANI, A.E.B.S.; SILVA, A.L. Gestão da propriedade rural e seus impactos acerca dos canais de distribuição: um estudo exploratório sobre o tomate in natura. Anais... XLI Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Juiz de Fora. 2003.

MACHADO, E.P. Relação entre taxas de mortalidade do câncer e a quantidade de agrotóxicos teoricamente usada no Estado do Paraná. 2007. 139 f. Dissertação (Mestrado em Farmácia) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

MELLO, M.A.; ABRAMOVAY, R.; SILVESTRO, M.L.; DORIGON, C.; FERRARI, D.L.; TESTA, V.M. Sucessão hereditária e reprodução social da agricultura familiar. Revista de Economia Agrícola, v. 50, n. 1, p. 11-24, São Paulo, 2003.

MINAYO, M.C.S. (Org.). Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2009. 80 p.

MOTTA, M.M.M. (Org.). Dicionário da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

NOVAES, H.T. Qual autogestão? In: NOVAES, H.T. (Org.). Retorno do caracol à sua concha. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

OLIVEIRA, D.P.R. Manual de gestão das cooperativas: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 2006.

OCB - ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS. 2018. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2018.

OCEPAR – Organização das Cooperativas do Estado do Paraná. Autogestão – a função do cooperado: como organizar-se. 2 ed. Curitiba: OCEPAR, 1992. 64 p.

PEREIRA, A.S.; LOPES, F.D. A influência da cooperação estratégica no processo de desenvolvimento do turismo de Natal (RN): análise de relações entre os stakeholders. Revista Brasileira de Estratégia, v. 6, n. 2, p. 137-150. 2013.

PEREIRA JÚNIOR, P.J.; GONÇALVES, P.R.S. A empresa enxuta. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

PINHEIRO, K.H. Produtos orgânicos e certificação: o estudo desse processo em uma associação de produtores do município de Palmeira – PR. 2012. 116 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2012.

PINHO, D.B. Dicionário de cooperativismo: doutrina, fatos gerais e legislação cooperativa brasileira. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1962.

PINHO, D.B. A cooperativa: associação de pessoas e empresa econômica. São Paulo: Coopercultura, p. 9-17, 1986.

PINHO, D.B.; AMARAL, C.M. Cooperativas brasileiras de trabalho: atividade solidária criação de emprego e qualidade de vida. São Paulo: Fapesp/Unimed do Brasil IPE/FIPE, 1993.

POLONIO, W.A. Manual das sociedades cooperativas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2001.

PORTO, M.F. Agrotóxicos, saúde coletiva e insustentabilidade: uma visão crítica da ecologia política. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 1, p. 15-24, 2007.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único a consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SCHMIDT, R.M.; TEODORO, P.A.V.B.; MIYAZAKI, J.; GAFFURI, J.; NAZZARI, R.K.; BERTOLINI, G.R.F. Cooperativismo, uma alternativa de geração de renda para pequenos e médios produtores rurais. In: 2º Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais no Brasil. UNIOESTE, 2005.

SENAR - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Formação profissional rural - O que é? 2014.

SILVA, C.V.S.; SCHULTZ, G. Acesso a mercados e gestão de cooperativas da agricultura familiar no Brasil. Revista Espaço, v. 38, n. 44, 23 p. 2017.

SINGER, P. Globalização e desemprego: diagnósticos e alternativas. 7 ed. São Paulo: Contexto, 2008. 139 p.

TAUILE, J.R. Trabalho, autogestão e desenvolvimento: escritos escolhidos 1981-2005. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2009. 385 p.

UNICAFES - União de Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária. Documento Base V Congresso, Brasília. 2017.

ZARDO, A.R. Plano de aprimoramento da cooperativa. Foz do Iguaçu: Emater, 2012.

_____. Plano de aprimoramento de cooperativa. 2 ed. Foz do Iguaçu: Emater, 2014.

ZYLBERSZTAJN, D. Organização de cooperativas: desafio e tendências. Revista de Administração, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 23-32. 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/