FATORES QUE INFLUENCIAM NA CONTINUIDADE DE UMA AÇÃO COLETIVA: O CASO DA COOPERATIVA DA AGRICULTURA FAMILIAR COOAFASG DE GUARANIAÇU - PR

Andreia Helena Pasini Guareski, Marlowa Zachow, Dirceu Basso, Marinês Luiza Guerra Dotto

Resumo


Nesse sentido, o cooperativismo tem se mostrado uma opção para a manutenção de produtores da agricultura familiar. Para entender os fatores que influenciam a continuidade da ação coletiva na cooperativa de agricultura familiar de Guaraniaçú-PR, foi conduzido um estudo de caso, realizando entrevistas com os gestores e também com cooperados. Foram sistematizados de acordo com a literatura 16 (dezesseis) fatores que garantem a continuidade da ação coletiva. A COOAFASG tem 11 desses pontos positivos, e mesmo os outros 5 fatores não atendidos, não foram considerados como empecilho para a continuidade da cooperativa, apesar da literatura alertar para perigos futuros. Os cooperados confiam na cooperativa, nos outros cooperados e nas instituições envolvidas. A comunicação flui de maneira aberta. Os produtores são próximos uns dos outros, em alguns casos são inclusive da mesma família, e estão sempre dispostos a cooperar. A cooperativa procura manter sua história viva através de relatos textuais e fotográficos. Existe reciprocidade entre os cooperados, as entidades e a cooperativa. Os fatores que garantem a continuidade estão relacionados ao compromisso que os cooperados tem em manter a organização funcionando, e isso ocorre porque percebem a melhoria na qualidade de vida pessoal, através da associação com outros produtores, reorganização das atividades dentro da família e a possibilidade de revenda de seus produtos com uma renda justa.


Palavras-chave


fatores; continuidade; ação coletiva; cooperativismo; agricultura familiar.

Texto completo:

PDF

Referências


BATALHA, M. O.; BUAINAIN, A. M.; GUANZIROLI, C.; SOUZA FILHO, H. M. de; Agricultura Familiar e Tecnologia no Brasil: características, desafios e obstáculos. In: ANAIS DO CONGRESSO DA SOBER, 42. 2004, Cuiabá. Anais... Cuiabá: SOBER, 2004. v. 1. p. 1-20.

BATALHA, Mário Otávio (Coordenador). Gestão Agroindustrial. GEPAI: Grupo de Estudos e pesquisas agroindustriais. São Paulo: Atlas, v. 1, 3ed, 2009.

CADOSO, Univaldo Coelho. Associação. Brasília: Sebrae, 2014.

CORNELIAN, A. R. A concepção de “economia solidária” em Paul Singer: descompassos, contradições e perspectivas. 2006. 99 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia)-Faculdade de Ciências e Letras – UNESP, Araraquara, 2006. Disponível em: . Acesso em 25 jul. 2018.

GUARANIAÇU (2014). Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (2014/2015). Disponível em: http://www.consea.pr.gov.br/arquivos/File/PLANOSANGUARANIACU.pdf. Acesso em 20 jul. 2018.

GUILHOTO, J. J. M.; AZZONI, C. R.; SILVEIRA, F. G.; ICHIHARA, S. M.; DINIZ, B. P. C.; MOREIRA, G. R. C. A importância da agricultura familiar no Brasil e em seus estados. In: XXXV Encontro Nacional de Economia, Anpec, 2007.

HARDIN, R. One for All: The Logic of Group Conflitc. Princeton: Princeton University Press, 1994.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Agricultura, agricultura em família (2011). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&id=2512:catid=28&Itemid=23. Acesso em 20 jul. 2018.

LIMA, D.M.A.; WILKINSON, J. (Org.). Inovação nas tradições da agricultura familiar. Brasília: CNPq / Paralelo 15, 2002. p 85 - 94.

MACHADO FILHO, Cláudio Pinheiro; ZYLBERSZTAJN, Décio. Ações coletivas: o papel das associações de interesse privado no agribusiness. São Paulo, 1998.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Associativismo rural. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/cooperativismo-associativismo/associativismo-rural. Acesso em: 20 jul. 2018.

MARTINEZ I. B.; PIRES, M. L. Cooperativas e desenvolvimento rural: as recentes discussões no campo da “nova geração de cooperativas”. Perspectiva econômica: v.34 n°46 (série cooperativismo), 1999.

NAZZARI, R.; RAMIRES, A. R.; SOUZA, A. M; OLIVEIRA, E.; OLIVIERA, E. D.; BERTOLINI, G. R. L.; BRANDALISE, L. T.; REIS, M. R.; RAIZEL, T. A agricultura familiar no Oeste do Paraná. 2ed. Cascavel: EDUUNIOESTE, 2010.

OLSON, M. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. Edusp: São Paulo, 1999.

ONUBR. (2014). Agricultura familiar é vital para segurança alimentar e desenvolvimento sustentável globais, diz FAO. Disponível em < https://nacoesunidas.org/agricultura-familiar-e-vital-para-seguranca-alimentar-e-desenvolvimento-sustentavel-globais-diz-fao/>. Acesso em 04 set. 2017.

PASINI, A. H. A ação coletiva como forma de agregação no sistema agroindustrial da aquicultura de Maripá – PR. Toledo, 2013. Dissertação (mestrado). Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2013.

PINHO, D. B. A doutrina cooperativista nos regimes capitalista e socialista: suas modificações e sua utilidade. 2. ed., rev.amp. São Paulo: Livraria Pioneira, 1966

PORTAL BRASIL. (2015). Agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos por brasileiro. Disponível em . Acesso em 04 set. 2017.

SAES, M.S.M.; FARINA, E. M. M. Q. Associação Brasileira da Indústria de Café – Abic Ações conjuntas e novos desafios frente a reestruturação de mercado. In: VIII Seminário Internacional Pensa de Agribusiness, 1998.

SANTOS, M. J. Projeto alternativo de desenvolvimento rural sustentável. Estudos Avançados. São Paulo: USP, v. 15, n. 43, p. 225-238, 2001.

SCHMIDT, C. M. Criação e apropriação de valor no sistema agroindustrial do vinho do Vale dos Vinhedos. Cascavel: EDUNIOESTE, 2012.

SCHNEIDER, S. a Presença E As Potencialidades Da Agricultura Familiar Na América Latina E No Caribe Presence and Potentials of Family Farming in Latin America and the Caribbean. Redes, v. 21, n. 3, p. 11–33, 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2018.

UTUMI, A. Comercialização agrícola cooperativa. in PINHO, D. B. (Org.) Manual de Cooperativismo - Tipologia Cooperativista. v. 4. São Paulo: CNPq, 1982. p. 67-76.

VALENTE, E. Coordenação via cooperação: uma abordagem histórico-institucionalista. Rio de Janeiro, 1999. (Tese) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 1999.

YIN, R. K. Estudo de caso – planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/