CONTRIBUIÇÕES DO COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO PARA AGRICULTURA FAMILIAR E O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL

Carli Freitag, Hedson Mauro Klesener, Clério Plein

Resumo


Este artigo traz algumas reflexões teóricas sobre a importância que tem o Cooperativismo no contexto do Desenvolvimento Rural Sustentável e da Agricultura Familiar. Por muito tempo, desenvolvimento e modernidade foram utilizados como sinônimos. Posteriormente, o conceito de desenvolvimento evoluiu e levou em conta outras dimensões. As cooperativas são importantes instrumentos no desenvolvimento rural sustentável, pois podem ajudar os agricultores familiares a terem uma maior economia ao reduzir seus custos de aquisição de insumos ou contratar serviços como transporte e armazenamento. Na agricultura familiar a gestão, a propriedade e a maior parte do trabalho vêm de pessoas que mantêm entre si laços de sangue ou de casamento. A agricultura familiar consiste na melhoria de sua capacidade de interação social e inserção em mercados locais. Sozinhas, as pequenas propriedades rurais da agricultura familiar possuem dificuldades em alavancar sua independência, as quais ficam reféns dos mercados, tendo que aderir às propostas ditadas pelos mesmos. Com o mercado cada vez mais competitivo e clientes sempre mais exigentes, novas tecnologias vão tomando espaço dentro das cadeias de produção. Grandes empresas, de posse destas tecnologias, agem de forma agressiva, sufocando e reprimindo os pequenos, que estão lutando por um espaço no mercado. Com a junção e formação das cooperativas solidárias, os atores desse processo, passam a ter mais competitividade, ampliando suas redes de mercados e o acesso às políticas públicas, quesito tão importante para buscar investimentos e fomentar a melhoria de suas propriedades, tornando-as mais rentáveis, favorecendo o seu desenvolvimento.


Palavras-chave


Agricultura Familiar; Cooperativismo, Desenvolvimento; Economia Solidária.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. Hucitec / Anpocs / Unicamp: São Paulo / Rio de Janeiro / Campinas, 1992. Cap. 8. As Particularidades da Agricultura no Desenvolvimento Econômico. p. 209-247.

ABRAMOVAY, Ricardo. De volta para o futuro: mudanças recentes na agricultura familiar. Seminário Nacional do Programa de Pesquisa em Agricultura Familiar da EMBRAPA. v. 1, p. 17-27, 1997.

ALMEIDA, J. A modernização da agricultura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.

ALTIERI, M. A. Agroecologia: bases científicas para una agricultura sustentable. Montevideo: Editorial Nordan-Comunidad, 1999.

ANDRADE, H. Desenvolvimento rural sustentável: uma visão territorial. Luanda – Angola: FAO, 2012.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Desenvolvimento e crise no Brasil 1930-1967. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

CARVALHO, A. J. S. L.; OLIVEIRA, R. V. O novo cooperativismo e o caso da COOPERNUT: um sonho possível? In: OLIVEIRA, R.V., org. Dinâmicas atuais do trabalho na Paraíba: leituras sociológicas [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2014, pp. 343-360. ISBN 978-85-7879-331-9. Available from SciELO Books .

CHAYANOV, A. A teoria das cooperativas camponesas. Revisão e Tradução de Regina Vargas. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum: relatório Brundtland. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1991.

DALCIN, D., TROIAN, A. Jovens no meio rural a dicotomia entre sair e pertencer: um estudo de caso. I Seminário Nacional de Sociologia & Política UFPR 2009 “Sociedade e Política nos Tempos de Incerteza”, Disponível em:. Acesso em: 15 Set. 2017.

FACCIN, O. P., SCHMIDT, C. E. F. Sucessão nas propriedades rurais familiares integrantes de uma cooperativa agropecuária. In SCHMIDT, D., CONTO, M. (Org.). Reflexão cooperativista. Porto Alegre-RS. Sescoop/RS. nº 3. 2014. P. 157-161

FURTADO, C. Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Ed. Nacional, 1980.

GARCIA JUNIOR, A. O sul: caminho do roçado (estratégias de reprodução camponesa e transformação social). São Paulo, ed. marco zero / unb, 1989.

PINHEIRO, M. A. H. Cooperativismo de crédito: história da evolução normativa no Brasil. 6. ed. Brasília: BCB, 2008.

PLOEG, J. D. V. A Diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

PUNTEL, J. A., PAIVA, C. A. N., RAMOS, M. P. Situação e perspectivas dos jovens rurais no campo. IPEA47Code 2011, Anais do I Circuito de Debates Acadêmicos, Disponível em:. Acesso em: 15 Set. 2017.

REISDORFER, V. K. Introdução ao cooperativismo. Santa Maria, UNSF, Colégio Politécnico, Rede e-Tec Brasil, 2014.

RIVERO, O. O mito do desenvolvimento: os países inviáveis no século XXI. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.

SACHS, I.,Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SCHNEIDER, S., Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural Endógeno: Elementos Teóricos e um Estudo de Caso. In: Froehlich, J. M.; Vivien Diesel. (Org). Desenvolvimento rural: tendências e debates contemporâneos. Ijuí: Unijuí, 2006.

SCHNEIDER, S. Situando o Desenvolvimento Rural no Brasil: o Contexto e as Questões em Debate. Revista de Economia Política. 2010. Vol. 30, n. 3, São Paulo. p. 511-531.

SCHNEIDER, S., NIEDERLE, P. A. Agricultura familiar e teoria social: a diversidade das formas familiares de produção na agricultura. IX Simpósio Nacional do Cerrado e II Simpósio Internacional das Savanas Tropicais. 2009. Cap. 33. Pag. 34-60. 2009. Disponível em:. Acesso em: 15 Ago. 2018.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Editora Schwarcz, 2002.

SINGER, P. Economia solidária versus economia capitalista. Revista Soc. Estado. v. 16. n. 1-2. Brasilia Jun/Dez. 2001. ISSN 0102-6992. Pag. 100-112. Disponível em: . Acesso em: 08 Set. 2018.

TASCHETTO, P. R., WALKOWICZ, J. A Realidade da Agricultura Familiar no Oeste do Paraná. In: Gestão das unidades artesanais na agricultura familiar: uma experiência no Oeste do Paraná. Cascavel: EDUNIOESTE. Cap. I, p. 23-34.

TYGEL, D., Economia Solidária. In: FERRARO JUNIOR, L. A. Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília. MMA/DEA. 2013. Vol.3. P.93-103.

VEIGA, J. E., ABRAMOVAY, R., EHLERS, E. (2003). Em direção a uma agricultura mais sustentável. (In) RIBEIRO, W. (Org.). Patrimônio ambiental brasileiro. São Paulo: Edusp/Imesp, pp. 305-333.

VEIGA, J. E., ZATZ, L. Desenvolvimento sustentável, que bicho é esse? Campinas: Autores Associados, 2008.

WESZ JUNIOR, V. J. W.,ROTH, J. D., MATTOS, V. M. M., FERREIRA, A. M. R. M.; TRENTIN, I. C. L. Os novos arranjos do êxodo rural: a evasão temporária de jovens agricultores familiares gaúchos. XLIV Congresso da Sober “Questões Agrárias, Educação no Campo e Desenvolvimento. Disponível em:. Acesso em: 15 Set. 2017.

ZANCO, A. M., EGGERS, A., KLESENER, H. M., HORT J. V., NANDI, T. F. A. Ética e a Bioética na Produção, Organização e Consumo de Alimentos: desafios para a Segurança Alimentar. In: AHLERT, A.; NEUKIRCHEN, L. C. (Org.). Ética e bioética do desenvolvimento sustentável. Curitiba-PR. 2017. CRV. Cap. VI, p. 177-212.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/