EDUCAÇÃO INTERCULTURAL E COOPERATIVISMO: UM ELO IMPORTANTÍSSIMO PARA AS MIGRAÇÕES

Elaine Cristina Cardoso Freitas

Resumo


O presente artigo busca através de leituras e análises, abordar sobre a educação intercultural em contexto territorial de fronteira. A ideia desta análise surgiu com o interesse de pesquisa para o desenvolvimento de dissertação de mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento, ofertado pela Unila em Foz do Iguaçu no Paraná, e foi reforçada pela disciplina de Cooperativismo, onde percebeu-se a importância de se pensar sobre a questão cooperativista aliada a educação em territórios de fronteira. A intenção principal é de apresentar a relevância dos estudos relacionados à educação, cultura e ao território de fronteira aliados ao cooperativismo, a fim de relacionar as dificuldades existentes no espaço fronteiriço em relação a população oriunda do Paraguai e da Argentina, a falta de assistência do Estado e o quanto as ideias cooperativistas poderiam minimizar alguns problemas sociais, como por exemplo, o desemprego e a fome.


Palavras-chave


Educação; territorialidades; fronteira; cooperativismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Ricardo Paes de; CARVALHO, Mirela de; FRANCO, Samuel. Pobreza Multidimensional No Brasil. IPEA. Rio de Janeiro, 2006.

BOURDIEU, Pierre, et al. A miséria do mundo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. 747 p. ISBN: 9788532618184.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

GRUPO RETIS. Estudos sobre Fronteiras. UFRJ, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: http://www.retis.igeo.ufrj.br. Acesso em: 06 de janeiro de 2018.

GUIMARÃES, L; GIOVANELLA, L. Processo de integração regional no MERCOSUL e as repercussões nos sistemas de saúde de cidades fronteiriças. Santiago, Chile, Outubro, 2005.

LEGUIZAMÓN, Sonia Alvarez. A produção da pobreza massiva e sua persistência no pensamento social latino-americano. In: CIMADAMORE, Alberto e CATTANI, Antonio. Produção de pobreza e desigualdade na América Latina. Porto Alegre: Tomo Editorial/Clacso, 2007.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro 3. São Paulo: Bertrand, 1988

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, Comissão de Especialistas. Anteprojeto de lei de migrações e promoção dos direitos dos migrantes no Brasil. Brasília: Comissão de Especialistas do Ministério da Justiça, 2014.

OLIVEIRA, Tito Carlos Machado de. Território sem limites: Estudos sobre fronteiras. Campo Grande, MS : Ed. UFMS, 2005.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/operations/about_undp.html. Acesso em 03 de janeiro de 2018.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FOZ DO IGUAÇU. Perfil da População de Foz do Iguaçu em função das Regiões e Quantitativo Populacional, 2011.

ROUSSEAU, Jean Jacques. Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens. L&PM, 2008.

SEN, Amartya. Inequality reexamined. Oxford: Oxford University Press, 1992.

WEBER, Max. Classe, estamento, partido. In: Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.LUCE, Maria Beatriz. Situação Educacional na Região do Mercosul. Porto Alegre, UFRGS, Instituto Goethe, ICBA, 1990.

MARINHO, Ernandes Reis. As relações de poder segundo Michel Foucault. ERevista Facitec, v. 2, n. 2, art.2, dez. 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Documento Conferência Nacional de Educação 2010. Documento Referência. Brasília, 2009

___________. Secretaria de Educação Básica Departamento de Educação Infantil e do Ensino Fundamental Coordenação de Política de Formação. Programa Escolas Interculturais Bilíngues de Fronteira – PEBF. 2005.

MLADENATZ, Gromoslav. História das Doutrinas Cooperativistas. Confebras. Brasília, 2003.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Tradução de Fanny Wrabel. - 2. ed.- Ria de Janeiro: Compus, 2000

RAFFESTIN, C. A ordem e a desordem ou os paradoxos da fronteira. Prefácio. In: OLIVEIRA, Tito C. M de. (org.) Território sem limites. Campo Grande : UFMS, 2005, p. 9-15.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/