EXPORTAÇÕES PARANAENSES DO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE A PARTIR DO MODELO GRAVITACIONAL

Geisiane Michelle Zanquetta de Pintor, Eduardo de Pintor, Pery Francisco Assis Shikida

Resumo


Em 2014 o valor total exportado do complexo soja (grãos, farelo e óleo) foi de US$ 23,273 bilhões para o Brasil, destes 7 bilhões foram oriundos das exportações paranaenses, representando 17,46% e posicionando o estado como o segundo maior exportador. Com o objetivo de analisar os determinantes destas exportações, foi realizada a verificação empírica de sua evolução e estimado um modelo gravitacional. O modelo econométrico comprovou que as variáveis “PIB dos países importadores”, “população do Paraná” e “dummy China” foram as principais responsáveis pelas exportações paranaenses do complexo soja, explicando 41,58% de suas variações entre 2002 e 2014. Além disso, constatou-se piora nos termos de troca nas exportações deste complexo para o Paraná, pois ocorreu grande ampliação das exportações de soja em grãos, em detrimento das exportações de farelo e óleo de soja.

Palavras-chave


exportações, modelo gravitacional, complexo soja.

Texto completo:

PDF

Referências


AGROSTAT - Estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio Brasileiro. Exportações do Complexo Soja do Paraná. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2017.

AZEVEDO, A. F. Z. O efeito do Mercosul sobre o comércio: uma análise com o modelo gravitacional. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 34, n. 2, 2004. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2017.

AZEVEDO, A. F. Z.; REIS, M.; LÉLIS, M. T. C. Os efeitos do novo regionalismo sobre o comércio. Artigo escrito em 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2017.

BALTAGI, B. H. Econometric analysis of panel data. John Wiley & Sons: Inglaterra, 2005.

BANCO MUNDIAL. Gross Domestic Product - GDP (current US$). Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2017a.

BANCO MUNDIAL. Population, total. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2017b.

BARROS, G. S. C.; BACCHI, M. R. P.; BURNQUIST, H. L. Estimação de equações de oferta de exportação de produtos agropecuários para o Brasil (1992/2000). Texto para discussão nº 865. Rio de Janeiro: IPEA, 2002. Disponível em: . Acesso em 21 fev. 2017.

CASTILHO, M. R. O acesso das exportações do Mercosul ao mercado europeu. Pesquisa e

Planejamento Econômico, v. 32, n.1, p. 163-198, 2002.

DEARDORFF, A. Determinants of bilateral trade: does gravity work in a neoclassical world?. In: The regionalization of the world economy. University of Chicago Press, 1998, p. 7-32.

FASSARELA, L. M. Impactos das medidas técnicas e sanitárias nas exportações brasileiras de carne de frango. 2010. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, 2010.

FIGUEIREDO, A. M.; SILVA, T. A. Exportação brasileira de soja em grãos: evolução e considerações sobre seus determinantes para o período de 1980–2001. Revista de Administração da UFLA, v.6, n.1, Janeiro/Junho de 2004, p. 81-91.

GUJARATI, D. N. Econometria básica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria básica. Porto Alegre: AMGH, 2011.

HORLOGE PARLANTE. Distância entre duas cidades. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas de população. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2017a.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Extensão territorial. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2017b.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal. Disponível em: < https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1612>. Acesso em: 21 ago. 2017c.

IPEADATA. Estados Unidos - IPC – índice. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2017.

IPEADATA. Soja em grão - cotação internacional - US$. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2017.

IPEADATA. Taxa de câmbio - R$ / US$ - comercial - compra - média. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2017.

LEUSIN JR., S.; AZEVEDO, A. F. Z. O efeito fronteira das regiões brasileiras: uma aplicação do modelo gravitacional. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 229-258, maio/ago. 2009.

MARQUES, L. D. Modelos Dinâmicos com Dados em Painel: revisão de literatura. Escrito em 2000. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2017.

MODOLO, D. B. A competição das exportações chinesas em terceiros mercados: uma aplicação do modelo gravitacional. 2012. 118p. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

MORTATTI, C. M.; MIRANDA, S. H. G.; BACCHI, M. R. P. Determinantes do comércio Brasil-China de commodities e produtos industriais: uma aplicação VECM. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 15, n. 2, 2011, pp. 311-335.

MURCIA, F. D. et al. Impacto do nível de disclosure corporativo na volatilidade das ações de companhias abertas no Brasil. Revista de Economia e Administração, v.10, n.2, 196-218, abr./jun. 2011.

NASCIMENTO, O. C. Estudo das decisões de estrutura de capital corporativo no novo mercado e nos níveis de governança da BM&FBOVESPA à luz das teorias Trade-off e Pecking order. Dissertação (Mestrado) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (UnB/UFPB/UFRN), Brasília, DF, 2012. 103f.

NASCIMENTO, F.; PREGARDIER JÚNIOR, D. A Evolução do Modelo Gravitacional na Economia. Revista Saber Humano, Recanto Maestro, n. 3, p. 163-175, 2013.

PRATES, R. C.; SERRA, M. O impacto dos gastos do governo federal no desmatamento no Estado do Pará. Nova economia, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, Janeiro-Abril, 2009. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2017.

SÁ PORTO, P. C. Os impactos dos fluxos de comércio do MERCOSUL sobre as regiões brasileiras. 2002. 81p. Tese (Doutorado) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

SÁ PORTO, P. C.; CANUTO, O. Uma avaliação dos impactos regionais do Mercosul usando

dados em painel. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 34, n. 3, set.-dez. 2004.

SIDRA - Sistema IBGE de Recuperação Automática. Produto Interno Bruto a preços correntes (Mil Reais). Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/