SENSEMAKING: ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES EM EVENTOS NACIONAIS

Guilherme Primo Matias, Gabrielle Ribeiro Rodrigues da Silva

Resumo


O objetivo deste trabalho foi, por meio da construção de um corpus sobre a perspectiva do sensemaking presente nos eventos da ANPAD, SBEO e FEA-USP,  identificar, analisar o estado da arte desta perspectiva na literatura nacional. Foram analisadas as percepções a respeito da perspectiva do sensemaking segundo as temáticas do discurso; poder e política; preocupações micro e macro; identidades e;  tomada de decisão e mudança  apresentadas por Brown, Colville e Pye (2015). Este trabalho possui abordagem qualitativa e, como estratégia de pesquisa foi utilizado a técnica da revisão sistemática da literatura. Foram realizadas buscas de artigos com as palavras-chave “sensemaking” e “construção de sentido” nos anais dos eventos da ANPAD, SBEO e FEA-USP totalizando vinte e um trabalhos para análise. Os resultados da revisão sistemática indicaram que há predominância de estudos que abordam a problemática do sensemaking como discurso, ou seja, em sua grande maioria, as pesquisas empregam a análise de narrativa para desvendar o processo de sensemaking. Ademais, os resultados desta revisão salientam que a combinação dos tópicos de análise em um único estudo é recorrente nos estudos apresentados e publicados nos anais. Este caráter multifacetado da perspectiva do sensemaking se mostra necessário para o entendimento da sua totalidade e complexidade. Aconselha-se como agenda para futuras pesquisas a utilização de novas metodologias, tendo em vista o conteúdo proveitoso que se pode captar além das tradicionais análises de narrativa junto à perspectiva do sensemaking.

 


Palavras-chave


Sensemaking; Construção de Sentido; Revisão sistemática; Tópicos de análise do sensemaking

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Ala-Laurinaho, A., Kurki, A. L., & Abildgaard, J. S. (2017). Supporting sensemaking to promote a systemic view of organizational change–contributions from activity theory. Journal of Change management, 17(4), 367-387.

Biselli, F., & Tonelli, M. J. (2006). Praticantes e práticas: um estudo empírico sobre a construção de sentidos em estratégia. Anais do XXX ENANPAD.

Brown, A. D., Colville, I., & Pye, A. (2015). Making sense of sensemaking in organization studies. Organization Studies, 36(2), 265-277.

Caeiro, M., Neto, A. C., & Guimaraes, L. D. V. M. (2016). A construção de sentido para o “trabalho sujo”: trajetórias de vida de faxineiras. In Anais do Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais.

Cervo, A. L., & Bervian, A. P. Silva da. R.(2007). Metodologia científica. 6ª edição.

Colville, I., Pye, A., & Brown, A. D. (2016). Sensemaking processes and Weickarious learning. Management Learning, 47(1), 3-13.

Correa, M., Rese, N., Sander, J., & Ferreira, J. (2014). O papel do sensemaking nos processos de mudança nas organizações. VIII Encontro de estudos organizacionais da ANPAD. Eneo.

Creswell, J. W. (2014). Research design: Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. Thousand Oaks, CA: Sage.

Dervin, B. (1992). From the mind's eye of the user: The sense-making qualitative-quantitative methodology. Sense-Making Methodology reader.

Galvão, C. M., Sawada, N. O., & Trevizan, M. A. (2004). Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Revista Latino-americana de enfermagem, 12(3), 549-556.

Gioia, D. A. (2006). On Weick: an appreciation. Organization studies, 27(11), 1709-1721.

Gioia, D. A., & Chittipeddi, K. (1991). Sensemaking and sensegiving in strategic change initiation. Strategic management journal, 12(6), 433-448.

Giuliani, M. (2016). Sensemaking, sensegiving and sensebreaking: The case of intellectual capital measurements. Journal of Intellectual Capital, 17(2), 218-237.

Goleman, D. (1985). Vital Lies. Simple Truths, 34-36.

Holt, R., & Cornelissen, J. (2014). Sensemaking revisited. Management Learning, 45(5), 525-539.

Jhunior, R. O. S. (2017) Sensemaking e Empreendedorismo Internacional: Possibilidades de Estudo. VIII Encontro de Estudos em Estratégia - 3Es.

Klein, G., & Eckhaus, E. (2017). Sensemaking and sensegiving as predicting organizational crisis. Risk Management, 19(3), 225-244.

Maitlis, S., & Christianson, M. (2014). Sensemaking in organizations: Taking stock and moving forward. The academy of management annals, 8(1), 57-125.

Maitlis, S., Vogus, T. J., & Lawrence, T. B. (2013). Sensemaking and emotion in organizations. Organizational Psychology Review, 3(3), 222-247.

Maravalhas, E. (2010). Aprendizagem organizacional e sensemaking na implementação de novas práticas de trabalho. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração.

Miranda, R. (2014). O Processo de Organizar e sensemaking: o trabalho interpretativo em indústrias criativas. XXXVIII Encontro da ANPAD.

Munck, L. (2014). Gestão da Sustentabilidade em Contexto Organizacional: Integrando Sensemaking, Narrativas e Processo Decisório Estratégico. XXXVIII ENANPAD.

Possas, M. C.; Medeiros, C. R. O. (2015). Sensemaking em Cena: Compreendendo a Criação de Sentido no Grupo Galpão. XXXIX Encontro da ANPAD.

Rodriguez, C. L. (2002). Interactions in small groups: an investigation of joint organizational sensemaking by brazilians and americans. Encontro anual da associação nacional de pós-graduação e pesquisa em administração.

Russo, R. F. S. M.; Sbragia, R . Sensemaking na Inovação: O Caso da Tecnologia Flexfluel na Indústria Automotiva Brasileira. XXVI Simpósio de gestão da Inovação Tecnológica.

Russo, R. F.S.M.; Fonseca, F.; Sbragia, R. (2015) Unknown unknowns in innovative projects: early signs sensemaking. XXXIX EnANPAD 2015.

Sampaio, R. F.; Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista brasileira de fisioterapia, 11(1), 83-89.

Schroeder, C. S. A interação em comunidades virtuais nas organizações e o sensemaking de Weick (1995): uma possibilidade de aproximação. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração.

Selotti Jr, S. L.; Marcondes, F. Stories of entrepreneurs : sensemaking, narratives and artifacts. XXXVIII Encontro da ANPAD.

Souto Maior, C.; Korelo, J. ; Barwinski, L. ; Negrao, A. (2016). Um Espaço de Co-criação: Comunidades de Marca e seus Artefatos nos Processos de Sensemaking e Sensegiving da Identidade da Marca. VII Encontro de Marketing da Anpad.

Souza, C. P. S.; Takahashi, A. R. W. (2017). Capacidades Dinâmicas, Sensemaking e Ambidestria Organizacional: Estudo de Caso de Uma Instituição de Ensino Superior. Viii Encontro De Estudos Em Estratégia.

Starbuck, W. H., & Milliken, F. J. (1988). Executives’ perceptual filters: What they notice and how they make sense.

Thomas, J. B., Clark, S. M., & Gioia, D. A. (1993). Strategic sensemaking and organizational performance: Linkages among scanning, interpretation, action, and outcomes. Academy of Management journal, 36(2), 239-270.

Vieira, R. S. G.; Fonsêca, F. R. B. (2009). O Sensemaking como Ferramenta Estratégica para o Desenvolvimento de Redes de Relacionamentos de Negócios no Contexto das Empresas de Base Tecnológica. IV Encontro de Estudos em Estratégia/3Es.

Weick, K. E. (1995). Sensemaking in organizations (Vol. 3). Sage.

Weick, K. E. (2012). Organized sensemaking: A commentary on processes of interpretive work. Human Relations, 65(1), 141-153.

Weick, K. E., Sutcliffe, K. M., & Obstfeld, D. (2005). Organizing and the process of sensemaking. Organization science, 16(4), 409-421.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Orbis Latina

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, usa o Open Journal Systems (OJS 2.4.6.0), sistema de código livre gratuito para a administração e a publicação de revistas, desenvolvido com suporte e distribuição pelo Public Knowledge Project sob a licença GNU General Public License.