POTENCIAL TURÍSTICO E DIREITO À CIDADE: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (PDE) DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU

Larissa Schelbauer

Resumo


Como uma cidade fronteiriça, definida por acidentes geográficos e disputas geopolíticas, Foz do Iguaçu apresenta diversas características que fazem dela única. O perfil produtivo do município conta com inúmeras vantagens, explica Paiva (2014) e ainda apresenta um potencial que vem sendo subexplorado: o setor turístico.  Para este autor, o desenvolvimento desta região poderia ser incrementado com políticas que visassem o turismo, seja por meio de novos atrativos e investimentos ou por características de hospitalidade de infraestrutura urbana que fizessem com que quem está a turismo desejasse ficar um dia a mais. Assim, considerando essas possibilidades Paiva (2014) acredita que o setor público deve assumir essa responsabilidade como condição para elevar a potência de desenvolvimento. No entanto, a história do município já apresenta tentativas de ampliar os “corredores turísticos” realizadas pela gestão pública que acabam por ser altamente segregadoras e excludentes, produzindo uma higienização social dos espaços públicos de interesse econômico e turístico. Desse modo, pondera-se se as estratégias de explorar as atividades relacionadas ao turismo, como meio de desenvolvimento a longo prazo, não acarretaria uma reedição de um projeto urbano que nega o direito a cidade as populações vulneráveis.


Palavras-chave


PDE; Turismo; desenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


CATTA, L. E. O Cotidiano de uma Fronteira: a Criminalidade e Controle Social. Esboços- Histórias em contextos globais, Florianópolis, v. 1, 1994. ISSN 2175-7976. Disponivel em: . Acesso em: 05 maio 2019.

FILHO, J. D. A. A Endogeneização do Desenvolvimento Econômico Regional e Local. Planejamento e Políticas Públicas, p. 261-285, jun 2001.

GASPAR, L. E. As lutas dos trabalhadores por moradia em Foz do Iguaçu (1970-1990). Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Marechal Cândido Rondon, p. 132. 2017.

LIMA, F. A Concepção do Espaço Economico Polarizado. Internacional de Desenvolvimento Local, v. 4, p. 7-14, setembro 2003.

MARICATO, E. As ideias fora do lugar e o lugar fora da ideias. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A Cidade do Pensamento Único: desmancahndo consensos. 3º. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 121-192.

OLIVEIRA, G. B. D.; LIMA, J. E. D. Elementos endógenos do desenvolvimento regional: considerações sobre o papel da sociedade local no processo de desenvolvimento sustentável. FAE, Curitiba, v. 6, p. 29-37, maio/dez. 2003.

PAIVA, C. Á. Plano de Desenvolvimento Econômico de Foz do Iguaçu. Latus Consultoria. Foz do Iguaçu, p. 75. 2014.

RIBEIRO, D. G. Metamorfoses na Cidade: Tensões e Contradições na Produção e Apropriação do Espaço Urbano em Foz do Iguaçu. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Toledo, p. 256 p. 2015.

ROCHA, R. L. Resistência ao bota-abaixo. Radis 129, Rio de Janeiro, jun 2013.

VILLAÇA, F. Uma contribuição paea a história do planejamento urbano no Brasil. In: SCHIFFER, S. R.; DEÁK, C. O processo de urbanização no Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1999. Cap. 6, p. 171-293.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Orbis Latina

Licença Creative Commons
Licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, usa o Open Journal Systems (OJS 2.4.6.0), sistema de código livre gratuito para a administração e a publicação de revistas, desenvolvido com suporte e distribuição pelo Public Knowledge Project sob a licença GNU General Public License.

* Veja nosso perfil no Google Scholar.