A INFLUÊNCIA DO ESTADO E OS DILEMAS DA DEMOCRACIA BRASILEIRA NO USO MEDICINAL DA CANNABIS

Francielli Brandt Gasparotto, Carmen Justina Gamarra

Resumo


O uso da Cannabis sativa, popularmente conhecida como maconha no Brasil, não é algo recente. A partir da segunda metade do século 19, o uso medicinal da cannabis se fortaleceu, sendo citado em compêndios médicos e catálogos de produtos farmacêuticos (CARLINI, 2006). No entanto, a partir do século 20, influenciado pela política de restrição às drogas encampada pelos EUA, o Brasil passa a apresentar postura proibicionista com relação ao uso de substâncias entorpecentes (CARVALHO, 2011). Sob a alegação da preservação da vida e baseando-se em discursos morais, garantidos pelo discurso médico-jurídico, produtor de um saber-poder (CARVALHO, 2011), criminalizou-se o uso da maconha, seja recreativo ou medicinal, no Brasil. Dito isto, o presente estudo questiona: Como ocorreu a retirada de direitos e liberdade de escolha quanto ao uso da maconha medicinal no Brasil? Os direitos conquistados com relação ao uso da cannabis medicinal no Brasil podem retroceder? Para responder tais questionamentos, optou-se por desenvolver uma revisão de literatura sobre a temática, dividida em três momentos: 1) Breve histórico sobre a criminalização da cannabis no Brasil; 2) O uso medicinal da cannabis; e, por fim, 3) Dilemas da democracia brasileira e suas consequências sobre o direito e as liberdades democráticas no caso do uso medicinal da cannabis.


Palavras-chave


Democracia; Maconha; Cannabis medicinal

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, M. D. Ciclos de atenção à maconha no Brasil. Rev. da Biologia, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 1-10, 2014.

CARLINI, E. A. A história da maconha no Brasil. J. Bras. Psiquiatr., Rio de Janeiro, v. 55, n. 4, p. 314-317, 2006. Disponível em: . Acesso em 04 dez. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852006000400008.

CARLINI, E. A. Pesquisas com a maconha no Brasil. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 32, supl. 1, p. 53-54, Mai 2010. Disponível em: . Acesso em 02 dez. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462010000500002.

CARVALHO, J. C. de. Uma história política da criminalização das drogas no Brasil; A construção de uma política nacional. Trabalho apresentado na VI Semana de História e III Seminário Nacional de História: Política, cultura e sociedade. Programa de Pós-Graduação em História/UERJ. 17 a 21 de outubro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2019.

CASTELLS, M. Ruptura – A crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

FIORE, Maurício. O lugar do Estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo, n. 92, p. 9-21, mar. 2012. Disponível em: . Acesso em 04 dez. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002012000100002.

FORTE, F. A. de P. Racionalidade e legitimidade da política de repressão ao tráfico de drogas: uma provocação necessária. Estud. av., São Paulo, v. 21, n. 61, p. 193-208, Dez. 2007. Disponível em: . Acesso em 04 dez. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142007000300013.

MACCALLUM, C. A. & RUSSO, E. B. Practical considerations in medical cannabis administration and dosing. European Journal of Internal Medicine, v. 49, p. 12–19, Mar. 2018. Disponível em: . doi:10.1016/j.ejim.2018.01.004

MACRAE, E. & SIMÕES, J. A. Rodas de fumo: o uso da maconha entre camadas médias urbanas. Salvador: Edufba, 2000.

RODRIGUES, T. M. S. A infindável guerra americana: Brasil, EUA e o narcotráfico no continente. São Paulo Perspec., São Paulo, v. 16, n. 2, p. 102-111, Jun 2002. Disponível em: . Acesso em: 03 dez. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392002000200012.

PAMPLONA, F. Quais são e pra que servem os medicamentos à base de Cannabis?. Rev. da Biologia, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 28-35, 2014.

SILVA, F. P. et al. Colonialidade do saber, dependência epistêmica e os limites do conceito de democracia na américa latina. In: GONZÁLEZ, M. V. E. e CRUZ, D. U. da. (Orgs). Democracia na América Latina – Democratização, tensões e aprendizados. Buenos Aires: CLACSO; Feira de Santata: Editora Zarte, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Orbis Latina

URL da licença: https://www.gnu.org/licenses/gpl-3.0.pt-br.html

Licença Creative Commons
Licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, usa o Open Journal Systems (OJS 2.4.6.0), sistema de código livre gratuito para a administração e a publicação de revistas, desenvolvido com suporte e distribuição pelo Public Knowledge Project sob a licença GNU General Public License.

* Veja nosso perfil no Google Scholar.