EDUCAÇÃO AMBIENTAL APARTIR DE EXPERIÊNCAS DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL NA BACIA DO PARANÁ III

Rafael Lucas Alves Ferreira, Karini Aparecida Scarpari, João Ernesto Pelissari Candido

Resumo


A discussão da Educação Ambiental contribui para o debate referente ao modelo de Desenvolvimento Rural. Nesta perspectiva, o artigo tem como objetivo evidenciar as propriedades que adotam princípios do Desenvolvimento Rural Sustentável enquanto espaços de educação ambiental. Em termos metodológicos, este artigo apresenta uma pesquisa bibliográfica com embasamento na literatura científica, e em observação direta intensiva a campo. A aplicação desse método utilizou-se de observação e entrevistas aplicadas aos estudantes de mestrado em desenvolvimento rural sustentável da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) em visitas a três propriedades rurais localizadas no Oeste do Paraná que participaram do Programa Cultivando Água Boa. Com a análise é possível observar que as propriedades visitadas atuam como espaços não formais de Educação Ambiental, proporcionando aos visitantes um contato direto com a natureza e estimulando a tomada de consciência ambiental através do diálogo estabelecido com os agricultores nas três propriedades.


Palavras-chave


Educação ambiental; desenvolvimento rural sustentável; sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


BOFF L. Saber cuidar: ética do humano compaixão pela terra. Petrópolis (RJ): Vozes; 1999.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei n º 9.795, de 27 de abril de 1999a. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2017.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9ª ed. São Paulo: Gaia, 2004. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2017.

GIARD, Luce. Cozinhar. In: CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: 2. morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 2002. [p. 211- 297].

ITAIPU. Cultivando Água Boa Recebe Prêmio da ONU. Jornal Itaipu Sustentável. Foz do Iguaçu-PR. Jun/2015; p. 6-15.

ITAIPU. Cultivando Água Boa. Disponível em:< http://www.cultivandoaguaboa.com.br/acao/nivel-1/educacao-ambiental >. Acesso em: 02 mar. 2017.

LAGO, André Aranha Corrêa do. ESTOCOLMO, RIO, JOANESBURGO: O BRASIL E AS TRÊS CONFERÊNCIAS AMBIENTAIS DAS NAÇÕES UNIDAS. Ministério das Relações Exteriores, Brasília, DF, 2006.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. D. C. As Macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & sociedade, v. XVII, n. 1, p. 23–40, 2014.

LAKATOS, E. Maria; MARCONI, M. de Andrade. Técnicas de pesquisa. 7 ed. – São Paulo: Atlas, 2015.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

MACHADO; Vilma Alves. A produção do discurso de desenvolvimento Sustentável. III Encontro da ANPPAS 23 a 26 de maio de 2006. Brasília-DF

NAVARRO, Zander. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. São Paulo: Estudos Avançados, v.15, n. 43, p. 83-100, 2001.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SEN, Amartia. K. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/