A VITICULTURA NAS MICRORREGIÕES DO RIO GRANDE DO SUL E SUA DISTRIBUIÇÃO LOCACIONAL

Ariana Cericatto da Silva, Eliane Aparecida Gracioli Rodrigues

Resumo


Este trabalho analisou a distribuição locacional da viticultura nas microrregiões do Rio Grande do Sul no período de 1995 a 2013. Utilizou-se como indicador de análise regional o Quociente Locacional (QL) e como variáveis o valor da produção de uva em relação ao valor da produção total da lavoura permanente. Os principais resultados mostraram a formação de um novo centro produtor no centro-sul do estado, demonstrando distribuição espacial da produção de uva da região da Serra Gaúcha para as regiões da Campanha e Serra do Sudeste. No entanto, apesar da distribuição espacial que vem ocorrendo nos últimos anos, o maior volume produzido ainda se encontra na microrregião de Caxias do Sul, pertencente à região da Serra Gaúcha a qual historicamente tem tradição na atividade vitícola. 


Palavras-chave


Rio Grande do Sul; Valor da produção; Viticultura.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. R.; FERRERA DE LIMA, J.; RIPPEL, R.; PIACENTI, C. A. O continuum, a localização do emprego e a configuração espacial do oeste do Paraná. Revista de História Econômica e Economia Regional Aplicada. Vol. 1, n. 2. 2006.

BENKO, G. Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, 1999.

BLUME, R. Explorando os recursos estratégicos do terroir brasileiro. Tese de Doutorado – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2008.

BRUM NETO, H.; BEZZI, M. L. Região, identidade cultural e regionalismo: a campanha gaúcha frente às novas dinâmicas espaciais e seus reflexos na relação campo-cidade. Dossiê – Relação campo-cidade. Temas & Matizes. nº 16. Segundo semestre. 2009.

COPELLO, M. As regiões produtoras do Brasil. Revista Anuário Vinho do Brasil. Baco multimídias. São Paulo. SP. 2015.

COSTA, J. S. (Org.). Compêndio de economia regional. APDR. Coimbra: Gráfica de Coimbra Lda., Lisboa, APDR, 2002.

ENGELMANN, D. Da estância ao parreiral: um estudo de caso sobre a vitivinicultura em Santana do Livramento. Dissertação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Administração, Programa de Pós Graduação em Administração. Porto Alegre: 2009.

FERRERA DE LIMA, J.; ALVES, L. R.; PIFFER, M.; PIACENTI, C. A. Análise regional das mesorregiões do Estado do Paraná no final do século XX. Revista Análise Econômica. Ano 24, n. 46. 2006.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA – FEE. Indicadores. Disponível em: < http://www.fee.rs.gov.br/indicadores/>. Acesso em: 14 mai. 2017.

HADDAD, P. R. Medidas de localização e de especialização. In: HADDAD, P. R. Org. Economia Regional: Teorias e Métodos de Análise. Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil. ETENE, 1989.

______. Regionalismo e desequilíbrios regionais. Indicadores Econômicos FEE. V.21, nº2. Porto Alegre, 1993.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA – IBGE. Sistema IBGE de recuperação automática - SIDRA. Produção Agrícola Municipal. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DO VINHO – IBRAVIN - Dados estatísticos – Produção de uvas. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

LODDER, C. A. Padrões locacionais e desenvolvimento regional. 1971. 187 p. Dissertação (Mestrado em Economia) Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE), do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas.

MELLO, L. M. R. Vitivinicultura brasileira: panorama 2010. Embrapa Uva e Vinho, Artigos Técnicos, 2011. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2017.

______. Vitivinicultura Brasileira: Panorama 2012. Embrapa Uva e Vinho, Comunicado Técnico 137. 1ª Ed., Bento Gonçalves, 2013. Disponível em: < http://www.cnpuv.embrapa.br/publica/comunicado/cot137.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2017.

NORTH, D. C. A. Agricultura no crescimento econômico regional. In: SCHWARTZMAN (Org.) Economia regional: textos escolhidos. Belo Horizonte: CEDEPLAR, 1977.

______. Custos de transação, instituições e desempenho econômico. 3. ed. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 2006.

PAIVA, C. A. N. Desenvolvimento regional, especificações e suas medidas. Indicadores Econômicos FEE. Porto Alegre, v. 34, n. 1, 2006.

PIACENTI, C. A.; FERRERA DE LIMA, J. (Orgs.) Análise regional: Metodologias e Indicadores. Curitiba, PR: Camões, 2012.

PIFFER, M. A dinâmica do Oeste paranaense: sua inserção na economia regional. Dissertação (Mestrado em Economia). Universidade Federal do Paraná – UFPR, 1997.

______. A teoria da base econômica e o desenvolvimento regional do Estado do Paraná no final do século XX. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional). Universidade de Santa Cruz do Sul, 2009.

PITTE, J. R. O desejo do vinho conquistando o mundo. Tradução de Carmem Ferrer, São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2012.

PROTAS, J. F. da S.; CAMARGO, U. A. Vitivinicultura brasileira: panorama setorial. Brasília, DF: SEBRAE, 2010.

RAFFESTIN, C. A produção das estruturas territoriais e sua representação. (In) SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias e conflitos. São Paulo: Expressão Popular: UNESP. Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2009.

SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL – SEPLAN/RS. Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul. Disponível em: < http://www.scp.rs.gov.br/atlas/conteudo.asp?cod_menu_filho=791&cod_menu=790&tipo_menu=APRESENTACAO&cod_conteudo=1328>. Acesso em: 14 mai. 2017.

ALBERT, C.; VIEIRA, C; BAGOLIN, I. P. A produção vitivinícola de Mendonza - Argentina e da Serra Gaúcha - Brasil: uma análise comparativa a luz das teorias de desenvolvimento regional. Texto para discussão n° 4. PPGE – PUCRS. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Orbis Latina

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, é publicada originalmente na plataforma digital ISSUU, cujo acesso, leitura e downloads são gratuitos. Mais detalhes ver  https://sites.google.com/site/orbislatina/