Foucault e a morte do sujeito

João Barros

Resumo


O objetivo deste texto é expor os argumentos de Michel Foucault sobre a relação saber-poder. A crise atual de algumas disciplinas coloca em questão o conhecimento, a forma de conhecimento, a norma sujeito-objeto. Interroga as relações entre as estruturas econômicas e políticas de nossa sociedade e o conhecimento, não em seus conteúdos falsos ou verdadeiros, mas em suas funções de poder-saber. Crise por consequência histórico-política. Foucault argumentou sobre a morte do sujeito moderno, argumentando sobre a relação entre saber e poder em seu período genealógico. A verdade concebida como acontecimento é uma perspectiva que deixa entrever as relações de poder que fazer parte do processo de produção do conhecimento. Essa verdade constatação, tal como a caracteriza Foucault, admite dois supostos básicos da história das ideias: o sujeito universal de conhecimento, por um lado, e o objeto permanente por outro. Ambos altamente problemáticos segundo nosso autor.

Texto completo:

PDF

Referências


CANGUILHEM, Georges. Michel Foucault: morte do homem ou esgotamento do Cogito?; tradução Fábio Ferreira de Almeida. Goiânia: Edições Ricochete, 2012.

DESCARTES, René. Meditaciones Metafísicas; traducción Pablo Pavesi. Buenos Aires: Prometeo, 2009.

FOUCAULT, Michel. A casa dos loucos. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979a, p. 113-128.

______. Defender la sociedade – Curso en el Collège de France 1975-1976; traducción Horacio Pons. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2010.

______. Las palabras y las cosas; traducción Elsa Cecilia Frost. Buenos Aires : Siglo veintiuno, 1968.

______. Les mots et les choses. Paris : Gallimard, 1966.

______. La poussière et le nuage. In: Dits et écrits II. Paris: Gallimard, 2001b, p. 829-838.

______. Le mots et le choses. Paris: Gallimard, 1966.

______. Nietzsche, a genealogia e a história. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979b, p. 15-38.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura; tradução Artur Morão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.