O MODELO DE CONCORRÊNCIA SETORIAL DE NELSON: UM COMPARATIVO DA AMÉRICA LATINA E A ÁSIA ANTES E PÓS 1980

Thais Andreia Araujo de Souza

Resumo


O presente estudo pretende analisar a importância dada à produtividade como meio de alcançar o crescimento econômico tanto na América Latina quanto na Ásia antes e posteriormente à década de 1980. O interesse no tema surge de a América Latina ter passado a apresentar políticas mais neoliberais a partir dessa década. Para isto, a análise foi feita a partir do uso do modelo de concorrência setorial de Nelson em uma estimação econométrica para antes e depois de 1980 em ambas as regiões. Dentre os resultados, ao comparar as regiões, se verifica que o crescimento nos setores indústria e serviços foi devido principalmente à maior elasticidade da produtividade quando comparada ao estoque de capital fixo na Ásia, já na América Latina esses parâmetros sequer foram significativos.


Palavras-chave


Produtividade do Trabalho; Estoque de Capital Fixo; Setores Dinâmicos

Texto completo:

PDF

Referências


SECTOR DATABASE. 10 SECTOR. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2018.

BARRO, R. J.; SALA-I-MARTIN, X. Economic Growth. 2 ed. The Mit Press, 2003.

DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, R. Os Dilemas e os Desafios da Produtividade no Brasil. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, R.(Org). Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes, v.1, 1 ed. Brasília: IPEA:ABDI, p. 15-52. 2014.

FOLEY, D. K.; MICHL, T. R. Growth and Distribution. Harvard Univesity Press: Cambridge, 1999.

GARAFOLO, G. A.; YAMARIK, S. Regional Convergence: evidence from a new state-by-state capital stock series. The Review of Economics and Statistics, v. 84, n. 2, p. 316-323, 2002.

KALDOR, N. Causes of the Slow Rate of Economic Growth in the United Kingdom. In: KALDOR, Nicholas. Further Essays on Economic Theory, Londres: The Anchor Press Ltd. 1978.

LUCAS, Robert E. On the Mechanics of Economic Development. Journal of Monetary Economics, v. 22, p. 3-42, 1988.

MANKIW, N. G.; ROMER, D.; WEIL, D. N. A Contribution to the Empirics of Economic Growth. Quarterly Journal of Economics, v. 107, n. 2, p. 407-437, mai. 1992.

NELSON, R. Understanding Technical Change as an Evolutionary Process. Lectures in Economics: Theory, Institutions, Policy, 8, 1987.

PENN WORLD TABLE. PWT 8.1. 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2018.

ROMER, Paul M. Increasing Returns and Long-Run Growth. The Journal of Political Economy, v. 94, n. 5, p. 1002-1037, out. 1986.

ROMER, Paul M. Endogenous Technological Change. Journal of Political Economy, v. 98, n. 5, p. 71-102, 1990.

SOLOW, Robert. A Contribution to the Theory of Economic Growth. The Quarterly Journal of Economics, v. 70, n. 1, p.65-94, fev. 1956.

SQUEFF, G. C.; DE NEGRI, F. Produtividade do Trabalho e Mudança Estrutural no Brasil nos Anos 2000. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R. (Org.). Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes, v. 1, 1 ed. Brasília: IPEA:ABDI, p. 249-280, 2014.

SWAN, Trevor W. Economic Growth and Capital Accumulation. Economic Record, v. 32, n. 2, p. 334-361, nov., 1956.

THIRLWALL, A. P. A Plain Man’s Guide to Kaldor’s Growth Laws. Journal of Post Keynesian Economics, v. 5, n. 3, p. 345-358, 1983.

TIMMER, M. P., DE VRIES, G. J., DE VRIES, K. Patterns of Structural Change in Developing Countries. In: WEISS, J.; TRIBE, M. Tribe (Org.) Routledge Handbook of Industry and Development. Routledge: p. 65-83, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Orbis Latina

Licença Creative Commons
Licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.

A Revista Orbis Latina, ISSN 2237-6976, usa o Open Journal Systems (OJS 2.4.6.0), sistema de código livre gratuito para a administração e a publicação de revistas, desenvolvido com suporte e distribuição pelo Public Knowledge Project sob a licença GNU General Public License.

* Veja nosso perfil no Google Scholar.