Transhumanismo e revolução verde: monoculturas da mente?

Renata Silva Souza

Resumo


O objetivo deste trabalho é investigar possíveis correlações entre os pressupostos subjacentes às propostas da revolução verde e do projeto transhumanista. Analisaremos, para tanto, as seguintes questões: 1) Em que medida propostas propagadas pela mecanização do campo se aproximam às do Transhumanismo?; 2) De que forma a noção de „monoculturas da mente‟ delimitam a investigação da questão 1? No intento de fundamentar nossa investigação, lançaremos mão de conceitos basilares ao pensamento complexo, a saber: complexidade, sistemas, auto e hetero-organização. Com a análise dos pressupostos filosóficos subjacentes ao projeto transhumanista e os da revolução verde, ilustraremos aspectos de possíveis implicações da noção de ‘monoculturas da mente’ para dinâmicas interativas no âmbito humano.

Palavras-chave: Complexidade; Monoculturas da Mente; Transhumanismo.


Texto completo:

PDF

Referências


BOSTROM, N. Superintelligence: Paths, Dangers, Strategies. Oxford: Oxford University Press, 2014.

______. Human Genetic Enhancements: A Transhumanist Perspective, 2003. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2014.

DEBRUN, M. Identidade Nacional Brasileira e Auto-organização. In: D’OTTAVIANO, IML; GONZALEZ, M. E. Q (org.). Tradução por Valéria Venturella. Campinas: UNICAMP, 2009. CLE; v.53.

MORIN, E. O método I: a natureza da natureza. Tradução de Ilana Heinberg, Porto Alegre: Sulina, 2008.

KURZWEIL, R. The singularity is near:When humans transcend Biology. London: Penguin, 2005.

SANTAELLA, L. Culturas e artes do pós-humano. São Paulo: Paulus, 2003.

______. Corpo e comunicação: sintoma da cultura. São Paulo: Paulus, 2004.

SHIVA, V. Monoculturas da mente. São Paulo: Gaia, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Renata Silva Souza