A América Latina como Fronteira

Ronie Silveira

Resumo


O artigo tenta esclarecer o significado da situação fronteiriça da América Latina. Para isso, ele explora duas hipóteses: a) que nos constituímos como uma parte da Europa; b) que nos constituímos como uma cultura original fora das fronteiras do mundo europeu. Embora nenhuma das alternativas seja inteiramente razoável, parece que compartilhamos elementos de ambas, de tal forma que nos constituímos como europeus não europeus. Conclui-se com a tentativa de explicitar o significado de nossa condição fronteiriça destacando a necessidade de pensarmos a condição paradoxal da América Latina. Ou seja, trata-se de pensar o que temos sido a partir do que temos sido e não a partir de um ponto de vista europeu tradicional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERDI, J. Fundamentos da organização política da Argentina. Campinas: Editora da UNICAMP, 1994.

ANDRADE, O. A utopia antropofágica. São Paulo, Globo, 2011.

CASAS, J. Um novo caminho para a América Latina. Rio de Janeiro: Record, 1993.

ELIAS, N. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

KANT, I. Textos seletos. Petrópolis: Vozes, 1974.

LAMBERT, J. América Latina. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969.

ROBERTSON, W. The life of Miranda. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 1929.

RODÓ, E. Ariel. S. l. (s. d.). Disponível em http://www.scribd.com/people/view/3502992-jorge Consultado em 13/9/2017

SARMIENTO, D. Facundo. Buenos Aires: Editorial Atlântida, 1973.

SCHNEEWIND, J. A invenção da autonomia. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2005.

SILVEIRA, R. O intelectual latino americano. Pacarina del Sur, ano 8, n. 31, 2017.

STEIN, S.; STEIN, B. A herança colonial da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ronie Silveira