O TRABALHO DA MULHER NO CAMPO E SUAS INVISIBILIDADES

Giovana Sitó Alves, Léia Beatriz Sell, Amanda Motta Castro

Resumo


O tema do trabalho da mulher e seu papel no campo busca resgatar a importância do seu trabalho, sua valorização, incentivando a igualdade de gêneros no campo. Abordando essa temática na escola, pretende-se despertar uma visão crítica e politizada sobre a igualdade de gênero no campo e a valorização das atividades da mulher no campo seja no trabalho domestico, na lavoura ou na criação de animais, desconstruindo a ideia de que existe trabalho de homem e trabalho de mulher. O trabalho feminino está presente na historia da nossa sociedade, mas raramente é visto como um trabalho e é comum ser reconhecido como “ajuda”. A desigualdade acontece a partir do momento em que se questiona a qualidade, o desempenho e aptidão da mulher nas atividades realizadas. Esse assunto foi colocado em discussão em uma roda de conversa com estudantes do ensino médio, concomitante ao ensino técnico, de uma da Escola Técnica Estadual, na zona rural de São Lourenço do Sul. Ao tratar do assunto com os jovens estudantes, de ambos os sexos e idades entre 15 e 25 anos, foi possível observar diversos pontos de vista sobre o assunto. Alguns estudantes vivenciam esta desigualdade diariamente, e outros em sua experiência de vida não notam que existam diferenças no trabalho do campo realizado por mulheres ou homens.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Kátia. A força da mulher do campo. Senadora Katia Abreu, 6 de março de 2015. Disponível em: http://senadorakatiaabreu.com.br/a-forca-da-mulher-do-campo. Acessado em junho de 2016.

BRANCO, Mariana. Mulheres do campo lutam para derrubar barreiras e preconceitos. Agência Brasil, Brasília, 25 de maio de 2015. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-05/mulheres-do-campo-lutam-para-derrubar-barreiras-e-preconceitoAcessado em junho de 2016.

BRASIL, Embrapa. Hortaliças em revista. A mulher no campo: Os desafios enfrentados e a superação de mulheres que vivem da agricultura. Brasília, janeiro/fevereiro de 2012. Pag. 6-8. Disponível em: https://www.embrapa.br/documents/1355126/2250572/revista_ed1.pdf/6003f98a-1c32-4293-a328-6f41c5e0e2b5. Acessado em junho de 2016.

BRUMER, Anita, PANDOLFO, Graziela Castro, CORADINI, Lucas. Fazendo gênero – UFSC. Gênero e agricultura familiar: projetos de jovens filhos de agricultores familiares na Região Sul do Brasil. Florianópolis, 25 a 28 de agosto de 2008. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST3/Brumer-Pandolfo-Coradini_03.pdfAcessado em maio de 2016.

BRUMER, Anita, PAULILO, Maria Inês, ESMERALDO, Gema Galgani. Fazendo Gênero: Corpo, Violência e Poder. As múltiplas faces da mulher rural no Brasil. 28 de agosto de 2008. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/st03.html.Acessado em julho de 2016.

CARNEIRO, Maria José. Mulheres no campo: notas sobre sua participação política e a condição social do gênero. Biblioteca Virtual. Disponível em http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/brasil/cpda/estudos/dois/carnei2.htm. Acessado em julho de 2016.

CARDOSO, Elisabeth Maria. Mulheres do campo lutam para derrubar barreiras e preconceitos. Disponível em http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-05/mulheres-do-campo-lutam-para-derrubar-barreiras-e-preconceito acessado em junho de 2016.

CASTRO, Amanda Motta. Fios, tramas, cores, repassos e inventabilidade: A formação de tecelãs em Resende Costa, MG. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Ciências Humanas. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2015.

______; OLIVEIRA, K. L. (Org.). Desigualdades de gênero e as trajetórias latino-Americanas: Reconhecimento, dignidade e esperança. 1ª. ed. São Leopoldo: EST, 2014

DÍAS, Laura Mota. Instituições do estado e a produção e reprodução da desigualdade na América Latina. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2012.

GRILO, Margareth. Pecuária é, sim, assunto de mulher. Tribuna do Norte, Natal, RN, 18, outubro, 2012. Disponível em: http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/pecuaria-e-sim-assunto-de-mulher/234383. Acessado em julho de 2016.

KERGOAT, Prisca. Oficio. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Franloise (org). Dicionário critico do feminismo. São Paulo: Unesp, 2011.

LAGARDE, Marcela. Cautiverios de las mujeres:madresposas, monjas, putas, presas y locas. 4. ed.Ciudaddel México: UNAM, 2011.

MARTINS, Vera. Fazendo gênero – Unisinos. Mulheres agricultoras: práticas e discursos de resistência. Florianópolis, 25 a 28 de agosto de 2008. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST3/Vera_%20Martins_03.pdf. Acessado em julho de 2016.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Florianópolis: Edusc, 2005.

PERROT, Michelle. Minha história sobre as mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

SAFFIOTI, Heleieth. I. B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SALES, Celecina. Mulheres Rurais: Tecendo Novas Relações e Reconhecendo Direitos. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.15, n.2, p.437-443,2007.

SPANEVELLO, Rosani Marisa. Fazendo gênero – UFRGS. A situação das filhas na transmissão do patrimônio na agricultura familiar. Florianópolis, 25 a 28 de agosto de 2008. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST3/Rosani_Marisa_Spanevello_03.pdf. Acessado em julho de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Digital do Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História- Universidade Federal da Integração Latino-Americana-UNILA

ISSN 2317-2738