Território extinto: Análise dos discursos e práticas Guarani sobre as terras tragadas por Itaipu Binacional

Clovis Antonio Brighenti

Resumo


No dia 13 de outubro de 1982 as comportas da hidrelétrica de Itaipu Binacional foram fechadas. Esse ato não acabou apenas com o maior salto por volume d’água no mundo, conhecido como Sete Quedas, mas também com o território Guarani nas margens do Rio Paraná ou o Paraná Rembeipe, cujas terras eram as que restavam aos Guarani após o processo violento de colonização e, segundo Bonomo, esse seria o território de origem dessa população. Concomitante a construção e instalação da referida obra identificamos dois momentos distintos: o sarambi ou esparramo, durante a construção do lago; posteriormente iniciam processo de reagrupamento e reorganização das relações sociopolíticas. Nesse artigo analisaremos o percurso de resistência Guarani  para recuperar o território extinto há 35 anos. A partir da análise do discurso oral e da documentação histórica pretendemos compreender o processo discursivo em torno de um território inexistente, pelo qual emerge a necessidade de acionar a memória para promover ações em torno da conquista de outros espaços.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Pedro. Depoimento ao Centro de Trabalho Indigenista. Guaíra 2014.

BENITES, Assunção, 65 anos. Depoimento ao Centro de Trabalho Indigenista. Guaíra, 2014.

BOGADO Aleixo. Depoimento concedido a Elaine P. Rocha. Ocoy, 1990.

BRASIL, Justiça Federal. Processo nº1573, livro 01, folha 88. Em 22.10-1990.

BRASIL. FUNAI. Relatório final Funai-Incra. Subgrupo de trabalho “XV” situação atual das áreas – Colônia Guarani (município de Foz do Iguaçu) B – PIC-OCOI (municípios de São Miguel do Iguaçu e Foz do Iguaçu. Brasília, 19 de abril de 1977.

CABEZA DE VACA, Alvar N. Náufragos e comentários. Tradução: Eduardo Bueno. Porto Alegre: (Col. L&PM Pocket, v.155), 1999.

CARVALHO, Edgar de Assis. Avá Guarani do Ocoí-Jacutinga, Parecer antropológico. São Paulo: Cimi Sul/CJPPR/ANAÍ-PR, 1981.

CENTRO DE TRABALHO INDIGENISTA – (CTI). Violações dos direitos humanos e territoriais dos Guarani no Oeste do Paraná (1946-1988): Subsídios para a Comissão Nacional da Verdade. Relatório. São Paulo, Outubro de 2013

CENTURIÓN, Alfredo. Depoimento ao Centro de Trabalho Indigenista. Ocoy, 2014.

FIGUEIREDO, Lourenço. Depoimento ao Centro de Trabalho Indigenista. Santa Helena, 2014.

GONÇALVES Lídia Antônia. Depoimento ao Centro de Trabalho Indigenista. Guaíra, 2014.

HORST, Célio. Relatório de Viagem. ITE Nº 023/81 – AGESP. Brasília, DF, 1981.

LUTA INDÍGENA. Boletim do Cimi Saul. nº 16. Xanxerê. 1982.

MELIÀ, Bartomeu. A experiência religiosa Guarani. In: MARZAL, Manuel M. O Rosto Índio de Deus. Petrópolis: Vozes, 1988. p. 293-357. (Col. Teologia da Libertação, série VII, v. 1).

MARTINS, Nabor. Depoimento ao Centro de Trabalho Indigenista. Guaíra, 2014.

NOELLI, Francisco Silva. A ocupação humana na região sul: arqueologia, debate e perspectivas 1872-200. Revista USP, São Paulo (44), p. 218-269, dez/fev. 1999-2000.

RODRIGUES, Miguel. Depoimento ao Centro de Trabalho Indigenista. Guaíra, 2014.

TOMMASINO, Kimiye. Relatório de identificação e delimitação da Terra Indígena Guarani de Araça’í. Coordenadora e Antropóloga do Grupo Técnico constituído pela Portaria 928 – 06/09/2000. Brasília/DF. Funai/MJ. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Clovis Antonio Brighenti