Ensino de óxidos em uma aula experimental: possibilidade de adaptação para a inclusão de um aluno com Paralisia Cerebral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30705/eqpv.v5i1.2595

Resumo

Este trabalho apresenta uma intervenção em sala de aula que tinha como objetivo a inclusão no Ensino de Química. Como metodologia, visando a reflexão de situações vinculadas à ação social, utilizou-se a pesquisa-ação. A estratégia metodológica da aula baseou-se na experimentação e buscou adaptar as práticas propostas para que um aluno com Paralisia Cerebral pudesse realizá-las. Assim, o texto discute momentos importantes do estágio supervisionado na formação inicial de professores de Química a partir de observações, leituras e reflexões sobre a inclusão na teoria e prática. Considera-se que as experiências proporcionadas por esses espaços podem resultar em momentos de reconstrução de práticas pedagógicas que levem em conta outras metodologias, recursos e que sejam mais preocupadas com os diferentes tipos de aprendizagens existentes em sala de aula.

Biografia do Autor

André de Azambuja Maraschin, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Licenciado em Química pela Universidade Federal do Pampa.

Lucas Maia Dantas, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Licenciado em Química pela Universidade Federal do Pampa. Atualmente é integrante do grupo de pesquisa Núcleo de Estudos de Inclusão (NEI) e Informática na Educação (Infoeduc).

Débora Borges Gogia, Servidora Pública Estadual/Rio Grande do Sul

Licenciada em Química pela Universidade Federal do Pampa.

Elenilson Freitas Alves, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Doutor em Química pela Universidade Federal de Santa Maria.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Edição

Seção

Dossiê: Estágio Supervisionado na Licenciatura em Química - diferentes olhares