Rastros de resistência dos Munduruku nos séculos XVII e XIX

Autores

  • Benjamim da Costa Araújo UFPA
  • Ivânia dos Santos Neves

Palavras-chave:

Munduruku; Aldeamento; Narrativas; Resistência

Resumo

O presente artigo procura apresentar, refletir e analisar sobre as manifestações – narrativas e comportamentais – de resistência do povo Munduruku pertencentes a região da bacia do tapajós, diante de suas relações de contatos com viajantes, aventureiros, mercadores e de convivência com os missionários religiosos ao longo do processo de aldeamento entre os séculos XVIII e XIX. Se os registros iniciais sobre a etnia Munduruku se deram a partir da atuação dos missionários franciscanos em seu processo de catequização e de civilização destes indígenas, também foi oportuno para que estes "imprimissem" suas perspectivas e cosmologias em narrativas coletadas por alguns destes religiosos diretamente dos Munduruku e/ ou dos relatos de viajantes e aventureiros na região da extensa bacia do Tapajós. Sob a perspectiva do enfoque teórico da Análise do Discurso, de vertente francesa, ancorada em autores como Michel FOUCAULT (2014) e nos estudos de historiadores como Márcio HENRIQUE (2018), José LEOPOLDI (1979), do antropólogo Robert MURPHY (1958) bem como de registros das Missões religiosas na Amazônia e dos relatos de viajantes e estudiosos nesta região, propõe-se verificar e analisar a memória e as práticas discursivas dos diversos atores envolvidos nesta trama, como processo narrativo e a ênfase no comportamento de resistência do povo Munduruku.

Referências

COLLEVATTI, Jayne Hunger. A invenção (franciscana) da cultura Munduruku: sobre a produção escrita dos missionários da Província de Santo Antônio. Revista de Antropologia 52(2), 2009. pp. 633-676.

COUDREAU, Henri. Viagem ao Tapajós. Disponível em: https://bdor.sibi.ufrj.br/handle/doc/292.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. 42 ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 2014. 302 p.

HENRIQUE, Márcio Couto. Sem Vieira nem Pombal: índios na Amazônia no século XIX. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2018. 216 p.

KEMPF, Valter. “Estudo sobre a mitologia dos índios mundurucus: à guisa de introdução”. Empreza Gráfica Paranaense, Universidade de Indiana: 1945, 290 p.

LEOPOLDI, José Sávio. O contato do índio brasileiro: o caso mundurucu. Tradução Alice e Henriqueta Barbosa Spínola. Dissertação de Mestrado (1979). Universidade de Oxford. United Kingdom. Itapiranga – AM. CIMI, 1984.

MURPHY, Robert. Mundurukú Religion, University of California, 1958.

NORONHA, José Monteiro de. Roteiro da viagem da cidade do Pará até as últimas colônias do sertão da província (1768). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v. 150, n. 364, p. 475-513, jul.-set. 1989.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

da Costa Araújo, B., & dos Santos Neves, I. (2022). Rastros de resistência dos Munduruku nos séculos XVII e XIX. Frontería evista o rograma e Pós-Graduação m iteratura omparada, 2(3), 112–123. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/litcomparada/article/view/3321

Edição

Seção

Formas e efeitos da violência na literatura e no cinema latino-americano