Inês de Atienza e a representação da mestiçagem feminina em La serpiente sin ojos (2012)

Autores

  • Francelina Barreto de Abreu Universidade Federal do Pará
  • Carlos Henrique Lopes de Almeida

Palavras-chave:

Mestiçagem; Literatura; América Latina; Amazônia.

Resumo

Resumo: Este artigo tem por objetivo refletir sobre a representação da mestiçagem na obra La serpiente sin ojos (2012) de William Ospina, por meio da descrição da figura feminina no cenário colonial do século XVI. Durante a leitura da narrativa histórica surgiram algumas inquietações quanto ao silenciamento, a subalternidade e o entrelugar em que a mulher mestiça vem sendo representada ao longo do tempo tanto na literatura quanto nos registros históricos da Amazônia e da América Latina como esse espaço geográfico em que estão os países que compõe a região amazônica cenário da narrativa. Considerando o exposto, destacamos a escolha de Ospina em evidenciar em seu romance temas que merecem um olhar mais atento como a mestiçagem na construção histórica e social do continente e suas representações por  meio das obras literárias. Inês de Atienza se sobressai na narrativa como esse rastro/ reminiscência que emerge da narrativa e nos permite construir “visões” sobre o discurso histórico, sobre a mulher mestiça e a mestiçagem enquanto inquietação do autor e desta pesquisadora ao ler a narrativa. A metodologia para realização deste estudo é qualitativa de análise de material e como suporte usaremos as contribuições de Coutinho (2000), Spivak (2010), Gagnebin (2006).

Referências

COUTINHO, E.F. Mestiçagem e multiculturalismo na construção da identidade cultural latino-americana. In: Literatura comparada na América latina: ensaios. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2003.

FERNANDES, J. G. S. Literatura brasileira de expressão amazônica, literatura da Amazônia ou literatura amazônica? Graphos, V.6, n.2, 2004. Disponível em https://periodicos.ufpb.br/index.php/graphos/article/view/9540

FERNANDES. M. L; CARVALHO. F.A; CAMPOS. C. Nas pegadas dos viajantes. In: Sobre viagens, viajantes e representações da Amazônia. Boa Vista: Editora da UFRR, 2020.

GAGNEBIN, J. M. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed 34., 2006.

MIGNOLO, W. D. El metatexto historiográfico y la historiografía indiana. Modern Languages, Notes, v. 46, John Hopkins University Press. 1981. p. 358-402

NUNES, P. J. M. Literatura paraense existe? In: BARROS, Paulo Tarso. Blog: literatura no Amapá. Amapá, 15 jan. 2008. Disponível em: http://escritoresap.blogspot.com/2008/01/artigo-do-professor-paulonines.htpml. Acesso em: jan.2020.

O’GORMAN, Edmundo. La invención de América. Fondo de Cultura Economica. Disponível em :< https://cursosluispatinoffyl.files.wordpress.com/2014/01/la-invencion

-de-amc3a9rica-o_gorman.pdf>. Acesso em 7 de jan. 2021. OSPINA, W. La serpiente sin ojos. Barcelona, Mondadori, 2012.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: QUIJANO, Aníbal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO. 2005. p. 117-142. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

SANTIAGO, S. O entre-lugar do discurso latino-americano. In: Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. 2ªed. Rio de Janeiro: Rocco. 2000.

SPIVAK. G.C. Pode o subalterno falar. Belo Horizonte: editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Barreto de Abreu, F., & Lopes de Almeida, C. H. (2022). Inês de Atienza e a representação da mestiçagem feminina em La serpiente sin ojos (2012). Frontería evista o rograma e Pós-Graduação m iteratura omparada, 2(3), 5–16. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/litcomparada/article/view/3341

Edição

Seção

Formas e efeitos da violência na literatura e no cinema latino-americano