Viver Cuidar Esperar: um experimento de escrita etnográfica sobre cuidado, gênero e geração

Autores

  • Juliane Bazzo Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Palavras-chave:

Cuidado, Gênero, Geração, Etnografia flash, Autoetnografia, Antropologia e literatura

Resumo

Este artigo experimenta um gênero de escrita, a etnografia flash, para apresentar a história de uma mulher que, acometida por uma rara doença, assiste a uma súbita perda dos movimentos corporais. A enfermidade de Esperança, como a chamo ficticiamente, desarranja uma rede de cuidados por ela capitaneada durante muitos anos, na qual se movimentava entre diferentes gerações. O comprometimento fisiológico dessa mulher-elo acarreta uma série de negociações familiares que conduzem a uma reflexão acerca do apagamento da imprescindível esfera da reprodução no sistema capitalista. A etnografia flash, como a definem Nomi Stone e Carole McGranahan, constitui um caminho de escrita etnográfica que prescinde da existência de um projeto de pesquisa mais amplo. O gênero textual envolve relatos comprimidos e fechados por si mesmos, porém, igualmente frutos de um encontro intersubjetivo vivaz com a alteridade. Nessa esteira, o manuscrito que apresento achega-se à forma de um conto, inspirado também pela autoetnografia, que enxerga na discursividade literária um meio legítimo de narração quando pesquisadora e pesquisada coincidem. Em meu caso, não há essa correspondência, mas sim um grau de proximidade com os fatos que mobilizam a história. 

Referências

ALMEIDA, Carolina P. de; ENGEL, Cíntia. Fazendo corpos e parentes: como grafar cotidianos? R@U, v. 12, n. 2, p. 131-155, jul./dez. 2020.

BALTES, Paul B.; SMITH, Jacqui. Novas fronteiras para o futuro do envelhecimento: da velhice bem-sucedida do idoso jovem aos dilemas da quarta idade. A Terceira Idade, v. 17, n. 36, p. 7-31, jun. 2006.

BIEHL, João. Antropologia do devir: psicofármacos – abandono social – desejo. Revista de Antropologia, v. 51, n. 2, p. 413-449, 2008.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O trabalho do antropólogo. 2 ed. Brasília, São Paulo: Paralelo 15, Editora Unesp, 2000.

CESARINO, Letícia. Coronavírus como força de mercado e o fim da sociedade. Disponível em: www.antropologicas-epidemicas.com.br. Acesso em: 22 abr. 2020.

CIRIZA, Alejandra. Cuerpo y experiencias. Sobre los dilemas y desafíos del cuidado. In: ANZORENA, Claudia C. et al. (org.). Reproducir y sostener la vida: abordajes feministas y de género del trabajo de cuidados. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Teseo, 2021. p. 15-35.

COMAROFF, Jean; COMAROFF, John. Ethnography on an awkward scale postcolonial anthropology and the violence of abstraction. Ethnography, v. 4, n. 2, p. 147-179, jun. 2003.

DAVIS, Angela. A obsolescência das tarefas domésticas se aproxima: uma perspectiva da classe trabalhadora. In: Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016 [1981]. p. 225-244.

DEBAISE, Didier; STENGERS, Isabelle (ed.). Gestes spéculatifs. Dijon: Presses du Reel, 2015.

DEBERT, Guita G. A invenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 12, n. 34, p. 39-56, 1997.

FASSIN, Didier. Why ethnography matters: on Anthropology and its publics. Cultural Anthropology, v. 28, n. 4, p. 621-646, 2013.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FLEISCHER, Soraya. Onde uma antropóloga pode trabalhar? Relato de uma disciplina de graduação sobre antropologia e mercado de trabalho. Áltera, v. 1, n. 4, p. 42-61, jan./jun. 2017.

FONSECA, Claudia. O anonimato e o texto antropológico: dilemas éticos e políticos da etnografia ‘em casa’. Teoria e Cultura, v. 2, n. 1 e 2, p. 39-53, jan./dez. 2008.

FRATESCHI, Yara. O que significa crise do cuidado no cenário atual da pandemia. Casa do Saber [canal YouTube], 22 abr. 2021. Disponível em: https://tinyurl.com/yse7fjr2.

FREIRE, Lucas. Sujeitos de papel: sobre a materialização de pessoas transexuais e a regulação do acesso a direitos. Cadernos Pagu, n. 48, e164813, 2016.

GAMA, Fabiene. A autoetnografia como método criativo: experimentações com a esclerose múltipla. Anuário Antropológico, v. 45, n. 2, p. 188-208, maio/ago. 2020.

GAMA, Fabiene. Tornar-se cronicamente doente: perspectivas de uma im-paciente sobre cuidados médicos. Revista Mundaú, n. 6, p. 159-177, 2019. Encarte visual.

GÊNERO E NÚMERO; SEMPREVIVA. Sem parar: o trabalho e a vida das mulheres na pandemia. 2021. Disponível em: mulheresnapandemia.sof.org.br.

GOLDENBERG, Mirian. “Pandemia evidencia solidão de idosos e sensação de que são um peso”, diz antropóloga. GZH, 27 mar. 2020. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br.

GONÇALVES, Marco. O real imaginado: etnografia, cinema e surrealismo em Jean Rouch. Rio de Janeiro: Topbooks, 2008.

HARAWAY, Donna J. Staying with the trouble: making kin in the Chthulucene. Durham, London: Duke University Press, 2016.

LATOUR, Bruno. Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno. Revista de Antropologia, v. 57, n. 1, p. 11-31, 2014.

LE GUIN, Ursula K. A teoria da ficção como sacola. Presente, p. 58-64, abr. 2021 [1988].

LEITÃO, Debora K.; GOMES, Laura G. Etnografia em ambientes digitais: perambulações, acompanhamentos e imersões”. Antropolítica, n. 42, p. 41-65, 1. sem. 2017.

KOFES, Suely. As grafias – traços, linhas, escrita, gráficos, desenhos – como perturbação no conhecimento antropológico. R@U, v. 12, n. 2, p. 12-26, jul./dez. 2020.

MAGNANI, José G. C. Da periferia ao centro, cá e lá: seguindo trajetos, construindo circuitos. Anuário Antropológico, v. 38, n. 2, p. 53-72, 2013.

MARTES, Ana C. B.; FLEISCHER, Soraya; ALMEIDA, Edna de. Entrevista. Anuário Antropológico, v. 46, n. 1, p. 274-295, 2021.

MELLO, Anahí G. de. Olhar, (não) ouvir, escrever: uma autoetnografia ciborgue. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

MENEZES, Rachel A.; BARBOSA, Patricia. A construção da “boa morte” em diferentes etapas da vida: reflexões em torno do ideário paliativista para adultos e crianças. Ciência & Saúde coletiva, v. 18, n. 9, p. 2653-2662, set. 2013.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MILLER, Daniel. Como conduzir uma etnografia durante o isolamento social. Trad. Camila Balsa e Juliane Bazzo. Blog do Sociofilo [atual Blog do Labemus], 23 maio 2020. Disponível em: https://blogdolabemus.com.

MOTTA, Alda B. da. A atualidade do conceito de gerações na pesquisa sobre o envelhecimento. Sociedade e Estado, v. 25, n. 2, p. 225-250, maio/ago. 2010.

MOTTA, Alda B. da. A família multigeracional e seus personagens. Educação & Sociedade, v. 31, n. 111, p. 435-458, abr./jun. 2010.

MOTTA, Alda B. da. Families of centenarians. Vibrant, v.13, n.1, p. 55-70, jun. 2016.

MOULIN, Fabiano. Alzheimer: a doença de uma sociedade. Casa do Saber [canal YouTube], 14 abr. 2016. Disponível em: https://tinyurl.com/yse7fjr2.

OXFAM BRASIL. Tempo de cuidar: o trabalho de cuidado não remunerado e mal pago e a crise global da desigualdade. 2020. Disponível em: www.oxfam.org.br.

PONTAROLO, Regina S.; OLIVEIRA, Rita de C. da S. Terceira idade: uma breve discussão. Publicatio UEPG, v. 16, n. 1, p. 115-123, ago. 2008.

RAIMONDI, Gustavo A.; MOREIRA, Cláudio; BARROS, Nelson F. de. O corpo negado pela sua “extrema subjetividade”: expressões da colonialidade do saber na ética em pesquisa. Interface, v. 23, p. 1-14, ago. 2019.

RIBEIRO, Fernanda B. Etnografias a jato. In: SCHUCH, Patrice et al. (org.). Experiências, dilemas e desafios do fazer etnográfico contemporâneo. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010. p. 85-88.

ROHDEN, Fabíola. As promessas de aprimoramento e o retorno à fatalidade. Boletim Cientistas sociais e o coronavírus, n. 16, 08 abr. 2020. Disponível em: https://anpocs.com.

SIQUEIRA, Monalisa D. de; VÍCTORA, Ceres G. “Solicita-se providências urgentes”: considerações sobre as relações entre Estado e família na responsabilização pelo cuidado de idosos. In: 38º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS. Anais... Caxambu, 2014. Disponível em: https://anpocs.com.

SOUZA LIMA, Antonio C. de. Nota sobre a organização. In: Antropologia & Direito: temas antropológicos para estudos jurídicos Blumenau: Associação Brasileira de Antropologia, Laced, Nova Letra, 2012. p. 23-31.

STENGERS, Isabelle. Gaia, the urgency to think (and feel). In: OS MIL NOMES DE GAIA: DO ANTROPOCENO À IDADE DA TERRA. Anais... Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://osmilnomesdegaia.eco.br/.

STONE, Nomi; MCGRANAHAN, Carole (ed.). Flash Ethnography. E-book, 2021. Disponível em: https://americanethnologist.org.

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013 [1987].

SZTUTMAN, Renato. Imagens perigosas: a possessão e a gênese do cinema de Jean Rouch. Cadernos de Campo, n. 13, p. 115-124, 2005.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Mana, v. 8, n. 1, p. 113-148, abr. 2002.

ZIRBEL, Ilze et al. Quando falamos de cuidado, do que estamos falando? Entrevista com Ilze Zirbel. Psicologia & Sociedade, v. 33, e238601, 15 p., 2021.

WACQUANT, Loïc. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 3 ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

WEEBER, Christine. Why Poetry + Anthropology? Sapiens, 20 mar. 2020. Disponível em: www.sapiens.org.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Active ageing: a policy framework. Geneva: WHO, 2002.

Downloads

Publicado

2022-08-12

Como Citar

Bazzo, J. (2022). Viver Cuidar Esperar: um experimento de escrita etnográfica sobre cuidado, gênero e geração . Frontería evista o rograma e Pós-Graduação m iteratura omparada, 3(4), 74–96. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/litcomparada/article/view/3491

Edição

Seção

Escritas fronteiriças: conexões culturais às margens da literatura