Educação lúdica: os jogos de tabuleiro modernos como ferramenta pedagógica

Autores

  • Laíse Lima do Prado Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.30691/relus.v2i2.1485

Resumo

As formas de ver a educação têm mudado e, junto a esse novo olhar, a busca por novas formas de agir em sala de aula se tornou acelerada e crucial a uma educação de qualidade. O presente artigo propõe, portanto, analisar de forma breve, através da pesquisa bibliográfica, a importância do lúdico e do ato de jogar para uma aprendizagem significativa. Uma ênfase deste artigo é a análise, de forma específica, do Jogo de Tabuleiro Moderno, suas características principais, suas diferenças em relação aos jogos clássicos e seus possíveis usos pelo professor em sala de aula. É evidente na literatura a inserção dos jogos como ferramenta importante para o processo de ensino/aprendizagem. Este fato é explanado com propriedade por Teixeira (2008), Alves (2015) e Huzinga (2010), este último se tornou um dos livros essenciais nos estudos sobre a ludicidade. O ato de jogar foi descrito pelos autores pesquisados como fonte essencial do aprendizado, e os jogos de tabuleiro modernos, apesar de serem mencionados apenas nas literaturas mais recentes, foram apontados como um conteúdo recheado em estratégia, no qual os erros são evidenciados como degraus para novos desafios e a cooperação se torna uma característica mais frequente. Conclui-se, então, que o currículo escolar necessita ser redimensionado, criando espaços de tempo para os jogos, a fim de que eles sejam respeitados e assumidos como uma possibilidade metodológica ao processo de ensino-aprendizagem de conceitos.

Biografia do Autor

Laíse Lima do Prado, Universidade do Estado da Bahia

Fonoaudióloga

Especialista em Gestão de Projetos e Psicopedadoga

Referências

ALVES, Flora. Gamification: como criar experiências de aprendizagem engajadoras. DVS Editora, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Orientações Curriculares Para o Ensino Médio - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Vol. 2. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

BRAZ- DA-SILVA, A. M. T.; METTRAU, M. B. Proposta de Ensino de Ciências sob forma lúdica e criativa nas escolas. In: XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física, 2009, Vitória/ Espirito Santo. XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física, 2009.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Tradução José Garcez Palha. Lisboa: Cotovia. 1990.

CAMPOS, L.M.L.; BORTOLOTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. et al. A Produção de Jogos Didáticos para o Ensino de Ciências e Biologia: Uma Proposta para Favorecer a Aprendizagem. Cadernos dos Núcleos de Ensino, São Paulo, p. 35-48, 2003. Disponível em: <http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2002/aproducaodejogos.pdf>. Acesso em: 16 julho 2018.

DA SILVA, Aparecida Francisco; KODAMA, Helia Matiko Yano. Jogos no ensino da matemática. II Bienal da Sociedade Brasileira de Matemática, 2004.

DE FREITAS, Eliana Sermidi; SALVI, Rosana Figueiredo. A ludicidade e a aprendizagem significativa voltada para o ensino de geografia. 2007.

FARIA, A. R. O desenvolvimento da criança e do adolescente segundo Piaget. Ed. Ática, 3º edição, 1995.

FERNADES, R. J. G., JUNIOR, G. dos S. The sims: jogo computacional como uma ferramenta pedagógica na construção do conhecimento matemático. Revista Eletrônica TECCEN, Vassouras, v. 5, n. 1, p. 21-36, jan./abr., 2012.

GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 239 f. Tese de doutorado – Faculdade de Educação, UNICAMP, São Paulo, 2000.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens - vom Unprung der Kultur im Spiel. Editora Perspectiva S.A. 2010. 4* edição – reimpressão. São Paulo - SP - Brasil

JUSTUS, José Fabiano Costa; DE FRANCISCO, Antonio Carlos. Detetive da saúde: a contribuição de um jogo de tabuleiro para o ensino e a aprendizagem na área da saúde. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 2012, 5.1.

KISHIMOTO, T. M. Froebel e a concepção de jogo infantil. Revista de Faculdade de Educação. São Paulo, v. 22, p. 145-168, n.1, 2004.

MACEDO, Lino; PETTY, Ana Lúcia; PASSOS, Norimar Christe. Os Jogos e o Ludico na Aprendizagem Escolar. Artmed. Porto Alegre, Rio Grande do Sul. 2008.

MACHADO, N. J. et al. Jogos no Ensino da Matemática. Cadernos de Prática de ensino – Série Matemática. São Paulo: USP, ano1, n.1, 1990.

MASTROCOLA, Vicente Martin. Doses Lúdicas: Breve Textos Sobre o Universo dos Jogos e Entretenimento. Independente. São Paulo. 2013.

MAYER, Brian; HARRIS, Christopher. Libraries Got Game: Aligned Learning Through Modern Board Games. American Library Association. United States of America. 2010.

MELO, Sirley Aparecida; SARDINHA, Maria Onide Ballan. Jogos no Ensino Aprendizagem de Matemática: uma estratégia para aulas mais dinâmicas. Revista F@pciência, Apucarana-PR, v.4, n. 2, p. 5 – 15, 2009.

MURCIA, J. Aprendizagem através do jogo. Porto Alegre. Artmed. 2005.

NETO, E. R. Laboratório de matemática. In: Didática da Matemática. São Paulo: Ática, 1992. 200p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/ SEF. 1998.

PEDROSO, C. V. Jogos didáticos no ensino de biologia: uma proposta metodológica baseada em módulo didático. In: Anais do IX Congresso Nacional de Educação. 2009.

SCHELL, Jesse. The Art of Game Design: A book of lenses. Elsevier. USA. Reprinted 2010.

SILVA, Maria José de Castro. O jogo como estratégia para a resolução de problemas de conteúdo matemático. Psicologia Escolar e Educacional, 2008.

TEIXEIRA, Susane Fernandes de Abreu. Uma reflexão sobre a ambiguidade do conceito de jogo na educação matemática. 2008. Dissertação. Mestrado, programa de pós graduação em educação. Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação. São Paulo.

WOODS, Stewart. Eurogames: The Design, Culture and Play of Modern European Board Games. McForland & Company. United States of America. 2012.

ZANON, Dulcimeire Volante; DA SILVA GUERREIRO, Manoel Augusto; DE OLIVEIRA, Robson Caldas. Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação. Ciências & Cognição, 2008,.

Downloads

Publicado

2019-02-18

Edição

Seção

Artigos Científicos de Pesquisa