Materiais inteligentes como ferramenta para o ensino de química orgânica

Autores

  • Suellem Barbosa Cordeiro Universidade do Estado do Rio de Janeiro Departamento de ciência da Natureza Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira/CAp-UERJ Rio de Janeiro/Brasil
  • Lidiane Aparecida de Almeida PPGEB - Universidade do Estado Rio de Janeiro Departamento de ciência da Natureza Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira/CAp-UERJ Rio de Janeiro/Brasil
  • Letícia Quinello Pereira Senai cetiqt, Rio de Janeiro, Brasil. Seeduc/RJ. Rio de Janeiro/Brasil

DOI:

https://doi.org/10.30705/eqpv.v2i2.1363

Resumo

O presente estudo apresenta considerações importantes sobre a construção de um material didático, científico e personalizado, denominado bloquinho inteligente, no processo de ensino-aprendizagem no qual aluno atua como protagonista com a participação e execução de ações educativas. Utilizou-se do lúdico e da técnica da reescrita de conteúdos da química orgânica para a obtenção de um material que torna a aquisição do conhecimento dinâmico e divertido, facilita o uso de fórmulas estruturais e nomenclatura dos compostos orgânicos e possibilita avançar na abordagem de novos temas. O trabalho foi realizado no em um colégio de Aplicação, com estudantes do ensino médio. As etapas seguidas foram planejamento, elaboração e discussão de recursos motivadores, construção, aplicação e interpretação do questionário investigativo. A intervenção se mostrou promissora, indicando que os aspectos lúdicos e cognitivos foram importantes para o ensino e a aprendizagem de conteúdos químicos (como a identificação dos grupos funcionais, nomenclatura de compostos orgânicos, construção das moléculas e reações da química orgânica), permitindo assim, avançar nas discussões científicas atreladas às questões socioambientais e tecnológicas, tão almejadas neste ramo da Química.

Biografia do Autor

Suellem Barbosa Cordeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro Departamento de ciência da Natureza Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira/CAp-UERJ Rio de Janeiro/Brasil

Graduação: Licenciatura e Bacharel em Química pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (09/2007). Mestrado e Doutorado: Ciência e Tecnologia de Polímeros pelo Instituto de Macromoléculas Professora Eloísa Mano da Universidade Federal do Rio de Janeiro- IMA-UFRJ (08/2014).Nos anos de 2009 a 2015, atuei como professora de química na rede Estadual para o ensino médio. Atualmente é professora adjunta na Universidade do Estado do rio de janeiro (UERJ),Instituto de aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAp-UERJ).Atua como membro da Comissão de Autorização de Pesquisa do CAp-UERJ, coordena o Programa de Iniciação Científica Jr do CAp UERJ, É membro dos Grupos de Pesquisa: Alfabetização Científica e o Ensino de Física, Química e Biologia na Escola Básica; LEDEN - LINGUAGEM E EDUCAÇÃO:ENSINO E CIÊNCIA. Possui experiência no ensino de ciências desde 2009 e também na área de Polímeros e Aplicações, atuando principalmente nos temas:i) Desenvolvimento de catalisadores e compósitos/nanocompósitos poliméricos; ii)Obtenção de Nanocelulose a Partir de Rejeitos da Agroindústria e iii) Desenvolvimento de Células Solares Poliméricas iv) Ensino de Química orgânica v) produções inteligentes no ensino de Química vi) Práticas pedagógicas no ensino de Química. 

Lidiane Aparecida de Almeida, PPGEB - Universidade do Estado Rio de Janeiro Departamento de ciência da Natureza Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira/CAp-UERJ Rio de Janeiro/Brasil

Possui graduação em Química pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2006), Mestrado em Ciências, Ciência e Tecnologia de Polímeros pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008) e Doutorado em Ciências, Ciência e Tecnologia de Polímeros pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro com Dedicação Exclusiva com atuação nos seguintes temas: Ensino de Química, Formação de Professores, Pesquisa e Desenvolvimento de Catalisadores e Materiais Polímericos. 

Letícia Quinello Pereira, Senai cetiqt, Rio de Janeiro, Brasil. Seeduc/RJ. Rio de Janeiro/Brasil

Possui graduação em Química pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2007), Mestrado em Ciência e Tecnologia de Polímeros pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010) atuando na síntese de copolímeros utilizando sistemas binários de catalisadores Metalocênicos . Doutorado no mesmo Instituto, concluído em julho de 2014, atuando principalmente nos seguintes temas: polimerização imortal, catalisador suportado na argila para a formação de nanocompósitos, síntese de catalisadores pós Metalocênicos para polimerização de etileno e copolímeros de etileno/norborneno. Atualmente é professora do Senai-Cetiqt e atua em projetos de pesquisa de Iniciação Científica.

Referências

ANDRADE, D. E. J. O lúdico e o sério: experiências com jogos no ensino de história. História & Ensino. 13: 91-106, 2007. http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2007v13n0p91

BARROS, C. A.; JÚNIOR, S.; BIZERRA, A. M. C. Estruturas e nomenclaturas dos hidrocarbonetos: é possível aprender jogando? HOLOS, 6:146-155, 2015. DOI: 10.15628/holos.2015.3616

BRAGA, C. F. et al. Comunicação professor aluno: múltiplas inquietações, múltiplos olhares. Revista Anhanguera. 11 (1): 111-138, 2011.

CARNOY, M.; GOVE, A. K.; MARCHALL, J. H. The reasons of the academic performance differences in Latin America: qualitative data of Brazil, Chile and Cuba. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 84(206/207/208): 7-33, 2003. http://dx.doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.84i206-07-08.886

CHASSOT, A. I. Catalisando transformações na educação. Ijuí: Ed. Unijuí, 1993.

De PAOLI, M. A. Plásticos inteligentes. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola, 2: 9-12, 2001.

De QUADROS, A. L. et al. The knowledge of chemistry in secondary education: difficulties from the teachers' viewpoint. Educación Química, 22(3): 232-239, 2011. Disponível em

<http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0187-893X2011000300008&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 29 de agosto de 2018.

FERREIRA, M.; PINO, J.C. Estratégias para o ensino de química orgânica no nível médio: uma proposta curricular. Acta Scientiae, 11(1): 101-118, 2009.

BENEDETTI FILHO, E. et al. Palavras cruzadas como recurso didático no ensino de teoria atômica. Química Nova na Escola, 31(2): 88-95, 2009.

FRANÇA, L. F. R.; FRANCISCO, W. Avaliação e aceitação de uma proposta de ensino envolvendo jogos com atividades de escrita e reescrita orientada. X ENPEC, 1-8, 2015.

GOMES, M. F. Contrução de uma tabela periódica interativa com recurso de áudio adaptada para o ensino de química a estudantes com deficiência visual. Multi-Science Journal, 1(12): 23-30, 2018.

HUIZINGLA, J. Homo ludens: O jogo como elemento de cultura. São Paulo: Perspectiva, 1980.

KISHIMOTO, T. M. (org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 8 ed, São Paulo: Cortez, 2005.

KRÜGER, V. A construção de um ensino ativo de química a partir do cotidiano de professores de educação básica. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: Programa de Pós-graduação em Educação/UFRGS, 1994.

MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. 4 ed., Unijui: Ijuí, 2001.

MASSI, L.; ABREU, L. N.; QUEIROZ, S. L. Apropriação da linguagem científica por alunos de iniciação científica em Química: considerações a partir da produção de enunciados científicos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 7(3): 704-721, 2008.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2): 191-211, 2003.

OSBORNE, R.; FREYBER, P. El aprendizaje de las ciências: implicaciones de la ciencia de los alumnos. Madrid: Narcea ediciones, 1991.

PELEGRINI, R. T. A Mediação semiótica no desenvolvimento do conhecimento químico. Dissertação (Mestrado). Programa de PósGraduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação, Campinas, SP, 1995.

ROMANO, C. G. et al. Perfil Químico: um Jogo para o Ensino da Tabela Periódica. Revista Virtual de Química, 9(3): 1235-1244, 2017.

ROQUE, N. F.; SILVA, J. L. P. B. A linguagem química e o ensino da química orgânica. Química Nova [online]., 31(4): 921-923, 2008.

SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Metodologia SENAI de educação profissional. / SENAI. Departamento Nacional. – Brasília: SENAI/DN, 2013.

SILVA, J. E. Pistas orgânicas: uma atividade lúdica para o ensino das funções orgânicas. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2013.

SILVA, W. P. et al. Apresentação do software educacional "Vest21 Mecânica". Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo. 24(2): 221-231, 2002.

SOARES, M. A. G.; Da CRUZ, S. M. S.; CRUZ, F. A. D. O. Applets, Apps e Química. CIET: EnPED, 2018.

VIGOTSKI, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. Trad. Paulo Bezerra, São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WENZEL, J. S.; MALDANER, O. A. A prática da escrita e da reescrita orientada no processo de significação conceitual em aulas de química. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte) [online], 18(2): 129-146, 2016.

_____. A significação conceitual pela escrita e reescrita orientada em aulas de química. Química Nova, São Paulo, 37(5): 908-914, 2014.

XAVIER, A. R.; FIALHO, L. M. F.; LIMA, V. F. Tecnologias digitais e o ensino de Química: o uso de softwares livres como ferramentas metodológicas. Foro de Educación, xx(xx), 1-20, 2017. doi: http://dx.doi.org/10.14516/fde.617 2017.

Downloads

Publicado

2019-01-31

Edição

Seção

Produtos Educacionais e Intervenções em Sala de Aula