Os textos de divulgação científica em livros didáticos de Química e suas propostas metodológicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30705/eqpv.v4i2.1944

Resumo

A Divulgação Científica (DC) possui um papel essencial no que se refere à difusão da ciência, por meio de revistas de divulgação da ciência, jornais, internet, entre outros. Os autores de Livros Didáticos de Química (LDQs) têm se apropriado de Textos de Divulgação Científica (TDCs) para complementar sua obra, trazendo assuntos com temáticas contemporâneas. Deste modo, investigamos qual a posição metodológica dos TDCs encontrados nos LDQs aprovados pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2018). Buscamos todos os textos complementares nos LDQs e os caracterizamos como TDCs de acordo com os critérios de Zamboni (2001). Aproximamos a proposta de uso dos TDCs pelos autores a metodologias de ensino como: Problematização, Estudo de Caso, Investigação, Contextualização e Estudo do Texto. Neste estudo apontamos os principais aspectos da utilização destes textos nos livros didáticos e consequentemente na sala de aula.

Biografia do Autor

Beatriz Tilschneider Garcia Rosa, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - unioeste - Campus Toledo.

Licenciada em Química pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Marcia Borin da Cunha, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Professora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste/Brasil).

Referências

ANGERAMI, E. L. S.; ALMEIDA, M. C. P. de. Divulgação do conhecimento científico produzido na enfermagem. Rev. Esc. Enf. USP, São Paulo, 16(2): p. 211-223, 1982. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v16n2/0080-6234-reeusp-16-2-211.pdf. Acesso em: 29 de nov. 2019.

AZAMBUJA, J. Q.; SOUZA, M. L. R. O Estudo de Texto como Técnica de Ensino. In: VEIGA, I. A. (Org.). Técnicas de ensino: Por que não? 21. ed. Campinas, SP: Papirus, p. 49-66. 2011.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. PNLD 2018: química - Guia de livros didáticos - ensino médio. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica, 2017.

CAPECCHI, M. C. V. M. Problematização no ensino de Ciências. In: CARVALHO, A. M. P. (org). Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Ed. Cengage Learning, p. 21-39. 2014.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa — FEUSP, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, set./dez. 2004.

CISCATO, C. A. M; PEREIRA, L. F; CHEMELLO, E.; PROTI, P.B. Química - Ciscato, Pereira, Chemello e Proti: Ensino Médio. São Paulo: Editora Moderna. 2016.

CUNHA, M. B. A percepção de Ciência e Tecnologia dos estudantes de Ensino Médio e a Divulgação Científica. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2009.

______. Divulgação Científica: Diálogos com o Ensino de Ciências. Curitiba: Appris, 2019.

CUNHA. M. V. História da Educação e Retórica: Ethos e Pathos como meios de prova. In: SILVA, M.; VALDEMARIN, V. T. Pesquisa em Educação: Métodos e Modos de Fazer. São Paulo: Ed. Cultura Acadêmica, p. 11-46. 2010.

LIMA. G. S.; GIORDAN, M. A Divulgação Científica Em Sala De Aula: Aportes do Planejamento de Ensino entre Professores de Ciências. In: GIORDAN, M., CUNHA, M. B. (Org.). Divulgação científica na sala de aula: perspectivas e possibilidades. Ijuí: Ed. Unijuí, p. 285-306. 2015.

LISBOA, J. C. F. Obra coletiva. Ser Protagonista: Química. São Paulo: Editora SM. 2016.

MACHADO, A. H.; MORTIMER, E. F. Química: Ensino Médio. São Paulo: Editora Scipione. 2016.

MALDANER, O. A.; ZANON, L. B. Situação de estudo: uma organização do ensino que extrapola a formação disciplinar em ciências. In: MORAES, R.; MANCUSO, R. (Org.). Educação em ciências: produção de currículos e formação de professores. Ijuí: Editora Unijuí, p. 43-64. 2004.

MARANDINO, M. Transposição ou recontextualização? Sobre a produção de saberes na educação em museus de ciências. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 26, p. 95-108, 2004.

MARTINS, I.; DAMASCENO, A. R. Uma análise das incorporações de textos de divulgação científica em livros didáticos de ciências. In: VIII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física – SP, São Paulo: Atas do VIII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. São Paulo: SBF. 2002. Disponível em <http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/viii/PDFs/CO18_1.pdf>. Acesso em: 30 out. 2019.

MOL, G. S. O Livro Didático Como Possibilidade de Mediação de Inovações na Sala de Aula. In. ______. Ensino de Química Visões e Reflexões. 2. ed. Ijuí: Ed. Uniiuí, p. 27-51. 2012.

MOTTA-ROTH, D. Sistemas de gêneros e recontextualização na mídia eletrônica. Revista Gragoatá, n. 28, p. 153-174. 2010.

NOVAIS, V.L.D. de; TISSONI, M. Vivá: Química - Ensino Médio. Curitiba: Editora Positivo. 2016.

REIS, M. Química: Ensino Médio. São Paulo: Editora Ática. 2016.

SÁ, L. P; QUEIROZ, S. L. Estudo de casos no ensino de química. Editora Átomo. Campinas, 2010.

SANTOS, W. L. P; MORTIMER, E.F; Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Rev. Ensaio. Belo Horizonte. v.02, n.02, p.110-132,jul-dez. 2000.

SANTOS, W.; MÓL, G. Obra Coletiva. Química Cidadã: Ensino Médio. São Paulo. Editora AJS. 2016.

WARTHA, E. J.; SILVA, E. L. da.; BEJARANO, N. R. R. Cotidiano e Contextualização no Ensino de Química. Revista Química Nova. V. 35, n. 2, p. 84-91. mar. 2013.

ZAMBONI, L. M. S. Cientistas, jornalistas e a divulgação científica: subjetividade heterogeneidade no discurso de divulgação científica. Campinas: Autores Associados. 2001.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Pesquisa en Punto de Vista