Articulação entre a pedagogia freireana e o enfoque CTSA: análise de uma experiência de formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30705/eqpv.v4i2.2549

Resumo

Este artigo analisa possíveis aproximações entre a perspectiva freireana de educação e o enfoque Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente (CTSA), no contexto de uma intervenção didática elaborada, aplicada e avaliada por duas licenciandas de química, a partir do tema: os impactos socioambientais associados ao descarte da escória pela Companhia Siderúrgica Nacional. Para tanto, foram adotadas metodologias qualitativas de investigação, sendo os dados constituídos por entrevistas, plano de aula, notas de observação e registro em áudio da aula ministrada. A interpretação dos dados, a partir de articulações entre o enfoque CTSA e as reflexões de Paulo Freire acerca dos saberes necessários à prática educativa apontam a importância de criar condições para que o licenciando reflita sobre suas concepções de ensino e aprendizagem, de modo a promover um ensino de ciências voltado para formação de cidadãos críticos e transformadores da ordem social, econômica e política que nos oprime.

Biografia do Autor

Aroldo Nascimento Silva, Universidade Federal Fluminense

Licenciado em Química, Mestre em Ensino de Ciências e  Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor e pesquisador na área de Ensino de Química.

Referências

ACEVEDO DÍAZ, J. A. La formación del profesorado de enseñanza secundaria y la educación CTS: una cuestión problemática. Revista Interuniversitaria de Formación del Profesorado, n. 26, p. 131–144, 1996.

AIKENHEAD, G. What is STS science teaching? In: SOLOMON, J., AIKENHEAD, G. STS education: international perspectives on reform. New York: Teachers College Press, p. 47-59, 1994.

AIKENHEAD, G. Educación ciencia-tecnología-sociedad (CTS): una buena idea como quiera que se le llame. Educación Química, v. 16, n. 2, p. 114-124, 2005.

ANDRADE, F. C. S.; MASSENA, E. P. Narrativas autobiográficas de licenciandos(as) em Química: motivações e o curso de licenciatura. Educação Química en Punto de Vista, v. 3, n. 2, p. 1-21, 2019.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 2, p. 122–134, 2001.

BOUZON, J. D. et al. O ensino de química no ensino CTS brasileiro: uma revisão bibliográfica de publicações em periódicos. Revista Química Nova na Escola, v. 40, n. 3, p. 214-225, 2018.

CARVALHO, A. M. P. DE; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. Em: Carvalho, A. M. P. (Org.) Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. (p. 1-20)

ECHEVERRÍA, A. R.; ZANON, L. B. (Org.). Formação superior em química no Brasil. 2. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2016.

FONTES, Â. M. M.; LAMARÃO, S. T. N. DE. Volta Redonda: história de uma cidade ou de uma usina? Revista Rio de Janeiro, n. 18-19, jan.-dez. 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

GEPEQ. Interações e transformações I: elaborando conceitos sobre transformações químicas. 9. ed. São Paulo: Edusp, 2005.

G1 SUL DO RIO E COSTA VERDE. Pó preto que sai da CSN é atraído por imã e preocupa moradores de Volta Redonda, RJ. G1, 12 jul. 2018. Disponível em: <https://g1.globo.com/rj/sul-do-rio-costa-verde/noticia/po-preto-que-sai-da-csn-e-atraido-por-ima-e-preocupa-moradores-de-volta-redonda-rj.ghtml>. Acesso em: 25 jun. 2020.

LACERDA, N. O. S.; STRIEDER, R. B. Contribuições da educação CTS para o desenvolvimento da autonomia docente. In: XIIENPEC – ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, Natal 2019. Anais... Abrapec: Natal-RN, 2019. (p. 1-7). Disponível em: <http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/lista_area_08_1.htm>. Acesso em: 05 fev. 2020.

LEITE LOPES, J. S. (coord.) A ambientalização dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Relumbe Dumará: Núcleo de Antropologia da Política-UFRJ, 2004.

LIMA, V. F.; MERÇON, F. Metais pesados no ensino de química. Revista Química Nova na Escola, v. 33, n. 4, p. 199-205, 2011.

LUZ, R.; QUEIROZ, M. B. A.; PRUDÊNCIO, C. A. V. CTS ou CTSA: o que (não) dizem as pesquisas sobre educação ambiental e meio ambiente? Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 12, n. 1, p. 31-54, 2019.

MAGALHÃES, C. H.; SÁ RODRIGUES, M. DE. Volta Redonda pós-privatização da Cia. Siderúrgica Nacional: a crise de uma cidade monoindustrial em busca de uma nova identidade econômica. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 11, n. 2, p. 359-378, 2015.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química: professores/pesquisadores. Unijuí: Ijuí, 2006.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. MPF Inquéritos Civis Públicos n. 08120.001452/97-04 e 1.30.010.000159/2000-29, 27 jul. 2018. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/rj/sala-de-imprensa/docs/pr-rj/acp-patio-de-escoria-csn-e-harsco-1>. Acesso em: 31 jul. 2020.

MORI, L.; CUNHA, M. B. DA. Problematização: possibilidades para o ensino de química. Revista Química Nova na Escola, v. 42, n. 2, p. 176-185, 2020.

MORTIMER, E.F., MACHADO, A. H., ROMANELLI, L. I. A proposta curricular de química do estado de Minas Gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova, v. 23, n 2, p. 273-283, 2000.

PEDRETTI, E.; NAZIR, J. Currents in STSE education: mapping a complex Field, 40years on. Science Education, v. 95, n. 3, p. 601-626, 2011.

PINHEIRO, L. F. M. A. A construção de um problema social: o caso do “pó preto” e seu debate nas audiências públicas de licenciamento ambiental em Vitória-ES. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) — Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo.

RJTV. Comissão visita montanha de escória formada por resíduos da CSN em Volta Redonda. G1, 03 Jul. 2018. Disponível em: <https://g1.globo.com/rj/sul-do-rio-costa-verde/noticia/comissao-visita-montanha-de-escoria-formada-por-residuos-da-csn-em-volta-redonda.ghtml>. Acesso em: 25 jun. 2020.

ROCHA, J. C.; ROSA, A. H.; CARDOSO, A. A. Introdução à química ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

RODRIGUEZ, A. S. M.; DEL PINO, J. C. Enfoque ciência, tecnologia e sociedade (CTS) na reconstrução da identidade profissional docente. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, n. 2, p. 90-119, 2019.

ROSENTHAL, D. B. Two approaches to science – technology – society (STS) education. Science Education, v. 73, n. 5, p. 581-589, 1989.

SANTOS, W. L. P. DOS; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência - Tecnologia - Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 2, n. 2, p. 1–23, 2002.

SANTOS, W. L. P. DOS. Educação científica humanística em uma perspectiva freireana: resgatando a função do ensino de CTS. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v.1, n.1, p. 109-131, mar. 2008

SANTOS, W. L. P. DOS; SCHNETZLER, R. P. Educação em química: compromisso com a cidadania. 4. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

SCHNETZLER, R. P.; ANTUNES-SOUZA, T. Proposições didáticas para o formador químico: a importância do triplete químico, da linguagem e da experimentação investigativa na formação docente em química. Química Nova, v. 42, n. 8, p. 947-954, 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Pesquisa en Punto de Vista