Passeio Noturno e Bacurau: modos de representar a violência latino-americana

Autores

  • Murilo Eduardo dos Reis UNESP/CAPES

Palavras-chave:

Literatura, Cinema, Narrativa, Violência

Resumo

Por ser algo inerente ao cotidiano da América Latina, a violência acaba tornando-se matéria-prima amplamente utilizada pelos artistas dela oriundos. Tendo esse aspecto em vista, o presente artigo tem como tema a representação da violência em duas narrativas ambientadas no Brasil: um conto escrito por Rubem Fonseca e um filme dirigido por Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. O objetivo é examinar, em uma passagem de cada título, de que maneira os autores elaboram situações de brutalidade em suas respectivas obras, considerando diferenças e semelhanças entre as formas literária e cinematográfica. O corpus é composto pela narrativa breve "Passeio noturno", que faz parte da coletânea Feliz ano novo, de 1976, e pelo longa-metragem Bacurau, de 2019. Dessa maneira, o percurso metodológico se vale da apropriação seletiva de ensaios sobre aspectos narrativos, tanto na literatura quanto no cinema, e a respeito da violência. Assim, tomamos como apoio teórico textos críticos e analíticos de estudiosos como Castor Bartolomé Ruiz (2014), Marilena Chaui (2015), Gérard Genette (2017), Antonio Candido (2011), Stephen Prince (2003) e Ismail Xavier (2019). Ao final, espera-se demonstrar como a utilização de determinados recursos expressivos singulariza situações que, inseridas no cotidiano, perderiam seu impacto, além de serem obras que representam a continuidade de uma brutalidade historicamente ligada à América Latina.

Referências

ADORNO, Theodor. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: ADORNO, Theodor. Notas de literatura I. Trad. Jorge Almeida. São Paulo: Editora 34, 2003. p. 55-63.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BELINCHÓN, Gregorio. Kleber Mendonça Filho: “Os Estados Unidos tiveram sorte com Trump em comparação a Bolsonaro”. Disponível em: < https://brasil.elpais.com/babelia/2020-05-16/kleber-mendonca-filho-os-estados-unidos-tiveram-sorte-com-trump-em-comparacao-a-bolsonaro.html>. Acesso em: 26 jul. 2021.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 179-212.

BENSON, Michael. 2001: uma odisseia no espaço – Stanley Kubrick, Arthur C. Clarke e a criação de uma obra-prima. Trad. Álvaro Hattnher e Cláudio Carina. São Paulo: Todavia, 2018.

BOSI, Alfredo. Situações e formas do conto brasileiro contemporâneo. In: BOSI, Alfredo. (Org.) O conto brasileiro contemporâneo. São Paulo: Cultrix, 2006. p. 7-21.

BRACHER, Beatriz. Notas para a mesa com Marcos Strecker: “Cinema e deslocamentos”. Suplemento literário de Minas Gerais, p. 34-37, jul.-ago./2012.

CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011. p. 241-260.

CAPOTE, Truman. A sangue frio. Trad. Sergio Flaksman. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHAUI, Marilena. O mito da não violência brasileira. In: CHAUI, Marilena. Sobre a violência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

CHKLÓVSKI, Victor. A arte com procedimento. In: TODOROV, Tzvetan. (Org.) Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. Trad. Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Editora Unesp, 2013. p. 83-108.

CIMENT, Michel. Conversas com Kubrick. Trad. Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

CORTÁZAR, Julio. Alguns aspectos do conto. In: CORTÁZAR, Julio. Valise de cronópio. Trad. Davi Arrigucci Jr e João Alexandre Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 147-164.

CORTÁZAR, Julio. Apocalipse de Solentiname. In: CORTÁZAR, Julio. Todos os contos: volume 2. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Companhia das Letras, 2021. p. 148-153.

FONSECA, Rubem. Passeio noturno. In: FONSECA, Rubem. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 396-397.

GENETTE, Gérard. Figuras III. Trad. Ana Alencar. São Paulo: Estação Liberdade, 2017.

GINZBURG, Jaime. Literatura, violência e melancolia. Campinas: Autores associados, 2012.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss de língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MANSO, Bruno Paes. A república das milícias: dos esquadrões da morte à era Bolsonaro. São Paulo: Todavia, 2020.

MENDONÇA FILHO, Kleber; DORNELLES, Juliano. Bacurau. 2019.

PELLEGRINI, Tânia. A imagem e a letra: aspectos da ficção brasileira contemporânea. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp.

PRINCE, Stephen. The Poetics of Screen Violence. In: PRINCE, Stephen. Classical Film Violence: Designing and Regulating Brutality in Hollywood Cinema, 1930-1968. New Brunswick/New Jersey/London: Rutgers University Press, 2003. p. 205-251.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1994. v. 1.

RODRIGUES, Sérgio. Rubem Fonseca parece encher nova obra com esboços tirados do lixo. Folha de S. Paulo. São Paulo, 08 abr. 2017. Folha Ilustrada, p. 5.

RUIZ, Castor Bartolomé. A potência da ação. Uma crítica ao naturalismo da violência. Kriterion, nº 129, p. 41-60, jun./2014.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Cena do crime: violência e realismo no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2013.

XAVIER, Ismail. O realismo da “Visão de mundo”. In: XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. Rio de Janeiro/São Paulo: 2019. p. 52-56.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Eduardo dos Reis, M. (2022). Passeio Noturno e Bacurau: modos de representar a violência latino-americana. Frontería evista o rograma e Pós-Graduação m iteratura omparada, 2(3), 78–96. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/litcomparada/article/view/2934

Edição

Seção

Formas e efeitos da violência na literatura e no cinema latino-americano