Formas labirínticas tecidas pelo fio de Ariadne

Autores

  • Danielle Ferreira Costa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Palavras-chave:

Literatura hispano-americana, Ditadura argentina, Memória; Identidade

Resumo

Esta análise crítica pretende dar visibilidade à narrativas engajadas politicamente em dar voz aos que acabaram por se afogarem no vórtice de violência provocado por um Estado autoritário: a ditadura civil-militar que se apoderou da República Argentina a partir de 24 de março de 1976. Nesse perspectiva, ganha destaque no corpus deste estudo: as narrativas A casa de Adela e A Hospedaria, ambas pertencentes ao livro Las cosas que perdimos en el fuego (2016), de Mariana Enriquez. Tais narrativas assemelham-se por assumirem um mesmo papel político de impedir que as tensões do presente, fruto desse passado traumático, dissolvam-se na banalidade da violência contemporânea. Portanto, serão abordadas por meio de uma reflexão crítica e apurada, na qual memória, corpo e linguagem se atravessam no tempo presente, revelando novas partículas que carregam a mesma intenção de produzir kátharsis da memória latino-americana dos “anos de chumbo”, tida como um dos nervos da identidade latina, discutida como um problema político latente que ainda pode ser (re)vivido. Para tanto, serão utilizadas as categorias do pensamento como de trauma, de Aleida Assmann, Paisagem, de Michel Collot, Memória, de Paul Ricoeur, de Lembrança, de Beatriz Sarlo, de Identidade em Política, de Walter Mignolo. 

Referências

¿Quién Soy Yo? Los Niños Encontrados de Argentina. Direção: Estela Bravo. Produção de Ernesto Bravo, Susan Sillins. EUA/Argentina: Bravo Films, 2007.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Max Welcman. 1a ed. eBook. Editora Hedra Ltda., 2017.

BEGHINI, M. (30 de Março de 2010). A Literatura de Terror e a Comunicação. Disponível em the boy with the blues: http://theboywith- theblues.blogspot.com/2010/03/literatura-de- terror-e-comunicacao.html. Acesso em 22 de março de 2021.

CARLOTTO, Estela Barnes de. 2008. “Epílogo”. In: Abuelas de Plaza de Mayo, Las Abuelas y la Genética: El Aporte de la Ciencia en la Búsqueda de Los chicos desaparecidos. Buenos Aires: Abuelas de Plaza de Mayo. pp. 19-131.

COLLOT, Michel. Poética e Filosofia da Paisagem. Tradução de Ida Alves [et al.]. Rio de Janeiro: Editora Oficina Raquel, 2013.

COMISIÓN NACIONAL SOBRE LA DESAPARICIÓN DE PERSONAS. Nunca más. 14 ed. Buenos Aires: EUDEBA, 1986. 492p.

ENRIQUEZ, Mariana. Las cosas que perdimos en el fuego. Barcelona: Anagrama, 2016. E- Book.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Tradução de Ângela Lopes Norte. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, nº 34, p. 287-324, 2008.

rancière, Jacques. O inconsciente estético. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: Editora 34, 2009.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François [et al.]. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

SANJURJO, Liliana. La Sangre no Miente: Memória, identidade e verdade na Argentina pós- ditatorial. Revista de Antropologia da UFSCar, v.5, n.2, jul.-dez., p.200-224, 2013. Disponível em http://www.rau.ufscar.br/wp- content/uploads/2015/05 vol5no2_14.lilianaSanjurjo.pdf. Acesso em 15/09/2020.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução de Rosa Freire d ’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Ferreira Costa, D. (2022). Formas labirínticas tecidas pelo fio de Ariadne. Frontería evista o rograma e Pós-Graduação m iteratura omparada, 2(3), 56–77. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/litcomparada/article/view/2950

Edição

Seção

Formas e efeitos da violência na literatura e no cinema latino-americano