Resenha: A identidade literária de Harriet Beecher Stowe através da leitura de A cabana do pai Tomás

Autores

  • Isabel Mendes Gonçalves Governo do Estado do Amapá

Palavras-chave:

Identidade literária, Literatura americana, Negritude

Resumo

Esta resenha propõe-se a discutir a identidade literária da escritora americana Harriet Beecher Stowe em seu livro de maior sucesso A Cabana do Pai Tomás, utilizando-se, para isso, das análises feitas sobre identidade de Ricouer, Ortis e Munanga. Levando-se em consideração critérios como a época de publicação e a ideologia abolicionista declarada pela autora e sua família, levantou-se trechos com expressões que abordam o preconceito para com o negro, e com isso demonstrou-se o estereótipo do mesmo como sendo apenas uma mercadoria, além de descrever toda a segregação racial passada pelos escravos no final do século XIX nos Estados Unidos. Foram destacados também fragmentos que expunham a imagem da sociedade daquela época, que via a necessidade de reformas baseadas na expansão do protestantismo. A autora também descreveu diversos relatos de narrativas de escravos fugitivos. O que ela propunha era, não somente, relatar as dificuldades enfrentadas pelos escravos, mas também denunciar as atrocidades passadas pelos negros em seu país, país esse, que se dizia cristão e um lugar de liberdade. O que se observou foi uma relação entre a identidade da autora e a composição desse romance, uma vez que ao idealizar Tomás, Stowe o identifica não com o um herói, mas sim, como um mártir.

Referências

FERRETI, D. J. Z. A publicação de "A cabana do Pai Tomás" no Brasil escravista. O "momento europeu" da edição Rey e Belhatte (1853). Varia hist. 33 (61) • Jan-Apr 2017.

ORTIS, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2012.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

LEVY, David. A identidade Narrativa: conhecer o si é narrar sua história. Mente, Cérebro e Filosofia: fundamentos para a compreensão contemporânea da psiquê. 11. ed. São Paulo: Duetto, 2008.

BRAGA, M. D. C. Mulheres de papel, Espaço feminino e abolicionismo no romance A Cabana do Pai Tomás. Aedos nº14, v.6, Jan./Jul. 2014.

SALVAIA, P. Diálogos entre americanos: Harriet Beecher Stowe, Joaquim Nabuco e Machado de Assis no jornal O Novo Mundo (1870-1875). Olho d’água, São José do Rio Preto, 10(1): p. 1–259, Jan.–Jun./2018.

SOUSA, T. P.; AMORIM, L. M. As relações entre tradução e adaptação e as variações da identidade negra em a cabana do pai Tomás, de Harriet Beecher Stowe. Trab. Ling. Aplic., Campinas, n(54.3): 545-568, out./dez. 2015.

SOUSA, T. P. Tradução, adaptação e representação da identidade negra em reescritas de Uncle Tom’s Cabin, de Harriet Beecher Stowe. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas. São José do Rio Preto, 2017.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Mendes Gonçalves, I. (2022). Resenha: A identidade literária de Harriet Beecher Stowe através da leitura de A cabana do pai Tomás. Frontería evista o rograma e Pós-Graduação m iteratura omparada, 2(3), 139–145. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/litcomparada/article/view/3064