Ressignificação dos estágios curriculares supervisionados por meio da implementação de Unidades Didáticas Multiestratégicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30705/eqpv.v5i1.2530

Resumo

Este trabalho descreve e discute as potencialidades de uma trajetória educacional para professores de química denominada de "Implementação de Unidades Didáticas Multiestratégicas (UDM)". As funções e as características dos diferentes tipos de Estágio Curricular Supervisionado são problematizadas e novas possibilidades são apresentadas ressignificando e reposicionando o planejamento na perspectiva do educar pela pesquisa. Uma UDM é um modelo de planejamento que abrange a integração, de modo organizado e sequenciado, de um conjunto de estratégias didáticas e de avaliação de acordo com objetivos de aprendizado previamente definidos e delimitados a partir de uma abordagem metodológica. A UDM é implementada em três etapas: planejamento; intervenção prática; e replanejamento. Essas três etapas resultam em um percurso formativo complexo e multifacetado que contribui para uma formação inicial mais qualificada no que se refere a uma atuação competente e embasada teórica e metodologicamente, à produção de saberes docente e ao desenvolvimento do conhecimento prático-profissional

Biografia do Autor

Amadeu Moura Bego, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Doutor em Educação para a Ciência pela Faculdade de Ciências (2013) da UNESP, Câmpus de Bauru, SP. Tem pós-doutorado em Educação pela Faculdade de Educação da USP de São Paulo (2017). Atualmente é Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de Química Geral e Inorgânica e professor do Programa de Pós-Graduação em Química do Instituto de Química da Unesp, Câmpus Araraquara, SP. É coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Química em Rede (PROFQUI-Araraquara). 

Francisco Otávio Cintra Ferrarini, Instituto Federal de São Paulo - IFSP - Campus Matão

Licenciado em Química (2005); mestre em Química Inorgânica (2012); e, doutor (2020) pelo Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Câmpus de Araraquara, SP. Atualmente é professor de ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de São Paulo - IFSP - Campus Matão

Vagner Antonio Moralles, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Licenciado em Química (2014) e mestre em Química Inorgânica (2017) pelo Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Câmpus de Araraquara, SP. Atualmente é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Química do Instituto de Química da Unesp, Câmpus Araraquara, SP.

Referências

ASSAI, N. D. S.; BROIETTI, F. C. D.; ARRUDA, S. M. O estágio supervisionado na formação inicial de professores: estado da arte das pesquisas nacionais da área de ensino de ciências. Educação em revista, v. 34, p. 1-44. 2018.

BABOUR, R. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BASTOS, F.; NARDI, R.; DINIZ, R. E. S.; CALDEIRA, A. M. A. Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca dos processos de ensino e aprendizagem de Ciências: revistando os debates sobre Construtivismo. In: _____. (org.). Pesquisas em ensino de ciências: contribuições para a formação de professores. São Paulo: Escrituras, 2004, p. 9-55.

Autor 1. 2016a.

Autor 1. 2016b.

Autor 1, 2017a.

Autor 3, 2017b.

BEGO, A. M.; ALVES, M.; GIORDAN, M. O planejamento de sequências didáticas de química fundamentadas no Modelo Topológico de Ensino: potencialidades do Processo EAR (Elaboração, Aplicação e Reelaboração) para a formação inicial de professores. Ciência & Educação, v. 25, n. 3, p. 625-645, 2019.

BEGO A. M.; OLIVEIRA R. C.; CORRÊA R. G. O papel da Prática como Componente Curricular. Química Nova na Escola, v. 39, n. 3, p. 250-260, ago. 2017.

BEGO, A. M.; TERRAZZAN, E. A. Características das apostilas de ciências da natureza produzidas por um Sistema Apostilado de Ensino e utilizadas em uma Rede Escolar Pública Municipal. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências (Online), v. 17, p. 59-83, 2015.

BRAGA, J. Estágio supervisionado no programa de formação de professores: tensões e reflexões. Relato de Experiência, v. 9, n.1, p.251-261, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 28/2001, de 02 de outubro de 2001. Brasília, 2001a.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 9/2001, de 08 de maio de 2001. Brasília, 2001b.

CARVALHO, A. M. P. Os Estágios nos Cursos de Licenciatura. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

FAZENDA, I. C. A. O papel do estágio nos cursos de formação de professores. In: PICONEZ, S. C. B. (Org.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. 24. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012. p. 47-55.

Autor 2. 2020.

Autor 2 & 1. 2019.

FERREIRA, L. H.; KASSEBOEHMER, A. C. Formação Inicial de Professores de Química: a instituição formadora (re)pensando sua formação social. Pedro & João Editores: São Carlos. 2012.

GALIAZZI, M. C. Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de Ciências. Ijuí: Unijuí, 2003.

GARCEZ, E. S. C. et al. O estágio supervisionado em Química: possibilidade de vivência e responsabilidade com o exercício da docência. Alexandria, v. 5, n. 3, p. 149-163, 2012.

LABURU, C. E.; ARRUDA, S. M.; NARDI, R. Pluralismo metodológico no ensino de ciências. Ciência e Educação, v. 9, n. 2, p. 247-260, 2003.

LIMA, M. S. L. et al. A hora da prática: reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. 4 ed. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2004.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de Química: professores/pesquisadores. 2. ed., Ijuí: Unijuí, 2003. (Coleção Educação em Química).

MIRANDA, P. R. M.; MENEGUETTI, D. U. O.; KALHIL, J. B. Estágio curricular supervisionado e o ensino de ciências: formação inicial em questão. South American, v. 4, n. 1, p. 141-149, 2017.

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Educação (UFSM), Santa Maria, p. 33-50, out. 2011.

MONTERO, L. A construção do conhecimento profissional docente. Trad. Armando P. Silva. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H. Química. 2. ed. SãoPaulo: Scipione, 2013. v.1.

NETO, A. J. C; BOZZINI, I. C. T.; FURLAN, E. G. M. O estágio de regência na aprendizagem da docência em química e em biologia. Laplage em Revista, v.2, n. 2, p. 42-50, 2016.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. Estágio e docência. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, v. 3, n. 3-4, p. 5-24, 2005.

PORLÁN, R.; MARTÍN, J. El diário del profesor: um recurso para la investigación em aula. 7. ed. Sevilha: Díada, 1999. v. 57-78, p. 18-42.

PORLÁN, R. et al. El Cambio del Profesorado de Ciencias I: marco teórico y formativo. Enseñanza de las ciencias. v. 28, n. 1, p. 31-46, 2010.

PORLÁN, R.; RIVERO, A. El conocimiento de los profesores. Sevilla: Diada, 1998.

PORLÁN, R.; RIVERO, A.; POZO. R. M. Conocimiento Profesional, y Epistemología de los Profesores I: Teoría, Métodos e Instrumentos. Enseñanza de las ciências. v.15, n. 2, p. 155-171, jun. 1997.

PORLÁN, R.; RIVERO, A.; POZO. R. M. Conocimiento Profesional, y Epistemología de los Profesores II: Estudios Empíricos e Conclusiones. Enseñanza de las ciencias. v.16, n. 2, p. 271-288, 1998.

PREDEBON, F.; DEL PINO J. C. Uma análise evolutiva de modelos didáticos associados às concepções didáticas de futuros professores de química envolvidos em um processo de intervenção formativa. Investigações em Ensino de Ciências. v. 14, n. 2, p. 237-254, 2009.

RODRIGO, M. J. Do cenário sociocultural ao construtivismo episódico: uma viagem ao conhecimento escolar mediante as teorias implícitas. In: RODRIGO, M. J.; ARNAY, J. (Org.). Conhecimento cotidiano, escolar e científico: representação e mudança. São Paulo: Ática, 1998. p. 219-238.

SANCHEZ, G.; VALCÁRCEL, M. V. P. Diseño de unidades didácticas en el área de ciencias experimentales. Enseñanza de las Ciencias, v. 11, n. 1, p. 33-44, 1993.

SANMARTÍ, N. Didáctica de las ciencias em la educación secundaria obligatoria. Madrid: Editorial Síntesis, 2009.

SCHWARTZ, M. A. M.; BAPTISTA, N. M. G.; CASTELEINS, V. L. A contribuição do Estágio Supervisionado no desenvolvimento de aptidões e formação de competências. Diálogo Educacional, v. 2, n.4, p.105-111, 2001.

SILVA, R. M. G.; SCHNETZLER, R. P. Concepções e ações de formadores de professores de Química sobre o estágio supervisionado: propostas brasileiras e portuguesas. Revista Química Nova, v. 31, n. 8, 2008.

ZABALZA, M. A. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Edição

Seção

Dossiê: Estágio Supervisionado na Licenciatura em Química - diferentes olhares