Prancha temática como ferramenta de inclusão: ensinando a tabela periódica à alunos com deficiência intelectual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30705/eqpv.v4i2.2545

Resumo

A compreensão dos conceitos científicos de química são um desafio para os alunos do ensino médio, principalmente para os alunos com deficiência intelectual. Reconhece-se, portanto, a necessidade de desenvolver novas metodologias que se adequem as especificidades desse grupo. A presente pesquisa teve como objetivo confeccionar uma prancha temática para auxiliar alunos com deficiência intelectual no ensino/aprendizagem da tabela periódica. Para tanto, utilizou-se o software picto4me na escolha e disposição das figuras da prancha temática. O conteúdo de tabela periódica foi trabalhado observando-se a sequência cronológica dos livros didáticos. Depois de construída, a prancha temática foi utilizada por um aluno com deficiência intelectual e o seu nível de aprendizagem foi verificado através do aumento do número de acertos das questões dispostas em um exercício específico. Os resultados obtidos evidenciam a validade da prancha temática, pois além de auxiliar no aprendizado, gerou novos questionamentos no estudante, caminho para evocar pensamentos mais elaborados.

Biografia do Autor

Cecília Elisa de Sousa Muniz, Universidade Estadual da Paraíba

Mestra em Engenharia Química pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG/Brasil).

Diana Sampaio Braga, Universidade Estadual da Paraíba-Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal da Paraíba. Professora da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB/Brasil).

Gilberlândio Nunes da Silva, Universidade Estadual da Paraíba-Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Mestre em Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professor da Universidade Estadual da Paraíba.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM -5. (2014). Porto Alegre: Artmed. 5° ed., Porto Alegre: Artmed, 2014.

ANACHE, A. A., RESENDE, D. A. R. Caracterização da avaliação da aprendizagem nas salas de recursos multifuncionais para alunos com deficiência intelectual. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 66, p. 569-591, jul./set. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v21n66/1413-2478-rbedu-21-66-0569.pdf>. Acessado 10/abril/2020.

ARAÚJO, S. L. S.; ALMEIDA, M. A. Contribuições da consultoria colaborativa para inclusão de pessoas com deficiência intelectual. Revista Educação Especial, v. 27, n. 49 p. 341-351, mai./ago. 2014. Disponível em:<https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/8639/pdf>. Acessado em 10/abril/2020.

ALENCAR, G. A. R., ZAPOROSZENKO, A. Comunicação alternativa e paralisia cerebral: Recursos didáticos e de expressão. Caderno pedagógico: educação especial. Universidade Estadual de Maringá. p.22, 2008. Disponível em:< http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/md_ana_zaporoszenko.pdf >. Acessado em 27/abril/2020.

AIDD- Association on Intellectual and Develpmental Disabilities. Definition of Intellectual Disability. 2010. Disponível em: <http://www.aamr.org/content_100.cfm?navID=21>. Acessado em 10/abril/2020.

BRASIL. Ministério da educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008, p.15.

BRASIL. Ministério da educação. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Secretária de educação especial. 2001, p. 79.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

_______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

CAMARGO, E. P.; NARDI, R. Planejamento de atividades de ensino de física para alunos com deficiência visual: dificuldades e alternativas. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 6, n. 2, p. 378-401, 2007.

CROCETTI, L. D. W., NASCIMENTO, L. M. Comunicação Alternativa Ampliada (CAA) para Alunos com Deficiência Intelectual: como tema da formação do professor de Educação Infantil. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_ufpr_edespecial_artigo_lilian_daisy_weber_crocetti.pdf> Acesso em: 09 ago. 2018.

DIAS, A. C. L., SOUZA, G. F. R., CRUZ, F. A. O. Comunicação alternativa no ensino de física: uma proposta de abordagem de eletricidade. Revista Electrónica de Investigación En Educación En Ciencias. n. 1, p. 15-23, 2018. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/327671033_Comunicacao_alternativa_no_ensino_de_fisica_uma_proposta_de_abordagem_de_eletricidade>. Acesado em 20/abril/2020.

GLAT, R; FERNANDES E M. Da educação segregada à educação inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da educação especial brasileira. Revista Inclusão, n. 1, 2005. Disponível em: < http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/Da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Segregada%20%C3%A0%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Inclusiva.pdf>. Acessado em: 10/abril/2020.

HONORA, M.; FRIZANCO, M. Esclarecendo as deficiências: aspectos teóricos e práticos para contribuir com uma sociedade inclusiva. 1° Ed. São Paulo: Ciranda Cultural Editora e Distribuidora, 2008.

JOHNSON. R.M. The picture communication symbols guide. Editora Mayer-Johnson, 1998.

MENDONÇA, A. A. S. (2015). Educação especial e educação inclusiva: dicotomia de ensino dentro de um mesmo processo educativo. In: VIII Encontro de pesquisa em educação. III Congresso internacional trabalho docente e processos educativos, 2015.

MELETTI, S. M. F.; BUENO, J. A escolarização de alunos com deficiência intelectual: análise dos indicadores nacionais brasileiros. Políticas públicas, escolarização de alunos com deficiência e pesquisa educacional, 1° Ed. São Paulo: JUNQUEIRA & MARIN 2013.

MIRANDA, A. D., PINHEIRO, N. A. M. O ensino da Matemática ao deficiente intelectual: projetos de trabalho em uma perspectiva contextualizada e interdisciplinar. Revista Educação Especial, v. 29, n. 56, p. 695-708, 2016. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=313148347016. Acessado em: 10/Abril/2020.

SAMPAIO, L. F. Educação Inclusiva: Uma proposta de ação na Licenciatura em Química. 2017. 127 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências). Universidade de Brasília, 2017.

SILVA, F. R. P. Comunicação suplementar e alternativa no atendimento educacional especializado de uma aluna com deficiência múltipla. 2013. 85 f. Trabalho de Conclusão de Curso, (Pedagogia), Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, 2013.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Puntos de Vista