Nas bordas da autoria: a escrita errática dos cadernos de Maricota (1850 – 1937)

Autores

  • Mariana Mendes USP

Palavras-chave:

Escrita feminina, História das mulheres , Memória, Narrativas

Resumo

O presente artigo analisa a escritura de Maria da Glória Quartim de Moraes (1850 – 1937) formada pelo corpus (cinco cadernos, uma agenda e mais quinze folhas soltas) preservado no Fundo Valdomiro Silveira, no Instituto de Estudos Brasileiros (IEB – USP), pela lente da dupla invisibilidade a que foram relegadas as memórias produzidas por brasileiras nascidas no século XIX. Os textos heterogêneos (relatos, entradas de diário, receitas culinárias, anotação de despesas e máximas) são marcados por dois eixos: a vida conjugal e os assuntos políticos. Por trás da escritura errática de Maricota, como era chamada por familiares e amigos, se revela uma mulher que muito escreveu e que, apesar do seu discurso conservador, desenvolveu uma voz autoral criando no papel um espaço para manifestar suas opiniões em um contexto hostil. O duplo silenciamento pode ser compreendido no engendramento de dois fatores: excluídas do processo formativo da literatura brasileira (SCHMIDT, 2019, p. 65) e rebaixadas como sujeito histórico, político e cultural, mulheres da classe dominante elegem as memórias como gênero textual possível. Sendo as memórias consideradas “escrita mediana, ao alcance de qualquer um, sem valor” (LEJEUNE, 2004, p. 8), a autoria desses textos não se realiza, pois, como observa Foucault, o estatuto de autor se legitima conforme a sociedade e o contexto cultural de uma época. 

 

Referências

BARTHES, Roland. Aula. Tradução e posfácio de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1996.

CIXOUS, Hélène. O riso da medusa. Tradução de Natália Guerellus e Raísa França Bastos. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2022.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Revista de Estudos Avançados, 17, 2003.

FOUCAULT, Michel. “A escrita de si.” In: O que é um autor? Tradução de António Fernando Cascais. Lisboa: Passagens. 1992, pp. 129-160.

LEJEUNE, Philippe. “Avant-propos”. In: Le journal intime: genre littéraire et écriture ordinaire. Paris: Téraèdre, 2004.

MALUF, Marina; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. História da vida privada no Brasil, v. 3. Organização: Nicolau Sevcenko. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MONTEIRO, John Manuel. Caçando com gato: Raça, Mestiçagem e Identidade Paulista Na Obra de Alfredo Ellis Jr. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 38, p. 79-88, 1994.

MORAES, Maria da Glória Quartim de. Reminiscências de uma velha: compilado por Yone Quartim. s. l. s. n. [1981]. 219 p. O exemplar pode ser encontrado na biblioteca da FFLCH pelo número de localização: 929.2 Q27r.

MUZART, Zahidé Lupinacci. Escritoras brasileiras do século XIX: antologia. Florianópolis: Editora Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000.

PERROT, Michelle. “Práticas da memória feminina”. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 9, no. 18. pp 09-18, ago.89/set.89.

SALIBA, Elias Thomé. Histórias, memórias, tramas e dramas da identidade paulistana. História da cidade de São Paulo, v. 3: a cidade na primeira metade do século XX. Organização de Paula Porta. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

SCHMIDT, Rita Terezinha. “Na literatura, mulheres que reescrevem a nação”. In: Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Organização: Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

VIANA, Maria José Motta. Do sótão à vitrine: memórias de mulheres. Belo Horizonte: Editora UFMG/Faculdade de Letras da UFMG, 1995.

Downloads

Publicado

2022-08-12

Como Citar

Mendes, M. (2022). Nas bordas da autoria: a escrita errática dos cadernos de Maricota (1850 – 1937). Frontería evista o rograma e Pós-Graduação m iteratura omparada, 3(4), 56–73. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/litcomparada/article/view/3488

Edição

Seção

Escritas fronteiriças: conexões culturais às margens da literatura