EQUILIBRE: JOGO DIDÁTICO COMO ESTRATÉGIA DE BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICAS PARA ALUNOS COM DÉFICIT DE ATENÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30691/relus.v4i2.2369

Resumo

O desenvolvimento de recursos didáticos que auxiliem a aprendizagem de alunos com deficiência cognitiva é uma necessidade para a educação. Dentro deste contexto, este artigo desponta na contribuição de novas ferramentas didáticas para o ensino por meio de um jogo didático. O desenvolvimento e a aplicação deste jogo foi realizado com alunos do segundo ano do ensino médio que apresentam o transtorno de déficit de atenção, em uma escola pública do município de Maringá-PR, sendo utilizado para a aplicação do jogo o tema balanceamento de equações. Para a investigação dos benefícios do jogo didático, foram levados em consideração critérios como, o acompanhamento semanal dos alunos no projeto, que permitiu conhecer o perfil de cada um com relação ao transtorno e as vantagens e desvantagens encontradas na aplicação de jogos didáticos em alunos com déficit de atenção.

Biografia do Autor

Jaime da Costa Cedran, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Possui graduação em Química (Bacharelado (2004) e Licenciatura (2006)) pela Universidade Estadual de Maringá, mestrado em Química pela Universidade Estadual de Maringá (2006) e doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática na mesma instituição (2015). Atualmente é professor Adjunto da Universidade Estadual de Maringá, atuando na área de Ensino de Química.

Débora Piai Cedran, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual de Maringá (2004), mestrado (2007) e doutorado (2018) em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática pela mesma Universidade. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Ensino de Química.

Luana Zulli Silva, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Química Licenciatura (2017) e Mestrado em Química (2020) pela Universidade Estadual de Maringá. Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) - Química (2014-2016) e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) 2016-2017. Atuou na pesquisa na área de Físico-Química com ênfase no estudo sínteses e aplicações de nanopartículas metálicas de ouro e prata.

Andressa Della Riva, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Química pela Universidade Estadual de Maringá (2018-2020) na área de Química Inorgânica com ênfase em Nanomateriais para aplicações biológicas. Graduada em Química Licenciatura pela UEM (2013 - 2017). Bolsista do Projeto de Iniciação Científica (PIBIC) na área de físicoquímica com ênfase em Nanomateriais (2016-2017). Bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) - Química (2013 - 2016).

Referências

ALMEIDA, F. A. A Importância das aulas práticas de ciências para alunos com transtornos de déficit de atenção e hiperatividade. 2012. 96 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2012.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais [recurso eletrônico] : DSM-5 / [American Psychiatric Association ; tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento ... et al.] ; revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli ... [et al.]. – 5. ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre : Artmed, 2014

BALBINO, R. R.; CARNEIRO, L. H. X.; SILVA, M. D.; SOUZA, M. M.; PAULA, M. M. V.; SOUZA, F. F. Jogos educativos como objetos de aprendizagem para pessoas com necessidades especiais. Novas Tecnologias na Educação, v. 7, n. 3, p. 1-11, 2009.

BARKLEY, R. A. Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade – TDA-H. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BORGES, C. J.; NEVES, L. O. R. O Lúdico nas Interfaces das Relações Educativas. Revista de Pedagogia, v. 6 n. 12, p. 1- 9, 2005.

BRASIL. Lei n.º 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lex: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei n.º 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Lex: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 jul. 2015.

BONADIO, R. A. A.; MORI, N. N. R. Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade: diagnóstico da prática pedagógica [online]. Maringá: Eduem, 2013.

CAVALCANTE, R. C. P.; Psicomotricidade: Uma estratégia de Intervenção em crianças com transtorno de déficit de atenção/Hiperatividade (TDAH). 2007. 64 f. Monografia (Especialização em Psicomotricidade) – Departamento de Fundamentos da Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

COSENZA, R. M.; GUERRA, L. B. Neurociência e Educação: Como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COSTA, S. R. D. O Papel da Interação Social na Aprendizagem do aluno com transtorno de déficit de atenção/hiperatividades TDAH: O caso do CENEP – HC/UFPR. 2016. 186 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

CUNHA, M. B. Jogos no Ensino de Química: Considerações Teóricas para sua Utilização em Sala de Aula. Química Nova na Escola, v. 34, n. 2, p. 92 – 98. 2012.

FERREIRA, M. E.; DENTE, E.; FERREIRA, B. LOUREIRO, M. Literacia científica e inclusão através da educação: caso de uma criança portadora de TDAH. Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), v.13, Enero, p. 153-168. 2015.

FOLQUITTO, C. T. F. Desenvolvimento psicológico e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): a construção do pensamento operatório. 2009. 138 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

GOMES, R. S.; MACEDO, S. H. Cálculo estequiométrico: o terror das aulas de Química. VÉRTICES, v. 9, n. 1/3. p. 149-160. 2007.

MAIA, M. I. R.; CONFORMTIN, H. TDAH e aprendizagem: um desafio para a educação PERSPECTIVA. v. 39, n.148, p. 73-84, 2015

MALLMANN, C. S., Influência do jogo Reversi na memória de trabalho em alunos com diagnóstico de TDAH. 2012. 161 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

MOURA, L. T., SILVA, K. P. M., SILVA, K. P. M. Alunos com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade): um desafio na sala de aula. Revista Eletrônica Acervo Saúde, n.22, p. 1-7, 2019.

MIGLIATO FILHO, J. R.F., Utilização de Modelos Moleculares no Ensino de Estequiometria para alunos do Ensino Médio– Estequiometria. 2015. 120 f. Dissertação (Mestrado em Química) – Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.

PIAGET, J. Psicologia e pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998

RANGEL JR, E. B. Percepções acerca do papel da escola no desenvolvimento psicossocial de indivíduos com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade/TDAH. 2007. 285 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

RODRIGUES, C. Formas criativas para estimular a mente de alunos com deficiência. Nova Escola [online] 2009. Disponível em: <http://novaescola.org.br/conteudo/440/formas-criativas-estimular-mente-deficientes-intelectuais>. Acesso em 30 de agosto de 2016.

ROHDE, L.A.; BARBOSA, G.; TRAMONTINA, S.; POLANCZYK, G. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: Atualização diagnóstica e terapêutica. Rev. Bras. Psiquiatr., v. 22. n. 2, p. 7- 11. 2004.

SOARES, M. H. F. B. O lúdico em química: Jogos e atividades aplicados ao ensino de química. 2004. 218 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

Downloads

Publicado

2021-01-05

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa ou de Experiências