O JOGO DIGITAL “ASSASSIN’S CREED ORIGINS” COMO UM ESPAÇO DE DESCOLONIZAÇÃO DA CIÊNCIA: uma análise do modo turismo à luz do entendimento de química ancestral africana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30691/relus.v4i2.2559

Resumo

À luz dos estudos e movimentos de decolonização dos saberes, em específico, do entendimento de Química Ancestral Africana como ressignificação das “artes práticas”, o presente trabalho buscou investigar a seguinte questão: o jogo Assassin’s Creed Origins, em seu modo turismo, apresenta um conteúdo sobre Ciência Química que enfatize matrizes epistêmicas não europeias? Foi realizada uma pesquisa qualitativa de caráter documental que, utilizando-se da análise de conteúdo, possibilitou o surgimento da categoria “Conhecimentos, métodos e técnicas desenvolvidas no Egito” e das subcategorias 1 - Desenvolvimentos medicinais e cosméticos; 2 – Bebidas, alimentos e fabricação de produtos cotidianos; 3 –mumificação. As subcategorias nos ajudam a compreender que o artefato cultural selecionado contribui para entendermos o Egito como produtor de conhecimento químico destacando que diversos processos como Epistemicídios e Pilhagens epistêmicas usurparam da África o direito a esse reconhecimento colocando-a em um espaço no qual as referências remontam exclusivamente a escravidão. O Egito retratado como um lugar de potência científica é uma questão de justiça epistêmica e pode contribuir tanto para processos de ensino e aprendizagem quanto para a divulgação de uma ciência não eurocentrada.

Biografia do Autor

Roberto Dalmo Varallo Lima de Oliveira, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Licenciado em Química pela Universidade Federal Fluminense (2012), Mestre e Doutor em Ciência, Tecnologia e Educação pelo CEFET-RJ (2017). Foi professor da Escola Básica. Tra- balhou entre 2014 e 2017 na Universidade Federal do Tocantins (UFT), entre 2017 e 2019 na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente, é professor da Universidade Fe- deral do Paraná (UFPR). Editor da seção Debates em Direitos Humanos, Culturas e Justiça Social no Ensino de Química da Revista REDEQUIM. Atua principalmente na busca pela convergência entre Educação em Ciências e Educação em Direitos Humanos, (re)pensando a prática e a formação de Professores de Ciências.

Vinícius Gurski Ferraz, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Estudante de Licenciatura em Química da UFPR

João Roberto Rátis Tenório da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Docente da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no Centro Acadêmico do Agreste, Núcleo de Formação Docente e professor permanente do Programa de pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM/UFPE). Licenciado em Química e Mestre em Ensino das Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e doutor em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), tendo sido bolsista CAPES do Programa de Doutorado-Sanduíche no Exterior (PDSE) durante cinco meses no Niels Bohr Centro de Psicologia Cultural - Universidade de Aalborg, Dinamarca. Tem experiência na área de Ensino de Química, com ênfase no processo de ensino e aprendizagem e formação de conceitos. Vem atuando, principalmente, em temas que envolvem: perfil conceitual, elaboração de jogos digitais e analógicos para o ensino de ciências e relações entre memória, imaginação e aprendizagem. Editor da Revista Debates em Ensino de Química e atual coordenador do curso de Licenciatura em Química do Campus do Agreste - UFPE.

Mayara Soares de Melo, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Professora da área de Ensino de Química na Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), possui graduação em Licenciatura em Química pela Universidade de Brasília - UnB e mestrado em Ensino de Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências - PPGEC/UnB. Atuou como professora da Secretaria de Educação do Distrito Federal e no Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal Goiano. Atualmente cursa o doutorado em Educação em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências - PPGEduC/UnB. Desenvolve pesquisas nas áreas de: Formação de Professores; Experimentação no Ensino de Ciências; Processos de Ensino-Aprendizagem de Conceitos Científicos; Abordagem de questões sociocientíficas

Referências

APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo/Brasil: Editora Atlas, 2011.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre el colonialismo. Madrid/Espanha: Ediciones Akal, 2006.

CLEOPHAS, M. G., & Cavalcanti, E. L. D., & Soares, M. H. F. Afinal de contas, é jogo educativo, didático ou pedagógico no ensino de química/ciências? Colocando os pingos nos “is”. In. CLEOPHAS, M. G., & SOARES, M. H. F. (Orgs.), Didatizacão Lúdica no Ensino de Química/ciências: teorias de aprendizagem e outras interfaces. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018. p. 33-43

COSTIKYAN, G. I have no words I must design: Toward a critical vocabulary for games. In: Proceedings of Computer Games and Digital Cultures Conference,New York/USA: Tampere University Press, 2020. p. 9-33.

DUBIELA, R. P.; BATTAIOLA, A. L. A importância das Narrativas em jogos de Computador. In: Proceeding of the Brazilian Symposium on Games and Digital Entertainment, 2007.

FLANAGAN, M. Critical Play: Radical Game Design. Academy of Art University: The MIT Press, 2009.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, 31(1), 2016. p. 25-49,

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del hombre editores, 2007.

JASPERS, K. Ciência e verdade (tradução de Antônio Abranches). O que nos faz pensar, 1(01), 1989. p. 104-117

KELLNER, D. A cultura da mídia: estudos culturais, identidade, e política entre o moderno e pós-moderno. Bauru/São Paulo: EDUSC, 2001.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires/Argentina: CLACSO, 2005. p. 21-53.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global, 2007. p. 127-167

MALDONADO-TORRES, N. Del mito de la democracia racial a la descolonización del poder, del ser, y del conocer, 2007. Documento multicopiado.Disponível em:https://globalstudies.trinity.duke.edu/sites/globalstudies.trinity.duke.edu/files/file-attachments/DelMito.pdf. Acesso em: 13/06/2020

MARQUES, F.; ROUSSO, I. Nota crítica à representação cultural do Antigo Egito nos jogos eletrônicos. In: SBGames. Rio de Janeiro, RJ, 2018.

MENDES, J.; MORAIS, M. Múmias digitais: práticas funerárias em Assassin’s Creed Origins. ARISE - Arqueologia interativa de Simulações Eletrônicas (MAE/USP)

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF–Dossiê: Literatura, língua e identidade, 34, p. 287-324, 2008.

MIGNOLO, W. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIRANDA, C. (2013). Currículos decoloniais e outras cartografias para a educação das relações étnico-raciais: desafios político-pedagógicos frente à Lei nº 10.639/2003. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 5(11), p. 100-118, 2013.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, 22(37), p. 7-32, 1999.

NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo/SP: Perspectivas, 2016.

PINHEIRO, B. C. S.; ROSA, K. Descolonizando saberes a lei 10.639/2003 no ensino de ciências. São Paulo, Livraria da Física, 2018.

PINHEIRO, B. C. S. O período das artes práticas: a química ancestral africana. Revista Debates em Ensino de Química (REDEQUIM), 6(2) p. 4-15, 2018.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p. 117-142, 2005.

SANTOS, B. D. S., & MENESES, M. P. Colonialidade do Poder e classificação social-Aníbal Quijano. SANTOS, Boaventura de Souza. Epistemologia do Sul. 2ª ed. Coimbra: Almedina, p. 73-113, 2013.

RANCIÈRE, J. Entrevista a Flávia Natércia. Ciência e Cultura, 57, 2005. p. 16-17.

RICHTER, I. M. Arte-Educação Intercultural: pensando a realidade brasileira. Pedagogia da arte: entre-lugares da criação. Rio Grande do Sul, Editora UFRGS, 2010.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista brasileira de história & ciências sociais, 1(1), 2009. p. 1-15.

SILVA, A. H.; FOSSÁ, M. I. T. Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 16(1), 2015.

SILVA, E. M.; ARAÚJO, C. M. D. Tendências e concepções do ensino de arte na educação escolar brasileira: um estudo a partir da trajetória histórica e socioepistemológica da arte/educação. REUNIÃO DA ANPED, 30, 2007.

SILVA, L. H.; PINHEIRO, B.C.S. Produções Científicas no antigo Egito: um diálogo sobre Química, Cerveja, Negritude e outras coisas mais. Revista Debates em Ensino de Química (REDEQUIM), 4(1), p. 5-28, 2018.

Downloads

Publicado

2021-01-05

Edição

Seção

Artigos Científicos de Pesquisa