Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Dossiê

v. 2 n. 5 (2020): Trabalho e Trabalhadorxs na América Latina

SOCIOLOGIA E TRABALHO: CLÁSSICAS CONCEPÇÕES

Enviado
October 15, 2019
Publicado
2020-10-10

Resumo

A necessidade de discutir as relações de trabalho numa perspectiva sociológica clássica e estender ao grande público vem aumentando de modo progressivo, sobretudo, devido o avanço das grandes transformações nas leis trabalhistas de várias nações. Nesse sentido, este ensaio analisa e discute as principais concepções sobre o conceito de “Trabalho” a partir das perspectivas dos autores clássicos da sociologia: Marx (1813-1873), Durkheim (1858-1917) e Weber (1864-1920). Em vista disso, o objetivo é dissertar sobre tal conceito evidenciando as diferenças, semelhanças e complementariedades teóricas entre os três autores, e como outros conceitos sociológicos, tal como “Modernidade”, estão atrelados e norteiam a discussão do tema trabalho. A partir das principais obras destes autores, revisito aspectos que podem influenciar em novas concepções sociológicas acerca do assunto em questão e gerar possíveis desdobramentos nas análises contemporâneas sobre o mundo do trabalho.

Referências

  1. CRARY, J. (2014). 24/7 - Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Cosac Naify.
  2. DE ALMEIDA, F. M. (2015). O Conceito de Trabalho nos Clássicos da Sociologia. Espaço Livre, v. 9, n. 18, p. 20-33.
  3. DE OLIVEIRA, G. A. (1970). A burocracia weberiana e a administração federal brasileira. Revista de Administração Pública, v. 4, n. 2, p. 47-74.
  4. DURKHEIM, É. (2008). Da Divisão do Trabalho Social. São Paulo: Martins Fontes.
  5. ______. A educação moral. (2017). Editora Vozes Limitada.
  6. FILGUEIRAS, L. (2006). O neoliberalismo no Brasil: estrutura, dinâmica e ajuste do modelo econômico. Neoliberalismo y sectores dominantes. Tendencias globales y experiencias nacionales, p. 179-206.
  7. FRIEDMAN, G; NAVILLE, P. (1973). Tratado de Sociologia do Trabalho. São Paulo: Editora Cultura.
  8. GIDDENS, A. (2006). Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 6ª Edição.
  9. KOVACS, I. (2002). As Metamorfoses do Emprego. Lisboa: Celta Editora.
  10. KOVACS, I; CASTILLO, J. (1998). Novos Modelos de Produção: Trabalho e Pessoas. Lisboa: Celta Editora, 1998.
  11. MALACO, J. T. S. (2016). Egoísmo ou altruísmo: a forma elementar das trocas em Aristóteles e Marx. São Paulo: Alice Foz.
  12. MEDA, D. (1999). O trabalho: um valor em vias de extinção. Lisboa: Fim de Século, 1999.
  13. MARX, K; ENGELS, F. (1998). A Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
  14. MARX, K. (2011). Mercadoria e Dinheiro. In: O Capital: Crítica da Economia Política, Volume I, Livro Primeiro, O Processo de Produção do Capital (Tomo 1). São Paulo: Boitempo Editorial.
  15. ______. Manuscritos econômico-filosóficos. (2015a). São Paulo: Boitempo Editorial.
  16. ______. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. (2015b). São Paulo: Boitempo Editorial.
  17. MUSSE, R. (2007). Um diagnóstico do Mundo Moderno. São Paulo: Ática.
  18. QUINTANEIRO, T. (2003). Um Toque de Clássicos: Marx, Durkheim e Weber. Editora UFMG.
  19. REIS, E. P. (1989). Reflexões sobre o homo sociologicus. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 4, n. 11, p. 23-33.
  20. SORJ, B. (2000). Sociologia e trabalho: mutações, encontros e desencontros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 43, p. 25-34.
  21. TORRESANI, E. (2018) Reforma trabalhista: uma comparação com o que ocorreu em diversos países, 2017. Disponível em: <https://torresani.jusbrasil.com.br/artigos/479027238/reforma-trabalhista-uma-comparacao-com-o-que-ocorreu-em-diversos-paises>. Acesso em: 21 dez. 2018.
  22. WEBER, M. (1994). Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Editora UnB.
  23. ______. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. (2004). São Paulo: Companhia Das Letras.
  24. WEFFORT, F. (2000). Os clássicos da política. São Paulo: Ática.
  25. ZIZEK, S. (1996). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto.