AMAZÔNIA GENERIFICADA E RACIALIZADA NA PANDEMIA:

TRANSBORDANDO O ESTADO BRASILEIRO

Autores

  • Brenda Thainá Cardoso de Castro UNAMA
  • Matheus dos Santos da Silveira PPGRI-UNILA

Palavras-chave:

Pandemia, Amazônia, Colonialidade, Saúde Global

Resumo

Diversos grupos sociais estão enfrentando uma “cronificação” de suas vulnerabilidades com a pandemia de COVID-19, contribuindo para o aumento das desigualdades socioeconômicas em todo o globo. Entre esses grupos, estão populações tradicionais que vivem na floresta amazônica: uma região historicamente atravessada por políticas anti-indígenas e desapropriação de terras, práticas de exploração que seguem padrões coloniais e agora, com a pandemia em curso, um reforço da violência estrutural que cruza a política, relações econômicas, sociais e institucionais da região com o restante do Brasil, bem como com a sociedade internacional (Castro, Lopes e Brondigio, 2020). Este texto visa dar um vislumbre do cruzamento de elementos da realidade amazônica na pandemia. Notamos que a região costuma ser alvo de interesse internacional como um “patrimônio mundial que precisa de proteção”, mas raramente é vista pelos contextos vividos pela população local e, principalmente, pelos efeitos da dinâmica global na região.

Referências

Anjos, A. B.; Muniz, B.; Fonseca, B. & Oliveira, R. (2020). “Em meio à pandemia de coronavírus, Brasil enfrenta ‘desertos’ de UTIs”. Agência Pública, Recuperado de: https://apublica.org/2020/03/em-meio-a-pandemia-de-coronavirus-brasil-enfrenta-desertos-de-utis/

APIB (2020). Dados Covid 19. Recuperado de: http://emergenciaindigena.apib.info/dados_covid19/

Carta do I Encontro de Mulheres Munduruku do Médio e Alto Tapajós. (2016). Recuperado de: https://documentacao.socioambiental.org/noticias/anexo_noticia/38842_20161202_104451.PDF

Castro, F.; Lopes, G. R. & Brondizio. E. S. (2020). The Brazilian Amazon in Times of COVID-19: from crisis to transformation?. Ambiente & Sociedade 23, e0123. https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc20200123vu2020l3id

Deleuze, G. & Guattari, F. (1997). Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia, vol 5. Traduzido por Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo.

FOSPA (2020). Declaração da Primeira Assembleia Mundial da Amazônia. Recuperado de: http://www.forosocialpanamazonico.com/pt/declaracion-de-la-primera-asamblea-mundial-por-la-amazonia/

G1. (2019). 'Brasil é uma virgem que todo tarado de fora quer', diz Bolsonaro ao falar sobre Amazônia. G1,

Recuperado de: https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/07/06/brasil-e-uma-virgem-que-todo-tarado-de-fora-quer-diz-bolsonaro-ao-falar-sobre-amazonia.ghtml

Gondim, N. (2019). A invenção da Amazônia. Manaus: Editora Valer.

Lemos, Nina. (2019). “Eduardo Bolsonaro: se a Amazônia é uma “mulher”, o relacionamento é abusivo”. UOL, Recuperado de: https://ninalemos.blogosfera.uol.com.br/2019/09/02/eduardo-bolsonaro-se-a-amazonia-e-uma-mulher-o-relacionamento-e-abusivo/.

Lugones, María. (2014). Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, 22 (3): 935-952. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/%25x

Mutua, M. W. (2001). Savages, Victims, and Saviors: The Metaphor of Human Rights. Harvard International Law Journal 42 (1): 201-245.

Nunes, J. (2019). Neglect in Global Health. Em: Routledge Handbook on the Politics of Global Health. Richard Parker e Jonathan Garcia (eds.). Nova York: Routledge.

Quijano, A. (2005).Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. Em: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas, Edgardo Lander (ed.). Buenos Aires: CLACSO. Recuperado de: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf

Runyan, A. S. (1992). The ‘State of Nature: a garden unfit for women and other living things. Em: Gendered States – Feminist (Re)Visions of International Relations Theory. V. Spike Peterson (ed.). Boulder: Lynne Rienner Publishers.

Valente, R. (2020). Mulheres de militares maquiam, dão roupas e causam aglorameração de ianomâmis. UOL, Recuperado de: https://noticias.uol.com.br/colunas/rubens-valente/2020/07/17/militares-coronavirus-indigenas.htm#:~:text=Uma%20%22a%C3%A7%C3%A3o%20social%22%20feita%20por,aglomera%C3%A7%C3%A3o%20de%20crian%C3%A7as%2C%20sem%20m%C3%A1scaras

Spezia, A. (2020). Solidariedade partilhada: nas aldeias ou em contexto urbano, indígenas enfrentam muito mais do que o avanço da covid-19 em Rondônia. CIMI, Recuperado de: https://cimi.org.br/2020/08/solidariedade-partilhada-aldeias-contexto-urbano-indigenas-enfrentam-muito-mais-que-avanco-covid-rondonia/

Downloads

Publicado

2021-05-26

Como Citar

Thainá Cardoso de Castro, B., & dos Santos da Silveira, M. (2021). AMAZÔNIA GENERIFICADA E RACIALIZADA NA PANDEMIA:: TRANSBORDANDO O ESTADO BRASILEIRO. evista spirales. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/espirales/article/view/2768

Edição

Seção

Dossiê especial: Faces e Aspectos da Pandemia de Covid-19 na América do Sul