Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Dossiê

v. 2 n. 5 (2020): Trabalho e Trabalhadorxs na América Latina

GEOPOLÍTICA DO TRABALHO: PANORAMA DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO EM FOZ DO IGUAÇU

Enviado
April 15, 2020
Publicado
2020-10-10

Resumo

O presente artigo busca, dentro do recorte geográfico representado pelo município de Foz do Iguaçu,  responder à pergunta: “quais são as raízes históricas das problemáticas do desemprego e do trabalho informal?” Para isso, são abordados temas que se relacionam com a construção da oferta de emprego e de mão-de-obra em Foz do Iguaçu, a organização dos trabalhadores, o trabalho informal e temas próprios à realidade de fronteira. Dessa forma, discute a geopolítica brasileira e necessidade de desenvolvimento de Foz do Iguaçu; a imigração em Foz do Iguaçu; as raízes da problemática do trabalho na localidade; formas de organização dos trabalhadores na localidade e, ainda, o desemprego e trabalho informal na tríplice fronteira. Sendo construido, dessa forma, um panorama de temas que influenciam direta e indiretamente nas dinâmicas de exploração do trabalho em Foz do Iguaçu no passado e na atualidade, materializando a modificação das formas de exploração e necessidade de, em contraposição, modificar as formas de criar identificação enquanto classe trabalhadora.

Referências

  1. ANDERSEN, S. (2009). Geopolítica e Energia na Bacia do Prata: o caso emblemático de Itaipu. I Simpósio Nacional de Geografia Política, Território e Poder, 17.
  2. Catta, L. E. (1994). O cotidiano de uma fronteira: a criminalidade e o controle social. Esboços: histórias em contextos globais, 1(1), 50-58.
  3. Da Fonseca, L. S. F. (2017). Fronteiras da precarização do trabalho: uberização e o trabalho on-demand. / XXXI congreso ALAS, 22.
  4. Da Rocha, A. S. (2006) Itaipu: Projeções Geopolíticas Brasileiras Sobre a Bacia do Prata. Revista Geo-Paisagem.
  5. Da Silva, M. A., & Lisboa, M. T. (2019). Criminalidade no século XXI e a tríplice fronteira: reflexões a partir de Coleman, Naim e Robinson. Revista Espaço Acadêmico, 18(214), 68-77.
  6. Da Silva, M. A., de Moraes, S. G., Duarte, N. P., & Mercadante, M. (2019). A IMPRENSA NACIONAL (BRASIL, ARGENTINA E PARAGUAI) E O NEXO TERRORISMO-TRÍPLICE FRONTEIRA EM 2018. Orbis Latina, 9(2), 192-207.
  7. De Araújo, M. M. (2018). Reforma trabalhista em tempos de “uberização”: qual o papel do Estado frente às tendências de precarização do tranalho? Rio de Janeiro, 69.
  8. Do Amaral, A. B. (2007). A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror: dinâmicas de constituição da ameaça terrorista no Cone Sul. Carta Internacional, 2(2), 48-58.
  9. Esposito-Neto, T. (2013). Um panorama da literatura relevante sobre Itaipu. Meridiano 47, 14(138), 37-44.
  10. Faustino, C. V. Itaipu, 30 anos depois: subsídios para a segurança energética brasileira e a cooperação sub-regional na Bacia do Prata. Revista Política Hoje, 23(1), 113-128.
  11. Hirata, H. (2011). Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França, Japão. Caderno crh, 24(SPE1), 15-22.
  12. IBGE. (2020). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística / indicadores. Acesso em https://www.ibge.gov.br/indicadores
  13. Mendes, I. L., Uhle, A. R., Santos Junior, E. D., & Geraldo, E. (2019). Memórias subterrâneas: produção de acervo e espaços de diálogo sobre cotidiano, violência e resistência dos Trabalhadores de Foz do Iguaçu.
  14. Rodrigues, L. M. (2009). Trabalhadores, sindicatos e industrialização.
  15. Sant’Anna, F. M; Ribeiro, W. C. (2015). Conflito pela geração de energia na Bacia do Prata: o caso de Itaipu. / 5º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais, 15.
  16. Santana, M. A. (1995). Cultura sindical e identidade nos anos 80/90. Revista de Ciências Humanas, 13(17 e 18), 82-90.
  17. Steca, L. C.; Flores, M. D. (2002) História do Paraná: do século XVI à década de 1950. Eduel: Londrina.
  18. Teixeira, D. L. P., & de Souza, M. C. A. (1985). Organização do processo de trabalho na evolução do capitalismo. Revista de Administração de Empresas, 25(4), 65-72.
  19. Thomazoni, T. (2018). Análise do processo de securitização e inclusão da Tríplice Fronteira na “guerra ao terrorismo”. Orbis Latina, 8(2), 170-180.
  20. Varesi, G. (2016). Apuntes para una teoría de la hegemonia en Gramsci. Buenos Aires.