UMA DÉCADA DE CRISE: DIÁLOGOS ENTRE A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHADOR E O RETRATO DE DETERIORAÇÃO SOCIAL NO FILME “VOCÊ NÃO ESTAVA AQUI” (2019)

Autores

  • Lucas Eduardo Silveira de Souza
  • Raphael Salatino Palomares
  • Luis Otávio Silveira de Souza

Resumo

O objetivo desse artigo é promover uma reflexão sobre o atual panorama de crise econômica e a sua interconexão com a filmografia do fim da década de 2010. Admitindo que as artes refletem o espírito de uma época, além de serem instrumento gerador de reflexão e problematização de diversos saberes, torna-se possível estabelecer pontos de diálogo entre os efeitos das novas relações de trabalho precário na era da uberização e o retrato da problematização desse fenômeno no filme “Você não estava aqui” (2019), do diretor Ken Loach. Com base nas novas tendências de precarização do trabalhador, analisadas sob a perspectiva do Brasil, argumentamos que ambos os cenários são dialógicos à medida em que, apesar das diversidades sociais, econômicas e culturais, incorporam elementos de similaridade no bojo das dinâmicas capitalistas atuais.

Biografia do Autor

Lucas Eduardo Silveira de Souza

Professor Substituto na Universidade Federal da Grande Dourados. Mestre em Relações Internacionais (UnB)

Raphael Salatino Palomares

Bacharel em Direito na Associação de Ensino e Cultura do Mato Grosso do Sul.

Luis Otávio Silveira de Souza

Bacharelando em Direito na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, campus de Três Lagoas.

Referências

CARTER, Sean; DODDS, Klaus. International Politics and Films: space, vision, power. London; New York: Wallflower Press Book, 2014.

CIPOLINI, A. Não é fita, é fato: tensões entre instrumento e objeto – Um estudo sobre a utilização do cinema na educação. 159 f. Dissertação de Mestrado (Pós-Graduação em Educação), Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2008.

CUNHA, R. S.; BRAGA, I. S.; ANDRADE, L. M. C. F.; TRINDADE, S. C. M.; GURGEL, R. D. F. O Cinema Como Instrumento Pedagógico: Relato de Experiência do PIBID/UFERSA de formação dos(as) educandos(as) da educação de jovens e adultos de Angicos/RN. In: V Encontro de Iniciação à Docência da UEPB. Campina Grande. Anais V ENID/UEPB, 2015. V. 1. P. 3.

CHRISTOFOLETTI, D. F. Flexibilização das Leis Trabalhistas ou Reforma por jogo de interesses?. Âmbito jurídico, v. 185, p. 27, 2019. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-do-trabalho/flexibilizacao-das-leis-trabalhistas-ou-reforma-por-jogo-de-interesses/. Acesso em: 29 abr. 2020.

CYSNE, Rubens Penha. Reformas econômicas a partir de 2019. Conjuntura Econômica, dez. 2018. Disponível em: https://epge.fgv.br/files/default/rubens-penha-cysne-reformas-economicas-a-partir-de-2019-conjuntra-economica-11-2018.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

FERRO, M. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FIRMINO, V. H. Como a UBER contribui para a precarização do trabalho na modernidade. Jusbrasil, 11 jan. 2018. Disponivel em: https://vitorfirmino.jusbrasil.com.br/artigos/534725925/como-a-uber-contribui-para-a-precarizacao-do-trabalho-na-modernidade. Acesso em: 28 abr. 2020.

GAIA, F. S. As novas formas de trabalho no mundo dos aplicativos: o caso “UBER”. 2018. 360 f. Tese (Doutorado em Direito) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

GASTALDI, J. Petrelli. Elementos de Economia Política. 19ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

GERHARD, Felipe; SILVA JUNIOR, Jeová Torres; CAMARA, Samuel Façanha. Tipificando a Economia do Compartilhamento e a Economia do Acesso. Organ. Soc., Salvador, v. 26, n. 91, p. 795-814, dez. 2019.

GOMES, J. F. O Cinema como Ferramenta para Reflexão Crítica Sobre as Relações Internacionais Contemporâneas: Análise do Indivíduo como Sujeito de direito Internacional a Partir do Filme “O Porto”. Revista de Direito, Arte e Literatura, v. 2, p. 92-108, 2016.

GUIMARÃES, L. Coronavírus no Brasil: 39% dos patrões dispensaram diaristas sem pagamento durante pandemia, aponta pesquisa. BBC Brasil. São Paulo, 22 abr. 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52375292. Acesso em: 29 abr. 2020.

KALIL, Renan Bernardi. Passou da hora de incluir os trabalhadores nos debates sobre a COVID-19. Justificando, 31 mar. 2020. Disponível em: https://www.justificando.com/2020/03/31/passou-da-hora-de-incluir-os-trabalhadores-nos-debates-sobre-a-covid-19/

MELLO, M. P. L. Cinema e Relações Internacionais: a representação do regime cubano no filme "Morango e Chocolate". 2015. 27 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Relações Internacionais), Centro de Ciências Sociais e Jurídicas, Universidade do Vale do Itajaí.

MELLO e SILVA, L. Trabalho e regresso: entre desregulação e re-regulação. In: OLIVEIRA, Francisco de; BRAGA, Ruy; RIZEK, Cibele (org.). Hegemonia às avessas: economia política e cultura financeira na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo Editorial, 2010. p. 61-91.

MORETTIN, E. V. O cinema como fonte histórica na obra Marc Ferro. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 38, p. 11-42, 2003.

NEVES JÚNIOR, E. J.; ZANELLA, C. K. O cinema e a extensão em relações internacionais: métodos, trajetórias e resultados. Revista da Extensão da UFRGS, v(?), n. 13, p. 30-37, 2016. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/revext/article/view/100800/56181. Acesso em: 20 jan. 2020.

______. O ensino de Relações Internacionais e o cinema: reflexões sobre o uso de filmes como uma ferramenta pedagógica. Meridiano 47, v. 18, p. 1-19, 2017.

OLIVEIRA, J. “Nosso filme olha para o caos da vida dominada pela tecnologia. É sobre essa falsa ilusão de liberdade”. El Pais, Cultura, 28 fev. 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/cultura/2020-02-28/nosso-filme-olha-para-o-caos-da-vida-dominada-pela-tecnologia-e-sobre-essa-falsa-ilusao-de-liberdade.html. Acesso em: 15 abr. 2020.

PUTTI, A. Apps são os maiores empregadores, mas precarização dá o tom nos trabalhos. Carta Capital, Economia, 7 mai. 2019. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/economia/proletariado-digital-apps-promovem-trabalhos-precarios-a-brasileiros/. Acesso em: 20 abr. 2020.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, B. de S. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Almedina, 2020. Disponível em: https://www.cpalsocial.org/documentos/927.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

SILVA, C. Sindicatos perdem 90% da contribuição sindical no 1º ano após reforma. O Estado de S. Paulo. Economia & Negócio. 05 mar. 2019. Disponivel em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,sindicatos-perdem-90-da-contribuicao-sindical-no-1-ano-da-reforma-trabalhista,70002743950. Acesso em: 29 abr. 2020.

SLEE, T. Uberizacao: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

SOUTO MAIOR, J. L. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2017.

SOUZA, Carlos Affonso Pereira de ; SILVA JUNIOR, Ronaldo Lemos da. Aspectos Jurídicos da Economia do Compartilhamento: Função Social e Tutela da Confiança. Direito da Cidade, v. 8, p. 1757-1777, 2016.

VANOYE, F.; GOLIOT-LÉTÉ, A. Ensaio sobre a Análise Fílmica. Campinas/SP: Papirus, 1994.

VOCÊ não estava aqui (Sorry We Missed You). Direção de Ken Loach. 2019. Netflix (100 min.).

WALLERSTEIN, I. A reestruturação capitalista e o sistema-mundo. In: GENTILI, P. (org.). Globalização excludente: desigualdade, exclusão e democracia. 4ª ed. Petrópolis, RJ. Vozes, 2002.

WEBER, Cynthia. International Relations Theory: a critical introduction. 4ª ed. Londres: Routledge, 2014.

ZANELLA, C. K.; NEVES JÚNIOR, E. J (org.). As Relações Internacionais e o Cinema: espaços e atores transnacionais. Vol. 1. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-10

Como Citar

de Souza, L. E. S., Palomares, R. S., & de Souza, L. O. S. (2020). UMA DÉCADA DE CRISE: DIÁLOGOS ENTRE A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHADOR E O RETRATO DE DETERIORAÇÃO SOCIAL NO FILME “VOCÊ NÃO ESTAVA AQUI” (2019). evista spirales, 2(5). ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/espirales/article/view/2260