2021: VII Encuentro de Estudios Sociales desde América Latina y el Caribe
Dossiê

CONSTRUINDO EPISTEMOLOGIAS DO SUL: CONCEITOS LATINOAMERICANOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Publicado 2021-01-06

Palavras-chave

  • Conceptos latinoamericanos,
  • América Latina,
  • Relaciones Internacionales,
  • Ciencia,
  • Decolonialidad
  • Conceitos latino-americanos,
  • América Latina,
  • Relações Internacionais,
  • Ciência,
  • Decolonialidade

Como Citar

Diniz Nogueira, L. ., & Malcher Sena, R. (2021). CONSTRUINDO EPISTEMOLOGIAS DO SUL: CONCEITOS LATINOAMERICANOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS. evista spirales, 214–228. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/espirales/article/view/2688

Resumo

Este artigo busca recuperar conceitos de autores latino-americanos que foram esquecidos ou muitas vezes nem sequer abordados para entender as relações internacionais e criar nossas epistemologias do Sul. O artigo está dividido em duas partes: em primeiro lugar, propõe-se a demonstrar a impossibilidade de criar uma teoria universal que possa abarcar e interpretar todas as realidades mundiais; e, em segundo lugar, recuperar conceitos elaborados por autores latino-americanos, pois estes, quando aplicados às relações internacionais, interpretam de forma mais fidedigna nossa realidade. Para complementar o debate sobre a superação da dependência latinoamericana, o presente trabalho nasce com o intuito de ajudar a superar também a nossa dependência mental, para que possamos fazer ciência de uma forma mais decolonial e menos subserviente.

Referências

  1. BARNABÉ, I. R. (2009). O Estudo das Relações Internacionais na América Latina: Teorias em xeque? In: XXVII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología. VIII Jornadas de Sociología de la Universidad de Buenos Aires. Buenos Aires: Asociación Latinoamericana de Sociología.
  2. CASAS, A. (2007). Pensamiento sobre integración y latinoamericanismo: Orígenes y tendencias hasta 1930. (1a ed.). Bogotá: Ediciones Antropos.
  3. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC). Liga das Nações. Recuperado em 27 junho, 2019, de https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/LIGA%20DAS%20NA%C3%87%C3%95ES.pdf
  4. CERVO, A. (2008). Conceitos em Relações Internacionais. Rev. Bras. Polít. Int. 51 (2): 8-25.
  5. FIGUEIREDO, A. G. de B. & Pinto, L. F. S. (2012). Pátria Grande, Indo-América: a integração da América Latina na obra de Haya de la Torre. Cadernos PROLAM/USP, v. 1, p. 72-84.
  6. GONÇALVES, J. S. & RIBEIRO, J. O. S. (2018). Colonialidade de gênero: O feminismo decolonial de Maria Lugones. In: VII Seminário corpo, gênero e sexualidade. III Seminário Internacional corpo, gênero e sexualidade. III Luso-brasileiro Educação em sexualidade, gênero, saúde e sustentabilidade. Rio Grande: Ed da FURG.
  7. LANDER, Edgardo (2005). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2005. Colección Sur Sur.
  8. MARIÁTEGUI, J. C. (2008). Siete ensayos de interpretación de la realidad peruana. (3a ed.). Caracas: Biblioteca Ayacucho.
  9. MARTÍ, J. (1983). Nossa América: Antologia. (1a ed.). São Paulo: Editora Hucitec.
  10. NOGUEIRA, J. P. & MESSARI, N. (2005). Teoria das Relações Internacionais: Correntes e Debates. (1a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.
  11. QUIJANO, Anibal (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2005. Colección Sur Sur.
  12. SANTOS, B. de S. (2009). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: Santos, B. de S. & Meneses, M. P. Epistemologias do Sul. (1a ed.). Coimbra: Livraria Almedina.