2021: VII Encuentro de Estudios Sociales desde América Latina y el Caribe
Dossiê

CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS E O PAPEL DAS POLÍCIAS NA MANUTENÇÃO DA ORDEM SOCIAL NO BRASIL, ARGENTINA E CHILE

Publicado 2021-01-06

Palavras-chave

  • movimientos sociales,
  • criminalización,
  • orden social,
  • policías nacionales,
  • América del Sur
  • movimentos sociais,
  • criminalização,
  • ordem social,
  • polícias nacionais,
  • América do Sul

Como Citar

de Mattos Araújo Alves, J. ., & do Vale Vieira, R. . (2021). CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS E O PAPEL DAS POLÍCIAS NA MANUTENÇÃO DA ORDEM SOCIAL NO BRASIL, ARGENTINA E CHILE. evista spirales, 197–213. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/espirales/article/view/2687

Resumo

O presente trabalho busca analisar como nos últimos anos os processos de criminalização e o uso de instrumentos de repressão vêm se expandindo para restringir ou impedir protestos populares urbanos especialmente no Brasil, na Argentina e no Chile, ainda que em níveis diferenciados. Na América do Sul, as polícias do tipo gendarmeria, altamente hierarquizadas e militarizadas, são os principais atores na garantia da segurança, que é entendida a partir da manutenção de uma dada ordem social que quando perturbada, pela atuação dos movimentos sociais, por exemplo, gera respostas violentas por parte dessas forças de segurança e do Estado nacional. Para melhor compreender tais processos, optou-se por primeiro realizar uma breve conceituação e análise histórica do papel dos movimentos sociais e sua relevante atuação como meio de reivindicação social,
imprescindíveis para o avanço de uma sociedade democrática. Em seguida, é analisada a atuação das polícias nacionais em cada um desses países a partir do conceito de ‘ordem social de acesso fechado’ apresentado por North, Wallis e Weingast no livro Violence and Social Orders. Por fim, são abordados os aspectos que levaram ao processo de criminalização e repressão dos movimentos e de seus integrantes.

Referências

  1. ARGENTINA. Poder Ejecutivo Nacional, Ley n° 19349, de 25 de novembro de 1971. Disponível em: https://www.argentina.gob.ar/normativa/nacional/ley-19349-38871. Acesso em 21 de nov. de 2019.
  2. BRASIL. Lei Nº 7.170, de 14 de Dezembro de 1983. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7170.htm. Acesso em: 30 de jun. 2018
  3. BRASIL. Lei Nº 12.850, de 2 de Agosto de 2013. Brasília, DF. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12850.htm Acesso em: 30 de jun. 2018
  4. BRASIL. Lei Nº 13.260, de 16 de Março de 2016. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13260.htm. Acesso em: 20 de jul. 2019
  5. BRASIL. Ministério da Defesa. Manual de Garantia da Lei e da Ordem, 2013. Brasília, DF. Disponível em: https://www.defesa.gov.br/arquivos/File/doutrinamilitar/listadepublicacoesEMD/md33_m_10_glo_1_ed2013.pdf. Acesso em: 20 de jul. 2019
  6. BRINGEL, Breno. Movimientos sociales y la nueva geopolítica de la indignación global. In: BRINGEL, Breno; PLEYERS, Geoffrey (eds). Protesta e indignación global: Los movimientos sociales en el nuevo orden mundial. 1a ed. Buenos Aires: CLACSO; Río de Janeiro: FAPERJ, 2017. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20181101011041/Movimientos_sociales_siglo_XXI.pdf. Acesso em: 08 de out. de 2019.
  7. BUTLER, Judith. Corpos em Aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Tradução Fernanda Siqueira Miguens. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.
  8. CELS. Los Estados latinoamericanos frente a la protesta social. 1a ed. Buenos Aires: CELS, 2016. Disponível em: https://www.cels.org.ar/protestasocial_AL/pdf/protesta_social.pdf. Acesso em: 10 de out. de 2019.
  9. CELS. El derecho a la protesta social en la Argentina. 1a ed. Buenos Aires: CELS, 2017. Disponível em: https://www.cels.org.ar/protestasocial/pdf/CELS_Protesta_Arg.pdf. Acesso em: 10 out. de 2019.
  10. CELS. Argentina: el derecho a la protesta en riesgo. Buenos Aires: CELS, 2019. Disponível em: https://www.cels.org.ar/web/wp-content/uploads/2018/11/2019-El-derecho-a-la-protesta-en-riesgo.pdf. Acesso em: 10 de out. de 2019.
  11. CHILE. Ministerio de Defensa Nacional, Ley no.18.961, de 07 de março de 1990. Disponível em: https://www.leychile.cl/Navegar?idNorma=30329. Acesso em: 21 de nov. de 2019.
  12. FREIXO, Adriano. Tudo à frente, nada à frente: protestos de rua e crise política no Brasil (2013-2016) In: FREIXO, A. (org.). Manifestações no Brasil: as ruas em disputas, Rio de Janeiro. Oficina Raquel, 2016.
  13. GOHN, Maria da Glória. Pluralidade da representação na América Latina. Sociedade e Estado, vol.29, n.1, janeiro/abril 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v29n1/05.pdf. Acesso em: 15 de jul. de 2019
  14. GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 47, maio-ago. 2011. Disponível em: http//www.scielo. br/pdf/rbedu/v16n47/ v16n47a05.pdf. Acesso em: 16 de jul. de 2019
  15. GENEVA CENTRE FOR THE DEMOCRATIC CONTROL OF ARMED FORCES. Gendarmeries and constabulary-type police, SSR Backgrounder Series. Geneva: DCAF, 2019
  16. MINISTÉRIO DA DEFESA. Glossário das Forças Armadas. 2007
  17. NORTH, D. C.; WALLIS, J. J.; WEINGAST, B. R.. Violence and social orders: a conceptual framework for interpreting recorded human history. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.
  18. PLEYERS, Geoffrey. Movimientos sociales en el siglo XXI : perspectivas y herramientas analíticas. 1a ed. Buenos Aires: CLACSO, 2018. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20181101011041/Movimientos_sociales_siglo_XXI.pdf. Acesso em: 08 de out. de 2019.
  19. RIO DE JANEIRO (Estado). Lei 443, de 01 de julho de 1981, ALERJ. Disponível em: http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/contlei.nsf/c8aa0900025feef6032564ec0060dfff/b491b877b18a3c79032565a6005def48?OpenDocument. Acesso em: 21 de nov. de 2019.
  20. RIVERA-AGUILERA, Guillermo & MORALEZ, Karol & PAVEZ, Mena Javiera. (2016). La criminalización de los movimientos sociales: un análisis discursivo que construye la Ley antiencapuchados en Chile. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/329555100_La_criminalizacion_de_los_movimientos_sociales_un_analisis_discursivo_que_construye_la_Ley_antiencapuchados_en_Chile. Acesso em: 21 de nov. de 2019.
  21. SANTOS, W. Dicionário jurídico brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.
  22. TOURAINE, Alain. An Introduction to the Study of Social Movements. Social Research, Vol. 52, No. 4, 1985.
  23. VIANA, Nildo. A criminalização dos movimentos sociais. Revista Espaço Acadêmico, v. 17, nº 202, março de 2018/mensal. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/40241. Acesso em: 20 de jul. de 2019