OS INTERESSES PRIVADOS DA COMUNICAÇÃO NA COBERTURA DE PROCESSOS POLÍTICO ELEITORAIS NO BRASIL

Autores

  • Diego Alarcón

Palavras-chave:

Comunicação política, interesses privados, processos eleitorais

Resumo

Sendo que a mídia é uma ferramenta fundamental na construção da opinião pública, torna-se estratégico para os detentores do poder econômico adquirí-la e monopolizá-la como um mecanismo para garantir sua hegemonia social. Portanto, é importante ter ciência de que o “Quarto Poder” atua articuladamente com o poder económico e com o poder político, e todos estes têm interesses em comum. Esta pesquisa bibliográfica se propõe fazer uma análise crítica que permita refletir sobre a influência dos meios de comunicação privados na forma como é realizada a cobertura da comunicação política nos processos eleitorais no Brasil. Em este trabalho mostra-se que a maioria dos meios de comunicação do Brasil são privados e muitos pertencem a empresas ligadas a legisladores da bancada empresarial, isso compromete a qualidade da informação como demostra-se na forma parcializada como é veiculada a informação antes e durante os processos eleitorais analisados neste trabalho. Pode-se concluir que o conflicto de intereses gerado pela monopolização dos meios de comunicação por parte do setor empresarial afeta os procesos políticos e eleitorais e a qualidade da democracia.

Referências

Assange, J. (2012). CYPHERPUNKS: liberdade e futuro da internet. Boitempo Editorial: Brasil.

Bayma, I. (2001). A concentração da propriedade de meios de comunicação e o coronelismo eletrônico no brasil. 2001. Disponível em: acesso em: 06/10/2017.

Cervi, E. (2012). Opinião Pública e Comportamento Político. Intersaberes: Curitiba.

Cervi, E; Massuchin, M; Cavassano, F. (org.). (2016). Internet Eleições no Brasil. CPOP: Curitiba. Disponível em: <https://blogempublico.files.wordpress.com/2013/02/cervi_cap1_internet_eleicoes.pdf>

Chomsky, N. (2014). Mídia: Propaganda política e manipulação. Wmf Martín Fontes: São Paulo.

Congresso em Foco. (2010). Bancada empresarial será quase metade do Congresso. Disponível em: <http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/manchetes-anteriores/bancada-empresarial-será-quase-metade-do-congresso/> acesso em: 06/10/2017.

Correia, J (2004) Ideologia e Hegemonia. In Albino, A; Rubim, C. (Org). Comunicação Política: conceitos e abordagens. P. 223-258. Edufba: Salvador. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/134/4/Comunicao-Politica_RI.pdf>

De Moraes, D. (2013). Medios, poder y contrapoder: de la concentración monopólica a la democratización de la información. Biblos: Buenos Aires.

El Mundo. Es (2013). Rafael Correa a Ana Pastor: '¿Qué pasó por TVE? ¿No había independencia?’. Disponível em: <https://www.elmundo.es/elmundo/2013/04/29/comunicacion/1367236033.html> acceso em: 04/10/2017

FNDC-Coordenação Executiva. (2015). Sem mídia democrática não há democracia. Disponível em: <http://www.fndc.org.br/noticias/sem-midia-democratica-nao-ha- democracia-924641/> acesso em: 04/10/2017

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. 17 Paz e terra: Rio de Janeiro.

Leal, P. (2007). Jornalismo Político Brasileiro e a Análise do Enquadramento Noticioso. II Compolítica - Congresso da Associação Brasileira dos Pesquisadores de Comunicação e Política. Disponível em: .

Manchetômetro. (2014). Eleições 2014. Disponível em: <http://www.manchetometro.com.br/index.php/category/analises/eleicoes-2014/> acesso em: 20/09/2017.

Marx, K; Engels, (1992). Friedrich.L’idéologie allemande. In Marx, K. Philosophie. Gallimard: Paris.

Tavares, H. (2008). Raymond Williams: pensador da cultura. Revista Ágora, nº8 :Vitória.

Downloads

Publicado

2021-01-06

Como Citar

Alarcón, D. . (2021). OS INTERESSES PRIVADOS DA COMUNICAÇÃO NA COBERTURA DE PROCESSOS POLÍTICO ELEITORAIS NO BRASIL. evista spirales, 67–81. ecuperado de https://revistas.unila.edu.br/espirales/article/view/2680